Publicidade

Estado de Minas

Moradores se surpreendem com intervenção "alienígena" no Bairro Esplanada

O grupo de teatro "Os cabeçudos" fez intervenção que chama atenção para o comportamento egoísta nas cidades


postado em 30/04/2019 10:51 / atualizado em 30/04/2019 14:47

Ver galeria . 7 Fotos Os Cabeçudos apresentam intervenção urbana no Bairro Esplanada, na Região Leste de BHMárcia Maria Cruz/EM/DA PRESS
Os Cabeçudos apresentam intervenção urbana no Bairro Esplanada, na Região Leste de BH (foto: Márcia Maria Cruz/EM/DA PRESS )
A rotina da Praça Santa Rita no Bairro Esplanada foi alterada com a chegada de dois alienígenas.  A dona de casa Natália Andrade, de 67 anos, tentou entender que eram os dois forasteiros que mudaram o cotidiano da vizinhança.  "Vão ficar o dia inteiro assim? São contorcionistas? São de outro planeta?", perguntou. Ela se referia à dupla de atores do grupo Os cabeçudos, que fez intervenções teatrais na manhã de terça (30) na praça e nas ruas. A dupla chama atenção pelo tamanho das cabeças e pelo olhar distante, permitido por óculos que simulam o olhar e não permitem que o espectador confronte diretamente com os artistas.Com direção de Mônica Ribeiro, a performance é feita por Dayane Lacerda e Led Marques. 

 

Os cabeçudos são dois amigos inseparáveis. São "sujeitos desprovidos da capacidade de sentir, analfabetos emocionais". O grupo não faz referência a nenhum grupo. Por isso, escolheram representar "alienígenas".  As intervenções são: o sono, quando, inquietos, buscam local para descansar; o conhecimento, construído tanto do que as pessoas sabem de si quanto do que sabem da cidade; o banho, um tempo na loucura do dia a dia para esse momento; o ócio, quando movimentos são feitos sem propósito algum; o jogo, uma representação das múltiplas disputas; e o alimento, a relação com a abundância e a falta.

 

Os cabeçudos fizeram três intervenções de um leque de possibilidades que podem apresentar. Na primeira, caminharam reconhecendo o espaço e as pessoas do lugar. No segunda, cada um, segurando um travesseiro, buscou lugar para descansar. Na terceira e última intervenção, os artistas, vestidos, tomam banho em plena praça pública.  Em meio aos atos, os atores chamam atenção para comportamentos do cotidiano que não levam em conta o respeito ao próximo e o zelo com a cidade. Eles espalham lixo pela calçada, atravessam a rua sem a devida atenção, param na frente dos carros, interrompem o caminhar do pedestre na calçada. "É divertido. Mas não sei o que eles querem fazer. Ficam olhando para o nada e fazem coisas que não devem", afirmou a autônoma Mara Beatriz, de 53 anos, enquanto fotografava.

 

A intervenção incomodou quem parou para ver. "Inicialmente, não dá para entender. Eles atrapalham a vivência de todo mundo. Mas, quando observamos, entendemos que muita gente faz o que eles fazem sem perceber. Como eles fazem a intervenção de maneira descarada, incomodam quem vê", analisa o comerciante Paulo Almeida Prazeres, de 33 anos.  A apresentação é um alerta para as relações nos espaços da cidade. "As pessoas atravessam as ruas sem olhar. Só prestam atenção ao celular, ao whatsapp. Mostram como as pessoas podem atrapalhar o trânsito. Os atores estão mostrando a realidade", afirma o comerciante Alessandro Santos.  

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade