Publicidade

Estado de Minas

Minas tem mais uma morte por febre chikungunya

Balanço da Secretaria de Estado da Saúde aponta para crescimento do número de notificações da doença este ano, que já matou 11 pessoas, além de 12 suspeitas de óbito de pacientes com a febre


postado em 22/11/2017 22:25

Mais um paciente morreu no estado devido febre chikungunya, segundo balanço da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG). O novo caso foi em Governador Valadares, Vale do Rio Doce, que agora soma 10 óbitos devido à doença este ano. Há ainda uma morte pela febre em Teófilo Otoni, e agora já são 11 vítimas em Minas, em 2017. Outros 11 óbitos pela enfermidade estão em investigação.

A situação é preocupante, diante da escalada de casos de chikungunya no estado, que de janeiro às três primeiras semanas deste mês, somaram 17.043 notificações. Em todo o ano de 2016 foram 462 registros da doença, 31 em 2015 e 18 em 2014.

Ainda, conforme dados da SES-MG, dos 17.043 casos prováveis de chikungunya, 117 são gestantes e 57 foram confirmadas para a doença pelo critério laboratorial. Em 2016, foram confirmados os primeiros registros autóctones de chikungunya. Até 2015 todos os casos notificados eram importados de outros estados ou de outro país. 

Os casos prováveis de chikungunya estão concentrados nas Unidades Regionais de Saúde (URS’s) de Governador Valadares, Teófilo Otoni, Pedra Azul e Coronel Fabriciano. A maioria dos óbitos apresentou faixa etária acima dos 65 anos; a mediana de idade foi de 76 anos (38 a 96 anos). Essas mortes ocorreram no primeiro trimestre do ano, coincidindo com o período de maior número de notificações da doença.

Já dengue, que como a febre chikungunya tem como vetor o mosquito Aedes aegyptis, já soma 13 óbitos este ano no estado, e ainda há 12 mortes em investigação, por suspeita de ser pacientes com a doença. O total de casos da doença é de 27.811 de janeiro até o começo da semana, número inferior ao total de 520.985 registro de pessoa contaminadas em 2016. Mas a situação é preocupante, já que vem crescendo o número de notificações, desde o mês passado, com a chegada das chuvas. Em outubro agora foram 1.574 casos da doença, contra 732 do mesmo mês no ano passado.

Os 13 óbitos confirmados por dengue eram de pessoas das cidades de Araguari, Arinos, Bocaiuva, Capim Branco, Ibirité, Leopoldina, Medina, Monsenhor Paulo, Patos de Minas, Ribeirão das Neves, São José do Divino, Uberaba e Uberlândia. Não existe uma faixa etária predominante; a mediana de idade foi de 53 anos (3 a 93 anos).

Já o zika vírus, também transmitido pelo Aedes aegyptis, teve até agora 729 casos prováveis da doença, sendo 130 em gestantes. Desse total, 67 grávidas foram confirmadas para zika pelo critério laboratorial. O número de casos prováveis em 2017 é inferior aos notificados em 2016, que somou 1.4086 pessoas infectadas.


Publicidade