Publicidade

Estado de Minas NÃO VAMOS NOS ESQUECER

Parentes dos mortos na tragédia de Mariana dizem se sentir desamparados

Com o rompimento da barragem da Samarco, muitos enfrentam dificuldade para tentar garantir o sustento dos filhos quase dois anos depois


postado em 03/11/2017 11:00 / atualizado em 03/11/2017 12:07

A dona de casa e artesã Roseli dos Santos paga a terapia dela e a do filho com a pensão do INSS que recebe pela morte do marido, uma das 19 vítimas(foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
A dona de casa e artesã Roseli dos Santos paga a terapia dela e a do filho com a pensão do INSS que recebe pela morte do marido, uma das 19 vítimas (foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)

“Hoje ele entende o que aconteceu, mas fala que queria ter uma máquina do tempo. Se pudesse voltar atrás, não deixaria o pai ir trabalhar naquele dia.” A frase é da dona de casa e artesã Roseli Aparecida Gomes dos Santos, de 48 anos, e reproduz o pensamento do filho de 7. O garoto Pedro Emanuel vive desde 5 de novembro de 2015 sem o pai, Claudemir Elias dos Santos, na época com 41. O motorista de caminhão-pipa trabalhava para a Integral Engenharia quando a avalanche de lama da barragem de Fundão, da Samarco, varreu o subdistrito de Bento Rodrigues, em Mariana, deixando 19 mortos e um rastro de destruição que alcançou o Oceano Atlântico. Há dois anos lutando para se manter de pé, Roseli e o filho passam até hoje por terapia. Depois de largar o trabalho como empregada doméstica, ela tenta se manter ativa novamente atuando como artesã, incentivada pelo filho.


O drama da desestruturação da família e da vida de Roseli persegue boa parte dos familiares das 19 pessoas que perderam suas vidas com o desastre ambiental, que completa dois anos no domingo. De acordo com a Samarco, além dos R$ 100 mil pagos aos parentes a título de adiantamento da indenização, em janeiro de 2016, já foram firmados 10 acordos, no valor de R$ 9 milhões, para reparações dos parentes. O processo criminal foi suspenso pela Justiça para análise de escutas telefônicas e mensagens que a defesa dos acusados alega ter sido ilegal. O Ministério Público Federal aguarda a apreciação dessas provas pela perícia do tribunal, mas garante que são legais, algumas delas providenciadas pelos próprios acusados.


“Isso é uma coisa que não vai sair nunca da memória. Não só pelo fato de o meu esposo ter morrido, mas por conta da tragédia em si, que destruiu tantas vidas. Eu ia muito a Bento Rodrigues. Tinha muitas amizades e trabalhei com muita gente de lá. Depois da tragédia, nunca mais tive coragem de voltar”, afirma Roseli. Hoje, incentivada pelo filho Pedro, ela voltou a produzir. Faz panos de prato e pinta em tecidos. Mas quando Claudemir morreu, largou o trabalho de empregada doméstica, pois tinha perdido a vontade de viver. Por isso, considera muito importante o atendimento que mantém até hoje com uma psicóloga para ela e para o filho.


No primeiro ano, os custos eram mantidos pela Integral, mas hoje quem arca com a despesa é a própria Roseli, cuja fonte de renda principal é a pensão do INSS pela morte do marido, com quem viveu por 11 anos. Muito querido em Santa Rita Durão, distrito de Mariana, Claudemir era um homem muito dedicado à família e por isso Roseli só pensa em reproduzir no filho as qualidades do pai. “Eu penso em dedicar a minha vida ao meu filho. É uma forma de prestar uma homenagem ao Claudemir, porque meu filho era tudo para ele. Era um xodó com o menino”, afirma.


Talvez o abandono que as famílias das vítimas do rompimento alegam sentir seja um drama ainda maior para a técnica em enfermagem Jaqueline Aparecida Dutra, de 41. A morte do marido, o motorista da Ideal, uma prestadora de serviços da Samarco, representou mais do que a perda do companheiro amado e arrimo da família. Ela perdeu um aliado importante no cuidado de que tanto precisa o filho Leonardo, de 2 anos e quatro meses. O menino nasceu com uma grave paralisia cerebral que lhe força respirar com a ajuda de aparelhos, ter a necessidade de uma cadeira de rodas especial e a alimentação com uma fórmula especial que custa cerca de R$ 100 cada lata. “Conto com a ajuda da família, dos amigos e da Prefeitura de Mariana, porque da Samarco só tenho indiferença. Nenhum apoio, nem psicológico, nem financeiro”, afirma. Segundo ela, da indenização de R$ 100 mil paga em janeiro, ela efetivamente recebeu apenas R$ 20 mil, uma vez que o marido tinha outros quatro filhos que também tinham direito aos recursos.

Sofrimento e luta em defesa do filho

Enquanto a Samarco não negocia uma indenização que ela considera decente, a mulher se vira como pode para prover o filho Leonardo. “Só o aluguel do respirador fica em R$ 1,5 mil e a prefeitura de Mariana é que está pagando, mas não sei até quando. A fórmula muitas vezes falta na distribuição, a mesma coisa são as fraldas. Daí tenho de me virar para pagar por isso. Estou até organizando uma rifa para conseguir a cadeira de rodas adaptada, que custa R$ 5 mil”, conta. De acordo com ela, a mineradora chegou a oferecer um valor irrisório de acordo e depois desapareceu. “Parece que estão deixando a coisa correr para prescrever na Justiça, especialmente na Justiça do Trabalho. Estão tentando ganhar tempo em cima do meu sofrimento. Hoje, vivo em função do meu filho e de como conseguir dinheiro para o tratamento dele”, desabafa.


As saudades da mãe são um luto que só agrava o sofrimento que a dona de casa Marli de Fátima Felício Felipe, de 33, sente por ter de morar no núcleo urbano de Mariana, onde está longe dos familiares e falta água constantemente. Ela e a mãe, Maria das Graças Celestino da Silva, de 64, a Gracita, estavam ainda mais próximas depois que o irmão se casou e Gracita foi morar com ela e as duas filhas, de 5 e de 11 anos, no subdistrito de Bento Rodrigues. “Minha mãe era uma avó muito carinhosa com minhas filhas e até hoje elas ficam tristes pela perda dela. Mal acreditam”, conta Marli. A última notícia que teve da mãe foi de uma vizinha que por pouco também não foi engolida pela lama. “Mamãe saiu de casa para fazer a sobrancelha numa vizinha. Quando estava passando pelo quintal da casa de uma amiga, essa mulher viu quando a lama veio e disse que minha mãe caiu de cara no barro e sumiu”, afirma.


Segundo ela, a Samarco só a procurou uma vez, em 2015, e teria marcado outra reunião com o seu irmão na última semana para acertar uma indenização. De acordo com a Samarco, a mulher já consta na relação das pessoas que negociaram um acordo indenizatório. “Quero receber logo o que a gente tem direito, a casa, que seja igual à antiga ou diferente, só não aguento mais é morar em Mariana. Aqui tudo é ruim. Falta água e temos de pedir para os vizinhos, não temos liberdade para ter criação, horta, aqui é uma prisão”, considera.


A saudade do marido, Daniel Altamiro de Carvalho, de 53, também funcionário da Ideal, aperta mais com a conquista que uma das filhas está perto de atingir, que é a formatura na faculdade de engenharia de produção, em Ouro Preto. “Ele era dedicado demais à família e tinha muito orgulho das duas filhas. Agora que a mais velha, de 23 anos, vai se formar no final do ano que vem, a gente fica imaginando como o Daniel estaria feliz e realizado. E isso nos foi tirado por esse desastre terrível”, lamenta a viúva dele, Tânia Penna de Carvalho, de 50. Segundo ela, desde que o marido morreu não recebeu qualquer apoio da Samarco além do adiantamento da indenização. “Nem ligaram para saber se a gente precisava de alguma coisa. Chegaram a oferecer uma indenização ridícula, mas vamos resolver isso na Justiça. Vamos até o final. A saudade do Daniel é grande demais. Foi muito difícil para mim, e minhas filhas ajudaram muito na época a resolver os problemas, isso nos uniu ainda mais”, conta.


DEPOIMENTO
Mateus Parreiras - Repórter


A guerreira Jaqueline

"Quando a barragem da Samarco se rompeu, eu já tinha terminado meu expediente no jornal e estava em casa, carregando no colo o meu filho Otávio, de 3 meses. E foi com ele agarrado a mim que recebi a notícia do desastre. Isso desencadeou uma sequência de quase dois meses de trabalho intenso, durante a qual praticamente morei em Mariana, ampliando demais as saudades e pensamentos sobre o meu filho. Talvez por isso tenha me impactado tanto a história de Jaqueline, viúva do motorista Vando Maurílio, morto no rompimento da barragem. O casal tem um filho da mesma idade do meu, o Leonardo, que nasceu com uma grave paralisia cerebral. Vando nem sequer teve tempo de ficar comseu menino no colo, porque o bebezinho ficou quatro meses internado numa UTI. Como uma guerreira, Jaqueline tenta com o auxílio público, de familiares e de amigos custear o tratamento do Leonardo. O menino precisa de respirador artificial, não tem ainda uma cadeira de rodas e consome uma fórmula em pó que custa R$ 100 a lata. Foi de arrepiar. Um exemplo e um drama que têm feito com que eu abrace ainda mais forte meu pequeno Otávio."


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade