Publicidade

Estado de Minas

Veja o que muda em BH neste fim de semana de Virada Cultural

Evento que começa amanhã em BH e terá duração de 24 horas mobiliza setores de trânsito, segurança e logística para garantir diversão e tranquilidade. São esperadas 500 mil pessoas


postado em 19/07/2019 06:00 / atualizado em 19/07/2019 08:09

(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)


A pretensão é torná-la uma das maiores do país. Na quinta edição, a Virada Cultural de BH mostra que está densa, consolidada e pronta para mais. Em nível de importância, está lado a lado com o carnaval e o Arraial de Belô. Uma megaestrutura está sendo montada no Hipercentro para receber artistas mineiros e convidados nacionais e garantir a diversão do público, estimado em 500 mil pessoas. Mudanças na cidade foram anunciadas ontem para possibilitar a convivência das mais diversas tribos numa festa a céu aberto e gratuita. O evento terá início amanhã, com duração de 24 horas. Começa às 19h e vai até o mesmo horário do domingo. Vários setores da prefeitura da capital e a Polícia Militar estão mobilizados para garantir segurança, mobilidade e atendimento de saúde.
 
Serão 25 espaços no Hipercentro, 10 palcos, 447 atrações, 2.837 artistas e R$ 2,5 milhões em investimentos. “É um festival com oferta para todos os gostos. Importante para a arte e cultura mineira e uma vitrine fantástica para os artistas”, afirmou o secretário Municipal de Cultura, Juca Ferreira. Trechos de ruas e avenidas da região estarão interditados ao trânsito amanhã, a partir das 14h. A liberação vai ocorrer às 3h de segunda-feira. O bloqueio vai da Avenida Afonso Pena, próximo ao Parque Municipal, até a Rua Guaicurus, avançando na direção das praças Raul Soares e da Estação. Apenas moradores poderão acessar a área interditada.
 
O bloqueio vai afetar ainda 70 linhas de ônibus que terão o itinerário alterado. Os coletivos que vêm das avenidas Pedro II, Antônio Carlos e Cristiano Machado terão pontos na Avenida Olegário Maciel. Já os que vêm das avenidas Amazonas, Afonso Pena, Alfredo Balena, Brasil e do Contorno terão pontos na Rua Timbiras e na Avenida Augusto de Lima. Os motoristas poderão parar para embarque e desembarque de passageiros ao longo do trajeto dos desvios sempre que solicitados.
 
O presidente da BHTrans, Célio Bouzada, informou que o acesso de moradores estará garantido nas áreas interditadas. “O motorista só não poderá atravessar essa região de um ponto ao outro”, afirmou. O acesso à área hospitalar ficará liberado. Haverá reforço nas linhas do circular SC1, SC4 e do 105, que faz integração com o metrô. Serão criados ainda bolsões de táxi nas vias liberadas ao tráfego e próximo aos palcos.
 
Linhas do Move também serão reforçadas. Os circulares farão viagens a cada 30 minutos e os ônibus do Move serão “estocados” na Região Central. “À medida que houver demanda, soltamos”, explicou Bouzada. As linhas com embarque e desembarque nas estações Carijós e Rio de Janeiro vão operar normalmente nas avenidas Paraná e Santos Dumont. As estações Tamoios e São Paulo não funcionarão no domingo.

(foto: Arte EM)
(foto: Arte EM)

 
Pela primeira vez, o metrô funcionará na Virada durante 24 horas ininterruptas. A Estação Central ficará aberta para embarque e desembarque durante toda a programação e será alimentada pela linha de ônibus 105. Os trens partirão a cada meia hora. As outras estações estarão abertas no horário habitual (das 5h15 às 23h), com funcionamento em tempo integral durante a Virada apenas para desembarque de passageiros. Não haverá recarga de crédito nos cartões Ótimo e BHBus, apenas venda de bilhetes únicos.

POLICIAMENTO Reforço também na segurança. Mais de 210 policiais militares devem ficar por conta do evento, fora os homens do batalhão dentro da área da Contorno. Eles estarão em maior número na Praça da Estação, onde haverá show de Daniela Mercury, Chama o Síndico e Fernanda Abreu, e no palco em frente à prefeitura. Haverá também policiais à paisana para identificar, principalmente, autores de furto, sobretudo de celulares. Esse crime é de oportunidade e tem a ver com a fragilidade da vítima. As pessoas devem se lembrar de guardar o telefone em local não visível”, alerta o tenente-coronel Micael Henrique Silva, comandante do 1º Batalhão.
 
A Guarda Municipal também terá efetivo em toda a região, nas estações do Move e nas Unidades de Pronto-Atendimento (UPAs). Ao todo, serão empenhados 700 agentes, 40 motocicletas e 22 viaturas.


Publicidade