Publicidade

Estado de Minas

Com tempo firme, equipes de resgate entram no 12º dia de buscas em Brumadinho

Ao todo, 412 pessoas, entre bombeiros e voluntários, participam da operação nesta terça-feira


postado em 05/02/2019 09:15 / atualizado em 05/02/2019 11:40

Ações estão espalhadas por 22 pontos da região nesta terça-feira(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Ações estão espalhadas por 22 pontos da região nesta terça-feira (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)


O tempo firme em Brumadinho na manhã desta terça-feira permitiu que os trabalhos na região onde a barragem da mineradora Vale se rompeu começassem cedo. De acordo com o Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais, as equipes em terra e as aeronaves já estão em campo. Ao todo, são mais de 400 pessoas trabalhando hoje. 

A corporação informou que, ao longo do dia, homens farão buscas a pé, de barco e de helicóptero, além de usarem cães farejadores. São 25 máquinas entre escavadeiras, máquinas anfíbias, pás carregadeiras e drones. Também está autorizada a atuação de voluntários (37). O efetivo dos bombeiros é de 375.

Civis e militares estão divididos em equipes de busca e salvamento, equipes com cães farejadores, intervenção aérea rápida, aeronaves e embarcações espalhadas por 22 pontos.

“Algumas (equipes) vão trabalhar numa área concentrada, outras vão se deslocar em trechos complementares. Por exemplo, mas máquinas pesadas trabalham apoiando equipes de busca”, explicou o tenente-coronel Anderson Passos, do Corpo de Bombeiros.

A movimentação de helicópteros nas imediações do cemitério de Brumadinho será interrompida por volta de 11h30 por causa de um sepultamento agendado para o meio-dia. O pedido da interrupção dos trabalhos aéreos, de acordo com o corpo de bombeiros, foi feito pela família.

Na segunda-feira, o tempo instável e a chuva no município suspenderam os trabalhos durante parte da manhã.

Ver galeria . 22 Fotos Novas fotos aéreas mostram situação na região atingida pelos rejeitos da barragem da Vale em Brumadinho, na Grande BH, na segunda semana após o desastreCorpo de Bombeiros/Divulgação
Novas fotos aéreas mostram situação na região atingida pelos rejeitos da barragem da Vale em Brumadinho, na Grande BH, na segunda semana após o desastre (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação )


Comitês


Dois comitês foram formados pela mineradora Vale para atuar nos desdobramentos do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão. Um grupo será de apoio e reparação e o outro, de apuração do acidente. Cada um com cinco membros.

O Comitê Independente de Assessoramento Extraordinário de Apuração será coordenado pela ex-ministra do Supremo Tribunal Federal, Ellen Gracie, que também atua como presidente dos comitês especiais de investigação da Petrobras e da Eletrobras.

Outros membros são Jean-Pierre Paul Rémy, que prestou consultoria para o Ministério Público Federal (MPF) durante o rompimento da barragem da Samarco, em Mariana; José Francisco Compagno; Isabella Saboya de Albuquerque; e Eduardo de Oliveira Rodrigues Filho, que é membro dos comitês Financeiro e de Sustentabilidade da Vale.

Já o Comitê de Assessoramento Extraordinário de Apoio e Reparação será coordenado por Leonardo Pereira, que foi presidente da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), de 2012 a 2017.

Também compõem o comitê Ana Cristina Barros, Márcio Gagliato, Sandra Guerra e Marcel Juviniano Barros, membro do Conselho de Administração da Vale.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade