Publicidade

Estado de Minas

2018 é recebido com show de fogos e muita alegria na Pampulha

Milhares de pessoas acompanharam o 28º Réveillon da TV Alterosa. Foram 12 minutos de show pirotécnico


postado em 01/01/2018 00:15 / atualizado em 01/01/2018 10:11

Ver galeria . 40 Fotos Milhares de pessoas acompanharam o 28º Réveillon da TV Alterosa. Foram 12 minutos de show pirotécnico
Milhares de pessoas acompanharam o 28º Réveillon da TV Alterosa. Foram 12 minutos de show pirotécnico (foto: )
O espírito de união e desejo por um futuro próspero tomaram conta das cerca de 200 mil pessoas que como uma onda de roupas brancas tomou conta da orla da lagoa da Pampulha pra brindar a chegada do ano de 2018. E essa emoção aflorou ainda mais quando o show pirotécnico dos fogos do 28º Réveillon da TV Alterosa inundou os céus com revoluções e mais de 300 efeitos e cores, num espetáculo de 12 minutos proporcionado por quatro balsas carregadas com duas toneladas de fogos de artifício, desde o vertedouro do lago, na Avenida Presidente Antônio Carlos, até a igrejinha de São Francisco de Assis.

 

E teve virada com sabor mineiro. Nas chapas quentes das barraquinhas, cerca de 100 registradas na Prefeitura Municipal de Belo Horizonte (PBH), saiam feijão tropeiro, churrasquinhos, fígado acebolado, cachorros quentes e hambúrguers! Mesmo com a concentração de público o acesso aos banheiros químicos foi muito tranquilo e a presença ostensiva da Polícia Militar e da Guarda Municipal deixaram as preocupações por conta dos desafios de 2018.

 

Na praça conhecida como Iemanjá, fiéis aproveitaram a virada de ano para lançar suas oferendas no espelho d'água e assim pedir as bênçãos da divindade. Dali em diante, a orla que se foi reconhecida pela Unesco como patrimônio cultural da humanidade recebeu uma infinidade de casais, famílias e grupos de amigos, muitos deles armando forros de piquenique, cadeiras dobráveis e mesas para integrar um deck com quase 18 quilômetros de extensão, uma vez que de todos os pontos do reservatório era possível assistir ao show da queima de fogos. E teve quem trocou a badalação do réveillon de Copacabana pelas curvas do cartão postas de Niemeyer.

 

Os turistas cariocas Marilu Drummond, de 66 anos, e Josué Brado, de mesma idade, disseram ter acertado em vir a BH e curtir uma passagem de ano com segurança e beleza na Pampulha. “Temos uma casa aqui em BH e parentes também, aproveitamos para vir à festa e não nos arrependemos, é uma comemoração tranquila e bela. Uma outra forma de ver a coisa”, disse Josué. Uma oportunidade que muitos tiveram de fazer novas amizades, as últimas do ano que passou, ou, quem sabe, as primeiras do ano que entra.

 

Foi o caso da motorista Cláudia Teixeira, de 47 anos, que levou o filho Cauã, de 11, para a orla e lá conheceram e se divertiram ao lado do cabeleireiro e maquiador Paulo de Araújo, de 51, e da dona de casa Ângela da Silva de Araújo, de 74. "Trabalhei 20 anos na fiscalização de posturas da PBH conferindo feiras-livres, camelôs e esta foi a primeiras vez que pude realmente participar de um evento espontâneo, de uma festa verdadeiramente do povo e posso dizer que estou feliz e emocionada”, disse Cláudia. Para o casal de pais que aguarda apenas um mês pelo nascimento da menina Beatriz, de oito meses ainda no ventre da mãe, cada segundo à espera da virada do ano ganhou um significado novo e de esperança.

 

“Fizemos o certo de vir aqui para a Pampulha. A gente consegue sentir o astral bom, de segurança com muita polícia e famílias vindo para desejar apenas o bem. Nós estamos realizados de poder vir mais uma vez a este cartão-postal e, no ano que vem, com a família maior, traremos a nossa filha”, disse o autônomo Igor Teles, de 33, sem por um segundo desgrudar da barriga da mulher grávida de oito meses, a supervisora Raquel Alves, de 30. E o brinde final, com as taças borbulhando espumante geladinho representando a esperança por um ano melhor, veio com a contagem regressiva e um show pirotécnico de tirar o fôlego.

 

Em 12 minutos, as quatro balsas posicionadas no espelho d'água da lagoa despejaram cores e efeitos que se aproximaram das pessoas e as fez aplaudir ao fim do espetáculo. Foi assim para os amigos que se deslocaram por quase 150 quilômetros desde Perdigão, no Centro-Oeste mineiro, até a capital, justamente para assistir à queima de fogos na orla da Pampulha. “Foi emocionante, gostamos demais, era tudo o quê queríamos, nos reunir num lugar bonito como esse para começar bem o ano”, disse, durante o brinde, a vendedora Amanda Rodrigues, de 25 anos.

 

E não faltaram registros fotográficos dessa emoção, seja em selfies ou junto com as amigas da mesma cidade, a estudante Franciely Simão da Silva, de 22, e a babá Priscila Nascimento dos Santos, de 18.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade