Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura recusa aumento das passagens de ônibus em Contagem

A proposta das empresas, de acordo com o prefeito Alex de Freitas, foi de aumentar a tarifa em mais de 17%, passando de R$4,05 para R$ 4,75


postado em 28/12/2018 11:14 / atualizado em 28/12/2018 11:47

(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)
(foto: Paulo Filgueiras/EM/DA Press)


A Prefeitura Municipal de Contagem se negou a reajustar as tarifas dos serviços de ônibus proposta pelas empresas que operam 310 veículos de 48 linhas, transportando 2,4 milhões de passageiros por mês dentro do município da Grande BH. "Não há aumento tô de tarifa sem uma melhoria significativa na prestação de serviços do sistema de ônibus. Desde 2015 não temos cobradores, os veículos são a todos, quebram, são insuficientes e não garantem conforto aos usuários", disse o prefeito Alex de Freitas.

A proposta das empresas, de acordo com o prefeito, foi de aumentar a tarifa em mais de 17%, passando de R$ 4,05 para R$ 4,75. "A alegação das empresas é de que os insumos, como combustíveis e pneus aumentaram. Houve também perda de passageiros devido às crise e também à entrada no mercado dos Uber, que representou uma perda de 20% de usuários", afirma Alex.

Com essa decisão da prefeitura, o futuro das tarifas ficará para ser decidida pelo Conselho Municipal de Transportes, que se reúne na sexta-feira (4), quando se encontrarão representante tanto das empresas, dos usuários e da Transcon. "Não vamos fazer um aumento de gabinete, só a prefeitura reunida com as empresas, até o, o contrato dessas empresas é precário e uma nova licitação ficará pronta no próximo ano. A prefeitura está investindo R$ 1 bilhão em modernizações do sistema, com a formação de quatro estações de integração e melhoria dos principais corredores", afirma Alex de Freitas.

Aumento em BH e nos metropolitanos


Os ônibus metropolitanos e os intermunicipais sofreram reajustes, de 6,40% e 6,78%, respectivamente, que passam a vigorar no sábado (29). Com o reajuste, o valor da tarifa vai de R$ 5 para R$ 5,35. A menor passagem foi de R$ 3,35 para R$ 3,60. Já a maior, passou de R$ 46,20 para R$ 49,05, que é a linha Betim/Aeroporto de Confins, via Aeroporto da Pampulha.

No caso das linhas intermunicipais, a tarifa de menor valor passou para R$ 3,20, de Sete Lagoas / Prudente de Morais, por exemplo, e o maior valor, para R$ 274,40, de Uberlândia / Juiz de Fora. O valor da passagem de Belo Horizonte / Ouro Preto foi para R$ 32,05; de Belo Horizonte / Montes Claros, R$ 139,40 e de Belo Horizonte / Divinópolis, R$ 40,00.

Após queda de braço entre a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e empresários neste fim de ano, os passageiros da capital também terão que desembolsar, a partir deste domingo (30), R$ 4,50 pela tarifa dos ônibus convencionais e do BRT/Move que era de R$ 4,05 (+11%). Os veículos de transporte de Vilas e Favelas subiu de R$ 0,90 para R$ 1,00. As passagens que antes custavam R$ 2,85 (circular e alimentadoras) vão para R$ 3,15, e os táxi-lotação, que custavam R$ 4,45, passam para R$ 5,00.

Um acordo feito entre a BHTrans e as empresas de transporte rodoviário firmou a contratação de cobradores, ainda em janeiro, e a renovação da frota no primeiro quadrimestre de 2019. Também no 1° mês do ano haverá publicação do edital de contratação de projeto de cerca de 50 quilômetros de faixas exclusivas.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade