Publicidade

Estado de Minas

Greve geral afeta atendimento em centros de saúde de Belo Horizonte

Unidades estão abertas, mas determinados serviços, como entrega de medicamentos e exames, não são realizados hoje em alguns centros da capital


postado em 14/06/2019 11:00 / atualizado em 14/06/2019 11:39

Atendimento é limitado no Centro de Saúde Paraíso, na Região Leste de Belo Horizonte(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
Atendimento é limitado no Centro de Saúde Paraíso, na Região Leste de Belo Horizonte (foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


A área da saúde de Belo Horizonte também foi afetada pela greve geral nesta sexta-feira contra a reforma da Previdência e cortes na área da educação pelo governo federal. Os centros de saúde da capital mineira estão abertos, porém, alguns serviços não são realizados. 

 

Nesta manhã, a movimentação era tranquila no Centro de Saúde Cachoeirinha, na Região Noroeste de BH. Flaura Bruna, de 34 anos, procurou por atendimento ao acordar com dores abdominais. "Quem está chegando, está sendo atendido. E demorou cerca de 20 minutos, o que corresponde a um tempo médio mesmo para atendimento. Tem dois médicos trabalhando", contou. Funcionários da unidade de saúde disseram que estão atendendo apenas ocorrências de urgência.


O atendimento também é limitado no Centro de Saúde Paraíso, na Região Leste de Belo Horizonte. Segundo funcionários, apenas urgências e pacientes com suspeita de dengue estão sendo atendidos. Mas, Antônio Francisco da Silva, de 62, foi ao posto para medir a pressão. "Foi bem rapidinho. Coisa de 15 minutos. O único problema é que eu precisava de pegar medicamentos na farmácia, que está fechada. Mas, tenho um estoque e voltarei na segunda-feira", disse. Ele é favorável a paralisação: "Toda manifestação pacífica é válida", disse.

A Secretaria Municipal de Saúde da capital informou nesta manhã que todos os centros e saúde estão abertos, mas só terá um balanço da adesão dos servidores ao protesto no fim do dia.

O presidente do Sindicato dos Servidores e Empregados Públicos de Belo Horizonte (Sindibel), Israel Arimar, disse nesta manhã que as Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da capital operam hoje com até 40% dos funcionários. Nos centros de saúde, há variação do quadro das equipes pela manhã. Em algumas unidades, o em.com.br apurou que o serviço de farmácia não está funcionando hoje. Em outras, não houve coleta de exames. 



Publicidade