Publicidade

Estado de Minas

Jovem perde carteira dentro do Uber e, com ajuda de Fabrício Carpinejar, consegue recuperá-la

O escritor fez um post em sua rede social com o intuito de encontrar o dono do objeto. Diante da repercussão, minutos depois o dono se manifestou


postado em 21/05/2019 13:51 / atualizado em 21/05/2019 15:42


Quem nunca sofreu com a perda de um documento, chaves, dinheiro ou celular? A sensação de não saber onde se encontram tais pertences é horrível e nos envolve em uma procura incansável. Foi essa a aflição que Fellipe Gusmão Rafael sentiu nos últimos dias, depois de sair de um evento que ocorria no Mineirão, no domingo (19), em BH. No entanto, graças a um post no Instagram, feito pelo escritor Fabrício Carpinejar, ele conseguiu reaver sua carteira, nesta terça-feira (21). O objeto foi perdido durante uma corrida em um veículo de transporte por aplicativo.

Felipe, de 28 anos, é barman, mora no Bairro São Francisco, na região da Pampulha. Com seu irmão, depois de aproveitar a tarde de domingo em um evento sobre música e cerveja no Mineirão, eles decidiram utilizar o Uber ao voltar para casa. O irmão de Felipe foi o responsável por chamar o carro por meio de seu smartphone. Viagem curta, cerca de 3 quilômetros.

Depois que chegou em casa, ao entrar em seu quarto, o jovem barman percebeu que em seu bolso não se encontrava a carteira, que continha documentos pessoais, cartões de banco e R$ 200 em dinheiro.

Imediatamente, Felipe chamou o irmão e relatou a perda. Os dois logo comunicaram à Uber sobre o ocorrido, com a esperança de conseguir o contato do motorista que transportou os jovens. Porém, por conta de uma política da empresa, esses dados não poderiam ser revelados a terceiros. O que iria ser feito seria um comunicado direto com o motorista, a fim de confirmar o caso e assim prosseguir com a devolução.

A empresa chegou a confirmar que um objeto foi encontrado no interior do carro, mas também não podia afirmar o que era. “Ficaram nessa de conversa pra lá, conversa pra cá, e nada se resolveu”, relatou Felipe, em entrevista ao Estado de Minas.

O que ele não esperava é que o motorista também estava procurando por ele. Além disso, não imaginava que sua pequena história poderia ir parar no perfil do escritor Fabrício Carpinejar. Tudo porque Carpinejar ficou sabendo da história e resolveu ajudar procurando-o por meio de um post no Instagram.

E hoje, em seu dia de folga, o jovem que até então não tinha notícias de sua carteira, recebeu uma ligação de sua chefe dizendo que sua perda estava sendo divulgada pelo escritor.

Fellipe Gusmão Rafael usuário do transporte (esqu.) e Vanderson Marques Guimarães, motorista do Uber (Dir.) no encontro desta terça-feira (21)(foto: Divulgação/arquivo pessoal )
Fellipe Gusmão Rafael usuário do transporte (esqu.) e Vanderson Marques Guimarães, motorista do Uber (Dir.) no encontro desta terça-feira (21) (foto: Divulgação/arquivo pessoal )

Sem perder tempo, mandou mensagem via direct para Fabrício, que logo passou o telefone do condutor da corrida de domingo e, assim, Felipe pôde entrar em contato e combinar a entrega de seus pertences para o dia de hoje.

Apesar do final feliz, Felipe fez questão de destacar: “Deveria ser mais fácil para quem perde seus objetos ter a chance de recuperá-los. Agradeço ao Carpinejar pelo post”.

MOTORISTA Vanderson Marques Guimarães, de 38 anos, é casado e tem uma filha. Morador de Belo Horizonte, trabalha no Uber há dois anos e revela já ter encontrado de tudo dentro de seu veículo: “Telefone, chave, óculos, guarda-chuva, bolsas e até sapatos eu encontrei nos bancos do meu carro”. Ele reforça que sempre entra em contato com o cliente para tentar uma devolução, sem maiores dores de cabeça.

No último domingo, mais uma vez, Vanderson se viu diante dessa situação, ao terminar uma corrida nos arredores do estádio Mineirão. E só percebeu que havia algo perdido dentro de seu carro, por causa de um cliente que o solicitou no mesmo dia, que, ao entrar no carro, viu a carteira e comunicou ao motorista. O condutor logo reconheceu a foto na habilitação e lembrou que era o jovem que há pouco havia descido no Bairro São Francisco.“Sempre dou um jeito de devolver os pertences, procuro a pessoa ou ela me procura, mas nesse dia eu já estava longe daquela região, então decidi resolver mais tarde”, afirma.

Vanderson, que também é contador e divide essa atividade em seu dia-a-dia como motorista de aplicativo, entrou em contado com a Uber, ainda no domingo a noite. Mas como já foi dito aqui, a política existente na companhia impediu que o motorista tivesse o contato do cliente.

A empresa chegou até a reportar ao usuário, neste caso irmão de Felipe, sobre a perda, porém, faltou agilidade nos e-mails para que a burocracia não impedisse a devolução do bem material. "Cheguei a vasculhar a carteira dele, mas não tinha nenhum endereço”, ressalta Vanderson.

O que o motorista não esperava era que o destino, nesta terça-feira, iria ajudá-lo a encontrar o dono da carteira. Ao sair para trabalhar, como de costume, Vanderson atendeu uma solicitação de corrida, como de costume. Quando chegou ao local, o solicitante era Fabrício Carpinejar, poeta e jornalista brasileiro, com vários livros publicados.

Durante a corrida, os dois, como revelou Vanderson ao jornal, bateram um papo sobre honestidade. E o motorista aproveitou e contou o que lhe ocorreu nos últimos dias. “Contei o episódio que aconteceu comigo e relatei a ele (Carpinejar) que isso estava me incomodando, e que não gostaria de deixar a carteira na polícia. ‘Prefiro entregar pessoalmente’. E o Fabrício logo se ofereceu para fazer uma campanha em sua conta pessoal do Instagram. Menos de 10 minutos depois, o escritor me ligou informando já ter o contado do Felipe”, conta Vanderson. E assim foi possível os dois se encontrassem hoje, por volta das 12h, para que a carteira voltasse para seu dono.

PERDAS EM VEÍCULOS DE TRANSPORTE POR APLICATIVO
Vanderson Marques Guimarães, de 38 anos, motorista de Uber e contador (foto: Divulgação/arquivo pessoal )
Vanderson Marques Guimarães, de 38 anos, motorista de Uber e contador (foto: Divulgação/arquivo pessoal )
Vanderson Marques informou que a Uber cobra uma taxa de R$ 15 aos usuários que solicitam a entrega de seus bens perdidos dentro dos carros. O valor é referente ao deslocamento do motorista. Entretanto, ele reforça que sempre faz o possível para que a entrega ocorra de forma amigável entre as duas partes, e reforça que a empresa deveria valorizar mais seus motoristas, pois tanto ele quanto seus amigos da área trabalham com honestidade e integridade. O motorista destaca a boa ação do usuário, que utilizou o serviço depois de Felipe, pois foi ele quem informou sobre a carteira, sem subtrair nada de seu interior.

E essa ética não é valorizada, segundo Vanderson pela Uber. Ele protesta diante do desconto de 25% que a empresa retira de cada corrida efetuada, valor por ele considerado alto diante dos perigos e surpresas que passam diariamente, pois com apenas dois meses trabalhando à frente do volante, foi vítima de um assalto a mão armada, episódio triste que revela ter perdido o veículo e bens materiais para o ladrão.

No final do encontro, Vanderson ainda recebeu uma Amarula artesanal, produzida por Felipe, como forma de agradecimento.

* Estagiário sob supervisão da subeditora Ellen Cristie

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade