Publicidade

Estado de Minas

Justiça decreta prisão preventiva de mulher que assassinou síndica em prédio de BH

A Justiça converteu nesta quarta-feira, em audiência de custódia, a prisão em flagrante de Rayanne Maia Marques, de 27 anos, para a preventiva. Com isso, ela vai ficar na prisão durante as investigações do homicídio


postado em 27/12/2017 15:02 / atualizado em 27/12/2017 15:09

Corpo de síndica será enterrado nesta quarta-feira no Espírito Santo(foto: Reprodução internet/Facebook)
Corpo de síndica será enterrado nesta quarta-feira no Espírito Santo (foto: Reprodução internet/Facebook)

A mulher que assassinou a síndica de um prédio na noite de Natal no Bairro Parque São José, Região Oeste de Belo Horizonte, ficará presa preventivamente. A Justiça converteu nesta quarta-feira, em audiência de custódia, a prisão em flagrante de Rayanne Maia Marques, de 27 anos, para a preventiva. Com isso, ela irá aguardar presa as investigações e o processo judicial sobre o homicídio. O corpo de Ludmilla Rivas da Silva, de 37, será sepultado em Mimoso do Sul, cidade vizinha a Campos dos Goytacazes, no Espírito Santo.

A audiência de custódia aconteceu nesta quarta-feira. De acordo com a Justiça, o Ministério Público de Minas Gerais (MPM) pediu a conversão da prisão em flagrante para preventiva. Já a defesa, pediu a liberdade provisões mediante a aplicações de medicas cautelares, com isenção de fiança. Ao analisar o caso, o juiz decidiu converter a prisão em flagrante para preventiva. “A prisão, analisada pelos aspectos legais, não comporta aqui oportunidade para o relaxamento, tendo em vista o preenchimento dos requisitos legais. Por outro lado, penso inviável a concessão de liberdade provisória”, afirmou.

O magistrado considerou ser grave as circunstâncias do crime. Ele tomou por base o relato de testemunhas do caso. Uma delas um morador do condomínio que relatou que ouviu de dentro do apartamento gritos e barulho de objetos quebrando. Minutos depois, o filho da vítima bateu em sua porte pedindo socorro dizendo que ela sangrava bastante na região do pescoço.

De acordo com a Justiça, a testemunha informou que outros vizinhos apareceram na porta para auxiliar a vítima. Neste momento, ela avistou a agressora descendo a escada com o filho de aproximadamente dois anos de idade no colo, e ainda com uma faca em uma das mãos. Neste momento, correu atrás da mulher para contê-la. Outro morador conseguiu retirar o filho dela e eles conseguiram imobilizá-la. Relatou que Rayanne estava muito alterada e chegou a dar uma mordida em seu braço.

Mulher presa pelo crime ostentava armas e dinheiro na Internet(foto: Reprodução internet/Facebook)
Mulher presa pelo crime ostentava armas e dinheiro na Internet (foto: Reprodução internet/Facebook)
Outro ponto destacado pelo juiz foi que a própria agressora admitiu o crime no interrogatório policial. Segundo a Justiça, a mulher esclareceu que a briga começou entre ela e a síndica por motivos banais, sendo um deles o acondicionamento do lixo. Segundo ela, no dia do crime, o filho da síndica ligou para o apartamento dela questionando um barulho no local. Em seguida, ela respondeu o garoto de forma ofensiva, o que desagradou Ludmilla, que assumiu a ligação e começou a discussão.

Depois, de acordo com versão apresentada por Rayanne, a síndica foi até a casa dela e as duas continuaram a discussão, que terminou em agressões físicas. A mulher alega que foi agredida com um tapa no rosto e que, em seguida, pegou uma faca e deu um golpe no pescoço da vítima.

No perfil que mantinha no Facebook, Rayanne postava fotos com armas e com notas de dinheiro sobre o corpo. Em uma delas, a mulher aparece com várias notas de R$ 100 sobre ela. Há também fotos dela com armas e munições e fazendo gestos como se estivesse com o artefato em punho.

Sepultamento

O corpo de Ludmilla será sepultado nesta quarta-feira. Segundo informações de familiares e moradores do condomínio onde ela morava, a cerimônia será realizada em Mimoso do Sul, cidade vizinha a Campos dos Goytacazes, no Espírito Santo. A família da mulher reside no município. O corpo foi liberado do Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte às 13h30 de terça-feira, de acordo com a Polícia Civil.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade