Publicidade

Estado de Minas

Faixas em frente ao Ministério Público cobram ação contra a Vale

'Indiciamento de ação penal já', diz uma das faixas. Ministério Público diz que instaurou diversos procedimentos investigatórios para apurar a situação do Complexo Vargem Grande


postado em 26/03/2019 12:57

Faixas foram afixadas na entrada da Rua Dias Adorno(foto: Jair Amaral/EM/DA Press)
Faixas foram afixadas na entrada da Rua Dias Adorno (foto: Jair Amaral/EM/DA Press)


Faixas de protesto instaladas em frente ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), no Bairro Santo Agostinho, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, cobram a conclusão de investigações referentes à mina de Vargem Grande, em Nova Lima, na Região Centro-Sul da capital. 

Instaladas na entrada que fica na Rua Dias Adorno, elas contém os dizeres “Inquérito Vale – Vargem Grande 4 anos na gaveta é impunidade” e “Indiciamento de ação penal já”. 

Em resposta, nesta terça-feira o Ministério divulgou uma nota em seu site informando que “todas as notícias, representações e denúncias envolvendo o Complexo Vargem Grande (…) ensejaram a instauração de diversos procedimentos investigatórios cíveis pelo Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG), no âmbito dos quais as diligências para a completa apuração dos fatos vêm sendo empreendidas, inclusive a elaboração de laudos periciais, expedição de ofícios requisitórios aos órgãos ambientais, realização de várias reuniões com representantes da comunidade, dentre outras”. 

De acordo com o MPMG, diante das possíveis repercussões criminais, o órgão requisitou à Polícia Civil instauração de um inquérito para a apuração de crimes ambientais pela Vale. Quando finalizado, ele deverá ser entregue à Promotoria de Justiça do Meio Ambiente de Nova Lima. 

O órgão lembra que ajuizou uma ação civil pública requerendo a paralisação de todas as atividades do Complexo Vargem Grande, “o que foi acatado em decisão proferida pelo Juízo da 1ª Vara Cível da Comarca de Nova Lima”. 

Na edição de segunda-feira, o Estado de Minas trouxe com exclusividade a fala de um engenheiro que trabalhou na Vale e revelou que a barragem com mais riscos segundo um ranking interno da própria mineradora, é a de Vargem Grande, maciço de 35 metros de altura, que comporta 9,5 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro na Mina de Abóboras. Em 20 de fevereiro, 38 famílias foram removidas da área que pode ser soterrada em caso de rompimento, a chamada zona de autossalvamento (ZAS) – assim conhecida por ficar tão perto da estrutura que, em caso de rompimento, os atingidos têm que contar com os próprios recursos para escapar, já que não há tempo para intervenção do poder público.

A Barragem de Vargem Grande é fonte de problemas desde 2011, revelou o ex-funcionário da Vale. Nesse período, nenhuma solução foi alcançada, segundo o engenheiro, que relata um episódio de pré-colapso. “Na Barragem de Vargem Grande chegamos a ter grandes erosões no maciço. Em 2011, o barramento quase se rompeu. Isso a Vale nem divulgou. A barragem já estava com um processo avançado de trincas, vazando rejeitos. Eu estava lá. Foi uma coisa horrorosa. E não avisaram a ninguém. Não evacuaram ninguém. Só se soube disso internamente. Contratou-se uma empresa terceirizada para fazer paliativos, e assim ficou”, contou.


Publicidade