Publicidade

Estado de Minas

Chega a 230 o número de mortes na tragédia de Brumadinho

Os dados foram atualizados na tarde desta quarta-feira pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Outras 47 pessoas seguem sendo procuradas


postado em 17/04/2019 13:26 / atualizado em 17/04/2019 13:48

Operação do Corpo de Bombeiros chega no 83º dia(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Operação do Corpo de Bombeiros chega no 83º dia (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

O número de vítimas identificadas da tragédia de Brumadinho, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, aumentou. Dados da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) divulgados na tarde desta quarta-feira, mostram que já são 230 mortes confirmadas. Todas essas pessoas já foram identificadas. A diferença para o último boletim, divulgado na segunda-feira, é uma pessoa a mais identificada. Ainda estão sendo procuradas 47 pessoas.

A operação do Corpo de Bombeiros de buscas por desaparecidos em meio ao mar de lama que desceu da barragem da Mina Córrego do Feijão, da Vale, continuam. As ações estão no 83º dia. A chuva dos últimos dois dias atrapalhou os trabalhos. Segundo a corporação, o acumulado nas últimas 48h foi de 89,5 milímetros de água em Brumadinho. Nessa terça-feira as atividades chegaram a ser interrompidas.

Bombeiros passam por exames nesta quarta-feira para monitorar a saúde(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Bombeiros passam por exames nesta quarta-feira para monitorar a saúde (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


Nesta quarta-feira, 138 bombeiros atuam em 21 frentes de trabalho na chamada “zona quente”. Os focos são buscas no pático de locomotivas, no Remanso 3, onde foram encontrados  destroços do armazém,  uma espécie de almoxarifado que ficava 3,5 quilômetros à frente na barragem que se rompeu. Também são feitas escavações pontuais em locais identificados pelo serviço de inteligência.

Os militares que atuam nas buscas passam por coleta de sangue para exames regulares para acompanhar a saúde deles. O procedimento é realizada a cada sete dias de trabalho e repetidos periodicamente para o monitoramento da saúde dos bombeiros.


Publicidade