Publicidade

Estado de Minas

Suspensão de prescrição é avan­ço tí­mi­do nas ações in­de­ni­za­tó­ri­as

Acor­do é vis­to com cau­te­la por par­te dos ad­vo­ga­dos, que con­si­de­ram que a no­tí­cia é boa, mas não ga­ran­te jus­ti­ça aos atin­gi­dos


postado em 28/10/2018 07:00 / atualizado em 28/10/2018 07:59

(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)

En­quan­to atin­gi­dos pe­la tra­gé­dia de Ma­ria­na co­me­mo­ram o acor­do que pre­vê a sus­pen­são do pra­zo de pres­cri­ção pa­ra ações in­de­ni­za­tó­rias de quem te­ve sua vi­da re­vi­ra­da após o rom­pi­men­to da Bar­ra­gem do Fun­dão, ad­vo­ga­dos que se pre­pa­ram pa­ra le­var o ca­so a tri­bu­nais eu­ro­peus veem no fa­to um avan­ço mui­to tí­mi­do às vés­pe­ras dos três anos da pior ca­tás­tro­fe so­cioam­bien­tal da his­tó­ria bra­si­lei­ra. O acor­do foi ce­le­bra­do sex­ta-fei­ra en­tre o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co em ní­veis fe­de­ral e es­ta­dual, a De­fen­so­ria Pú­bli­ca, a Sa­mar­co, que ope­ra­va o bar­ra­men­to de re­jei­tos de mi­né­rio de fer­ro que se rom­peu, suas con­tro­la­do­ras, as mi­ne­ra­do­ras Va­le e BHP Bi­lli­ton, e a Fun­da­ção Re­no­va, cria­da pe­las com­pa­nhias pa­ra li­dar com os re­fle­xos da ca­tás­tro­fe.

Só­cio do es­cri­tó­rio an­glo-ame­ri­ca­no SPG Law, que pre­pa­ra ação nas cor­tes da In­gla­ter­ra e do País de Ga­les con­tra a BHP Bi­lli­ton SPL, bra­ço bri­tâ­ni­co da gi­gan­te BHP, con­tro­la­do­ra da Sa­mar­co, o ad­vo­ga­do Tom Goo­dhead ava­lia que a no­tí­cia do fim da pres­cri­ção é mui­to boa, mas não ga­ran­te jus­ti­ça aos atin­gi­dos. “Fi­ca­mos fe­li­zes com a no­tí­cia. Mas na­da mu­dou: não há in­de­ni­za­ção, só mais pro­mes­sas. A mes­ma ve­lha his­tó­ria. E o nos­so pro­ces­so (in­ter­na­cio­nal) é con­tra a (bri­tâ­ni­ca) BHP Bi­lli­ton SPL, que não foi sig­na­tá­ria do acor­do. Por­tan­to, pa­ra nós o pra­zo de pres­cri­ção se­gue sen­do 5 de no­vem­bro, quan­do a tra­gé­dia com­ple­ta três anos”, afir­mou. Co­mo o Es­ta­do de Mi­nas an­te­ci­pou com ex­clu­si­vi­da­de, o pro­ces­so in­ter­na­cio­nal pre­pa­ra­do pe­los ad­vo­ga­dos es­tran­gei­ros de­ve ser pro­pos­to até o pró­xi­mo dia 1º.

Após a as­si­na­tu­ra do acor­do, o che­fe da for­ça-ta­re­fa do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co Fe­de­ral en­car­re­ga­da de in­ves­ti­gar o rom­pi­men­to da bar­ra­gem, pro­cu­ra­dor Jo­sé Adér­cio Lei­te Sam­paio, dis­se que “opor­tu­nis­tas” pro­cu­ra­vam atin­gi­dos pe­la tra­gé­dia e lhes di­ziam que ha­ve­ria pres­cri­ção no pró­xi­mo dia 5, quan­do a tra­gé­dia com­ple­ta três anos. “As em­pre­sas, de ma­nei­ra ir­re­tra­tá­vel, afir­mam que não há pres­cri­ção. Pa­ra ti­rar qual­quer dú­vi­da, fi­ze­mos es­se acor­do”, acres­cen­tou. Se­gun­do o pro­cu­ra­dor, é pre­ci­so que as pes­soas não se sub­me­tam “a opor­tu­nis­tas que ten­tam ga­nhar di­nhei­ro com a tra­gé­dia”.

HA­BI­LI­TA­ÇÃO
O com­pro­mis­so as­si­na­do pe­las em­pre­sas tam­bém dei­xa cla­ro que pes­soas até o mo­men­to não ca­das­tra­das co­mo atin­gi­das ain­da po­de­rão se ha­bi­li­tar co­mo can­di­da­tas à re­pa­ra­ção. Com is­so, elas te­riam suas si­tua­ções ana­li­sa­das de mo­do cri­te­rio­so ao lon­go do pro­ces­so de re­pac­tua­ção pre­vis­to no Ter­mo de Ajus­ta­men­to de Con­du­ta (TAC) Go­ver­nan­ça – ho­mo­lo­ga­do pe­lo Ju­di­ciá­rio Fe­de­ral em 3 de agos­to pas­sa­do.

Dian­te dos co­men­tá­rios, o ad­vo­ga­do Tom Goo­dhead se dis­se sur­pre­so com a clas­si­fi­ca­ção de “opor­tu­nis­tas” di­ri­gi­da a ad­vo­ga­dos que aler­tam so­bre o ris­co da pro­xi­mi­da­de do pra­zo de pres­cri­ção. “Achei is­so al­go cho­can­te de se di­zer. Só na SPG Law são 500 ad­vo­ga­dos de­di­ca­dos à ação con­tra a BHP Bi­lli­ton SPL, to­dos pro­fis­sio­nais e tra­ba­lha­do­res com­pro­me­ti­dos em ob­ter jus­ti­ça pa­ra os clien­tes. Em vez de cri­ti­cá-los, por que não ex­pli­cam aos atin­gi­dos o mo­ti­vo de não te­rem con­se­gui­do ne­nhu­ma com­pen­sa­ção após três anos do de­sas­tre?”, ques­tio­nou, afir­man­do que o es­cri­tó­rio pre­ten­de de­fen­der ad­vo­ga­dos bra­si­lei­ros de ata­ques do ti­po.

Com a ação in­ter­na­cio­nal, o es­cri­tó­rio SPG Law es­pe­ra ob­ter cer­ca de 5 bi­lhões de li­bras (cer­ca de R$ 24 bi­lhões) em in­de­ni­za­ções pa­ra os atin­gi­dos pe­lo de­sas­tre, em um pra­zo má­xi­mo de dois anos. Se­gun­do os ad­vo­ga­dos in­ter­na­cio­nais, não ha­ve­rá cus­tos pa­ra pes­soas que ade­ri­rem à ação. O rom­pi­men­to da Bar­ra­gem do Fun­dão, em Ma­ria­na, des­pe­jou cer­ca de 40 mi­lhões de me­tros cú­bi­cos de re­jei­tos de mi­né­rio de fer­ro e la­ma na Ba­cia Hi­dro­grá­fi­ca do Rio Do­ce, atin­gin­do tam­bém a cos­ta bra­si­lei­ra. Mor­re­ram 19 pes­soas na tra­gé­dia e cer­ca de 500 mil fo­ram atin­gi­das.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade