Publicidade

Estado de Minas PARA DRIBLAR A FISCALIZAÇÃO?

Funcionário ocupa lugar de cobrador em linha que circula sem o profissional em BH

Uniformizado, ele foi confundido pelos passageiros, mas apontava o motorista para o pagamento da tarifa. Nesta semana, BHTrans começou operação para fiscalizar linhas


postado em 03/10/2019 10:09 / atualizado em 03/10/2019 15:09

Funcionário de empresa de ônibus ocupava lugar do cobrador, mas não estava na função(foto: Elian Guimarães/EM/DA Press)
Funcionário de empresa de ônibus ocupava lugar do cobrador, mas não estava na função (foto: Elian Guimarães/EM/DA Press)


Passageiros de um coletivo da linha 104 (Estação Lagoinha/Avenida), que circula pela Afonso Pena, no Centro de Belo Horizonte, tiveram uma surpresa na manhã desta quinta-feira, em meio à batalha entre a prefeitura e empresas pela volta dos cobradores às linhas de ônibus.

Assim como ocorre no restante da cidade, os veículos da linha circulam sem cobrador há vários meses. Hoje, um funcionário uniformizado estava sentado na cadeira do profissional. No entanto, em vez de recolher as passagens, ele indicava o motorista aos usuários que queriam pagar em dinheiro. Quando questionado, ele disse que apenas acompanhava o motorista em treinamento. 

Por meio de nota, a BHTrans informou que vem fiscalizando todas as linhas do sistema da capital no início e final dos itinerários, e que todas as viagens sem cobrador sao passíveis de autuação. Leia na íntegra:

"A BHTRANS fiscaliza, diariamente, as linhas do transporte coletivo da capital. Atualmente a frota conta com 2873 ônibus que realizam, em média, 685 mil viagens por mês. Em 2019, de janeiro à setembro, foram registradas 11.771 autuações por ausência de agente de bordo. Os 500 novos agentes de bordo foram contratados e, parte deles, ainda passa por treinamento.

A BHTRANS está fiscalizando todas linhas do sistema, incluindo as que estão recebendo os novos agentes de bordo. A fiscalização acontece no início e final dos itinerários: nos pontos finais/iniciais e nas estações. Se a viagem não possui agente de bordo a empresa responsável pela linha é autuada em R$ 658,51, conforme as regras da legislação. Todas as viagens que não tiverem agente de bordo ou ele não estiver atuando é passível de autuação. Embora a linha seja autuada, a viagem irá transcorrer normalmente para não prejudicar o usuário."

O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte também se manifestou sobre o ocorrido, confira na íntegra:

"A orientação do SetraBH para as empresas associadas, é a de circularem com o agente de bordo nos horários determinados pela legislação. A ausência do profissional somente é indicada em horários nos quais é permitida e em linhas legalmente autorizadas, o que inclui linhas troncais e alimentadoras. Todos os 501 agentes de bordo contratados já estão trabalhando. Em relação a ocorrência na linha 104, já estamos apurando a denúncia".

Cerco para exigir cobradores


Depois do ultimato do prefeito Alexandre Kalil às empresas de transporte público que circulavam sem cobradores, a BHTrans aumentou a fiscalização para garantir o cumprimento da contratação de 500 agentes de bordo. 

Na manhã de quarta-feira, cinco equipes foram a pontos finais de coletivos para averiguar a presença dos trocadores
. Como o Estado de Minas mostrou ontem, usuários do transporte público em Belo Horizonte vêm apontando os riscos de o recebimento das passagens ser feito pelos próprios motoristas. (Com informações de Márcia Maria Cruz)


Publicidade