Publicidade

Estado de Minas

Evento com mais de mil jovens termina com ação policial no Gutierrez em BH

Encontro, sem conhecimento de órgãos municipais, ocupou praça e fechou vias no entorno. PM diz que foi ao local garantir segurança dos participantes, mas policiais foram hostilizados


postado em 12/01/2018 23:11 / atualizado em 17/01/2018 22:08

Viaturas policiais cercaram praça e, diante de hostilidades, PMs dispersaram público(foto: Marcos Vieira/EM/D.A.Press)
Viaturas policiais cercaram praça e, diante de hostilidades, PMs dispersaram público (foto: Marcos Vieira/EM/D.A.Press)
Um evento com mais de mil jovens, sem autorização de órgãos públicos e nem responsáveis pela organização, realizado na noite desta sexta-feira no Gutierrez, Oeste de Belo Horizonte, terminou com a intervenção de policiais militares. Com uso de bala de elastômero (borracha) e bombas de efeito moral e gás lacrimogêneo, os PMs dispersaram o público, depois que algumas pessoas arremessaram garrafas de bebidas contra viaturas, segundo afirmou o tenente André Martins, coordenador de policiamento da unidade do 22º Batalhão da PM.

A ação da PM foi criticada por pessoas que permaneceram na Praça Leonardo Gutierrez, onde ocorreu o evento não autorizado, depois da dispersão do público. “Foi desnecessária e demonstrou despreparado dos policiais”, disse um morador do bairro. “Tinham crianças, famílias aqui na praça, pois todas as sextas têm a feira dos food trucks. Hoje o público era bem acima do normal, mas a ação da PM foi desnecessária”, afirmou uma vendedora ambulante.

De acordo com o tenente André Martins, o evento começou por volta das 19h. “Houve uma grande aglomeração de pessoas que teriam sido convocadas por meio das redes sociais. A PM não é contra qualquer evento, e temos no batalhão um setor para orientar qualquer um que se disponha fazer algo organizado, com monitoramento policial e outras medidas que garantam a segurança dos participantes e a comunidade”, explicou.

Segundo oficial, na praça já existe policiamento constante, com reforço às sextas, devido o festival  de food trucks, que acontece com a devida autorização dos órgãos municipais. O conflito teria iniciado, conforme o tenente, depois que os militares pediram a donos de veículos com sistema de som, não autorizados, que desligassem as músicas. Foi quando alguns frequentadores, insatisfeitos, teriam atirado garrafas em direção aos policiais que, por volta das 21h30 iniciaram a operação para dispersar público.

Ainda de acordo com André Martins, a presença policial na praça não tinha como objetivo dispersar o evento, mas garantir a segurança das pessoas que participavam do encontro. “Recebemos vários chamado de pessoas que tiveram carros chutados ao tentar passar pela praça a caminho de suas casas. Vias foram fechadas indevidamente, ferindo o direito de ir e vir. Embora não sendo um evento organizados, nosso objetivo era garantir a segurança e direito de todos no local”, assinalou o militar.

A ação de dispersão contou com cerca de 50 militares em 15 viaturas. A ocorrência será registrada em boletim próprio. O tenente informou que PMs à paisana, do serviço de inteligência, fizeram fotos e vídeos da aglomeração e durante operação, que ele considerou bem-sucedida e dentro dos preceitos das organizações de direitos humanos. A possibilidade de responsabilizar aqueles que fizeram a convocação para o evento não autorizado não está descartada. Não houve registro de feridos e nem presos, de acordo com o tenente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade