Publicidade

Estado de Minas

Veado-catingueiro é atropelado em estrada vicinal no Triângulo Mineiro

Animal resgatado com fraturas expostas nas patas traseiras, chama atenção para a migração da fauna e os riscos de atropelamentos em áreas que cortam grandes reservas floretais


postado em 22/05/2018 18:53

Animal foi resgatado em estrada agonizando com ferimento na patas traseiras(foto: PMMG/Divulgação)
Animal foi resgatado em estrada agonizando com ferimento na patas traseiras (foto: PMMG/Divulgação)
Um risco para motoristas e passageiros em estradas que cortam reservas de matas naturais é o atropelamento de animais silvestres, o que alerta os condutores para não abusarem da velocidade, além de maior atenção à movimentação na via. Em Capinópolis, no Triângulo Mineiro, um exemplo desse tipo de ocorrência, foi o atendimento a um veado-catingueiro encontrado com fratura expostas nas patas traseiras.

Não fosse a iniciativa de pessoas que passaram pelo local e recolheram o animal e o levaram a uma unidade da Polícia Militar, ele morreria à beira de uma estrada vicinal de Capinópolis. Os militares então acionaram seus colegas da 9ª Companhia de Polícia de Meio Ambiente, de Ituiutaba, na mesma região, que socorreram o veado.

O animal foi removido para uma clínica veterinária em Ituiutaba, para os cuidados emergenciais. Nesta terça-feira, o veado foi encaminhado ao Setor de Animais Silvestres da Universidade Federal de Uberlândia (UFU), onde será tratado e, caso tenha boa recuperação, reinserido em seu meio ambiente.

De acordo com o sargento Eduardo Venâncio, da 9ª Cia., a migração de animais silvestres infelizmente é uma realidade, seja pela expansão urbana, o avanço das fronteiras agrícolas, entre outros fatores, que reduzem ou aniquila o habitat deles, que por vez se aproximam dos grandes centros em busca de alimento, água e abrigo.

“Cabe ressaltar que o animal silvestre não ataca, mas se acuado, pode por instinto reagir para se defender. Sendo assim, para preservar a integridade física dos animais e das pessoas, o mais prudente e correto é ligar para as autoridades para que seja realizada a correta contenção/captura e remoção do bicho”, explica Venâncio.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade