Publicidade

Estado de Minas

Papa Francisco reconhece milagre atribuído a padre mineiro e o eleva à condição de beato

Beatificação é o último passo antes da canonização, que é se tornar santo da Igreja Católica


postado em 08/04/2019 13:36 / atualizado em 08/04/2019 13:44

(foto: Santuário Nossa Senhora Aparecida/Divulgação)
(foto: Santuário Nossa Senhora Aparecida/Divulgação)

Um mineiro natural de Cássia, na Região Sul, vai se tornar beato, depois de um processo que durou 22 anos no Vaticano. O papa Francisco reconheceu, no sábado, um milagre atribuído ao padre Donizetti Tavares de Lima (1882-1961), que atuou em diversas obras sociais em Tambaú (SP). Com o reconhecimento da Santa Sé, padre Donizetti chega ao último passo antes da canonização, que é se tornar santo da Igreja Católica. Data da solenidade ainda não foi marcada.

O reconhecimento pelo papa Francisco ocorreu após encontro dele, no Vaticano, com o prefeito da Congregação das Causas dos Santos, cardeal Angelo Becciu. Um dos milagres atribuídos ao religioso mineiro se refere a um comerciante, que, em 1954, solicitou ao religioso uma benção para a cura de dores que sentia nas articulações dos joelhos.

Nascido em Cássia, padre Donizetti chegou a Tambaú em 1926, onde fixou residência e ficou até sua morte. Na cidade, ele fundou diversas entidades, como o asilo São Vicente de Paulo, a Associação de Proteção à Maternidade e Infância de Tambaú, a Congregação Mariana, a Irmandade das Filhas de Maria e o Círculo Operário Tambauense.

Processo


O processo de beatificação do religioso no Vaticano teve início em 1997 e, em 2017, o padre obteve o título de venerável pela Igreja Católica. De acordo com o Vatican News, site oficial de notícias da igreja, padre Donizetti exerceu o "sacerdócio a serviço dos pobres, marginalizados e doentes, além de ter vivido uma vida simples e humilde

Além da beatificação de padre Donizetti, o sumo pontífice também reconheceu as "virtudes heroicas" do menino Nelson Santana, conhecido como Nelsinho, nascido em Ibitinga (SP), o tornando venerável. O menino morreu em 1964, em Araraquara (SP), aos 9 anos. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade