Publicidade

Estado de Minas

Justiça estipula multa de R$ 50 mil por hora para quem permanecer no Palácio da Liberdade

Decisão publicada visa coibir 'abuso do exercício de manifestação pública' por parte dos militares acampados no jardim do prédio


postado em 06/06/2018 21:16 / atualizado em 06/06/2018 22:51

 

A 3ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte estipulou, na noite desta quarta-feira, multa de R$ 50 mil por hora aos militares que ocupam o Palácio da Liberdade, na capital. Lideranças do movimento informaram que vão acatar a ordem. Por volta das 22h30, o mandado judicial foi lido aos manifestantes. 

 

De acordo com o documento, o ato se trata de um "abuso do exercício de manifestação pública". Segundo o documento articulado pelo Executivo estadual, a medida serve para "proteção da posse, a salvaguarda da vida das pessoas que circulam no entorno da Praça da Liberdade, do Sr. Governador do Estado e dos demais agentes públicos ali presentes". 

 

Grupo faz uma manifestação na Região Centro-Sul de Belo Horizonte para pedir uma série de melhorias ao Governo de Minas(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press.)
Grupo faz uma manifestação na Região Centro-Sul de Belo Horizonte para pedir uma série de melhorias ao Governo de Minas (foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press.)
A decisão ainda pede a "reintegração imediata de posse da área externa e interna do Palácio da Liberdade". Além disso, caso haja resistência em seguir o mandado, o governo solicita "a prisão dos líderes da manifestação, assim identificados pela Polícia Militar – a qual lavrará o respectivo boletim de ocorrência –, inclusive do Deputado Estadual Sargento Rodrigues". 

 

No início da noite de hoje, os servidores da segurança pública montaram oito barracas nos jardins do Palácio da Liberdade , na Região Centro-Sul da capital. Segundo a categoria, a intenção é ocupar o local até serem recebidos pelo governador ou por autoridade que possa negociar as reivindicações. 

 

O grupo faz, entre outros pedidos, a reposição das perdas salariais inflacionárias dos últimos quatro anos, o fim do parcelamento dos salários, e exigem o pagamento do salário no 5º dia útil. "Vamos ficar aqui o tempo necessário. Uma noite, duas, três... Não importa quanto tempo. O comando do trânsito veio conversar e avisamos que vai ficar parado. O governo não vai nos vencer pelo cansaço. Daqui a pouco chega a água e o sanduíche", anunciou o deputado Sargento Rodrigues (PTB).

 

Os manifestantes acusam desvios no Instituto de Previdência dos Servidores Militares de Minas Gerais e no Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais (Ipsemg). 

 

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade