Publicidade

Estado de Minas

BH tem o segundo ano mais letal da dengue desde 2010

Número de mortes em decorrência da doença subiu para 17 em 2019. Os dados ficam atrás, apenas, de 2016, quando 62 moradores perderam a vida após contraírem o vírus


postado em 05/07/2019 17:54 / atualizado em 05/07/2019 18:01

Já foram confirmados 59,9 mil casos da doença neste ano(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Já foram confirmados 59,9 mil casos da doença neste ano (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

Com a chegada do frio, os casos novos de dengue desaceleraram em Belo Horizonte. Mesmo assim, a situação da doença em 2019 é preocupante. Já são 17 mortes registradas entre janeiro e junho deste ano na capital mineira. Os dados ficam atrás, apenas, de 2016, quando 62 moradores perderam a vida após contraírem o vírus. O ano teve a pior epidemia já registrada na cidade.

Dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMSA), divulgados nesta sexta-feira, mostram que 2019 está sendo um dos anos mais letais desde 2010. Em duas semanas, mais cinco óbitos foram confirmados, o que não significa que eles aconteceram neste período, e sim que resultados de exames ficaram prontos. Com isso, já são 17 pessoas que perderam a vida.

A estatística negativa coloca 2019 na segunda colocação com o maior número de mortes dos últimos 10 anos. Ultrapassou 2010, que registrou 15 óbitos, e 2013, que teve 10. Fica atrás apenas de 2016, quando 62 moradores não resistiram aos sintomas da enfermidade.

O frio e a estiagem desaceleraram a doença em junho. Segundo a SMSA, houve queda nos registros no período, sendo que 90,3% dos casos ocorreram nos meses de março, abril e maio. Mesmo assim, o número de pessoas infectadas assusta. Foram confirmados 59.985 casos e outros 46.646 ainda estão sendo investigados.

Em duas semanas, o aumento foi de 9.523 novos casos. O total de casos registrados, coloca BH em sua terceira pior epidemia dos últimos dez anos. Ultrapassou 2010, que teve 50.025 registros. Ainda está atrás de 2013 e 2016, que tiveram 96.126, e 154.615, infectados, respectivamente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade