Publicidade

Estado de Minas

Estrada interditada após temporal é liberada depois de 25 dias

A MG-329, entre Rio Casca e Ponte Nova, na Zona da Mata, foi interditada em 4 de dezembro após chuva forte


postado em 30/12/2017 14:52 / atualizado em 30/12/2017 15:07

Construção de variante permite a passagem dos veículos(foto: DEER/Divulgação)
Construção de variante permite a passagem dos veículos (foto: DEER/Divulgação)

Aos poucos, a vida dos moradores da Região da Zona da Mata, que foi atingida por um forte temporal no início do mês, vão voltando ao normal. O Departamento de Edificação e Estradas de Rodagem (DEER/MG) conseguiu liberar o trânsito na MG-329, entre Rio Casca e Ponte Nova, depois de 25 dias interditada.

Segundo o DEER, uma variante foi construída no km 109,5 da rodovia, o que permitiu a liberação do trânsito. Em 23 de dezembro, o mesmo processo foi feito no km 93, entre Rio Casca e São Pedro dos Ferros. A rodovia é uma importante ligação entre a Zona da Mata e o litoral do Espírito Santo.

A região foi castigada pelo temporal no início do mês. Rios encheram e a água chegou a encobrir casas. Pessoas ficaram ilhadas e mortes foram registradas.

Período chuvoso

O número de cidades em situação de emergência já chega a 32 em Minas Gerais devido a chuva. A medida é importante para a liberação de recursos aos municípios para mitigar os danos provocados pelos temporais. No balanço diário da Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) consta que as comunidades foram atingidas por chuvas intensas, vendaval, granizo, enxurradas, e inundações. No período chuvoso 2017/2018 já foram confirmadas sete mortes. Ainda há três pessoas desaparecidas.

O número de mortes confirmadas pela Cedec já chega a sete. A última pessoa a entrar para a lista foi Eva de Jesus, de 67 anos, que tinha desaparecido em Urucânia. O corpo da mulher foi encontrado em 8 de dezembro por militares do Corpo de Bombeiros em Rio Casca. Além dela, morreram a neta, de 13 anos, e o neto, de 6. O corpo do garoto ainda está sendo procurado. Segue desaparecido, ainda, um homem, que segundo os bombeiros, seria um prestador de serviço que trabalhava na região e pelo fato de não ser morador do local ainda não foi identificado. Os militares também procuram um rapaz que desapareceu em Vespasiano, na Grande BH, após cair em um córrego.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade