Publicidade

Estado de Minas AQUI PASSOU UM BONDE

Vovôs interagem com a realidade aumentada: um vídeo sobre memória e afeto

Os bondes já alcançaram 73 quilômetros em Belo Horizonte - isso é mais abrangência que as linhas exclusivas do Move e que o metrô de hoje. Os trilhos foram enterrados; as memórias não


postado em 09/08/2019 12:53

(foto: Jorge Lopes e Larissa Kümpel/EM/D.A Press)
(foto: Jorge Lopes e Larissa Kümpel/EM/D.A Press)

Há 50 anos, o transporte coletivo de Belo Horizonte se modernizava, e para isso, os últimos trilhos dos bondes foram enterrados sob asfalto na capital. Mas as memórias continuam vivas nas mentes de quem já precisou se equilibrar nos estribos para conseguir chegar a destinos diversos.

O Jornal Estado de Minas convidou quem viveu nessa época para relembrar histórias e experimentar o projeto multipataforma que trouxe os bondes de volta às ruas da cidade

A reportagem com realidade aumentada recriou um bonde nos moldes dos que transitavam pela capital. Possível de ser visto nas telas de smartphones quando as câmeras apontam para QRCodes, o trem salta da tela.

Cartões com o código foram distribuídos em algumas lojas da Drogaria Araújo. Dentre os convidados a participar desta experimentação estão os irmãos Edina Braga, 77 anos, e Ailton Braga, 78 anos, criados com o dinheiro que o pai recebia na profissão de motorneiro de bonde. 

"Esse bonde que eu estou vendo, é ele! É o nosso bondinho. Amarelo, igualzinho!", entusiasmou-se a dona de casa Sônia Maakaroun, de 87 anos, ao conseguir rever o bonde em várias perspectivas na tela de um tablet.

O jornalista Ivan Drummond, 61 anos, que andava de bonde todos os fins de semana com a família, relembrou o quanto esses passeios preenchem as memórias de infância. Assista ao encontro dos vovôs e a realidade aumentada:



Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade