Publicidade

Estado de Minas

Defesa Civil interdita mais dois imóveis em terreno onde morreu idoso

Homem de 70 anos ficou soterrado no momento em que almoçava, após um muro desabar sobre a casa dele durante forte temporal que atingiu Belo Horizonte, na tarde desse sábado


postado em 25/02/2018 13:40 / atualizado em 25/02/2018 15:02

No local, onde ocorreu o desabamento que acabou matando um idoso, moram 12 pessoas em três moradias(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
No local, onde ocorreu o desabamento que acabou matando um idoso, moram 12 pessoas em três moradias (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
A Defesa Civil Municipal interditou duas moradias no mesmo lote onde na tarde de sábado morreu o idoso Hélio Oliveira Lopes, 70, após a queda de um muro sobre sua casa. Hás risco de desabamento dos dois barracões. Três pessoas ficaram feridas A.S.D., de 15 anos, Edna Rodrigues David (idade não revelada) e M.C., de 17, que teve o braço fraturado no momento do desabamento e foi quem saiu dos escombros para pedira ajuda a parentes e vizinhos. Edna continuava internada na tarde de ontem no Hospital João XXIII, as duas garotas foram atendidas no hospital Odilon Bherens e foram liberadas ainda no sábado. De acordo com o cunhado de Hélio, Wellington Rodrigues, por volta das 16 horas foi chamado por MC para ajudar a socorrer seus familiares que estavam debaixo dos escombros. %u201CTinha ouvido um barulho muito forte e quando cheguei vi A.S.D. Com o corpo coberto de lama até o pescoço e vi Edna sendo prensada por dois paredões. Gritei pelo nome do meu cunhado e ele não respondeu%u201D.
Wellington Rodrigues ajudou a socorrer as vítimas (á esquerda)(foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Wellington Rodrigues ajudou a socorrer as vítimas (á esquerda) (foto: Edésio Ferreira/EM/D.A Press)
Edna tinha dificuldades para respirar, contou Wellington. Mesmo de corpo franzino ele encontrou forças para acionar uma viga de madeira e levantar o paredão sobre Edna para que pudesse respirar. %u201CO desespero foi tamanho que nem senti o peso daquela muralha%u201D. Ele sustentou a viga por 10 minutos, até a chegada do Corpo de Bombeiros, o que pode ter salvado a vida da mulher. No local moram 12 pessoas em três moradias. Edna tomava conta de crianças de vizinhas que trabalham fora. Geralmente são sete crianças, naquele momento haviam três crianças pequenas que, por sorte, estavam num quartinho de recreação. %u201CFoi a salvação, pois a tragédia teria sido maior%u201D, conta emocionado. O muro atingiu em cheio a cozinha, onde estava Hélio e parte da sala da casa. De acordo com o rapaz a agilidade do corpo de bombeiros (que chegou, segundo ele, em dez minutos) salvou as demais vidas. Bastante abalado ele agradeceu muito a solidariedade dos vizinhos e a %u201Cpresteza%u201D das equipes da Defesa Civil que %u201Cvêm nos dando total apoio%u201D. Ele disse que os moradores do terreno interditado irão para casa de parentes e amigos. A Defesa Civil informou estar pronta para prestar qualquer auxílio que for solicitado pelos atingidos. Segundo o órgão a perícia será feita pela Polícia Civil, devido ao óbito no local.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade