Publicidade

Estado de Minas

Quadrilhas atacam bancos em três cidades mineiras nesta terça-feira

Houve troca de tiros, pessoas sendo feitas reféns e agências bancárias destruídas pelas explosões. O cerco segue sendo feito para tentar encontrar os criminosos


postado em 05/09/2017 15:34 / atualizado em 05/09/2017 16:35

Agência em Campos Gerais ficou destruída após ação da quadrilha(foto: Reprodução/WhatsApp)
Agência em Campos Gerais ficou destruída após ação da quadrilha (foto: Reprodução/WhatsApp)

Moradores de cidades pequenas no interior de Minas Gerais voltaram a se amedrontar com a atuação de quadrilhas especializadas em ataques a bancos. Somente na madrugada desta terça-feira, três municípios do Sul do Estado – Itanhandu, Campos Gerais, e São Pedro da União – tiveram ações violentas das organizações criminosas. Houve troca de tiros, pessoas sendo feitas reféns e agências bancárias destruídas pelas explosões. O cerco segue sendo feito para tentar encontrar os criminosos. Até a publicação desta reportagem ninguém tinha sido preso.

Em Itanhandu, os criminosos chegaram na cidade por volta das 4h. Um grupo de aproximadamente oito homens participaram da ação. Segundo a Polícia Militar (PM), os criminosos chegaram a fazer reféns. “Eles abordaram um padeiro que estava em uma Fiorino e também funcionários que descarregavam carga em uma quitanda. Elas foram obrigadas a ficar dentro do local. Já o padeiro teve que ficar dentro do veículo”, afirmou o sargento Alexandre Wagner Gonçalves.

De acordo com o militar, a ação da organização criminosa foi bastante rápida. “Eles usaram artefato de grandes proporções. A explosão afetou a estrutura do banco. Em seguida, fugiram. Os reféns foram liberados antes da fuga e não sofreram ferimentos”, comentou o sargento.

Os criminosos fugiram para a zona rural por estradas vicinais. Eles abandonaram dois veículos usados na fuga. Um deles foi incendiado. “Levantamentos com moradores da zona rural indicam que o grupo fugiu para Itamonte, município que faz divisa com o Rio de Janeiro por meio da cidade de Engenheiro Passos”, disse Gonçalves.

Outro ataque aconteceu em Campos Gerais. Mais de 10 integrantes de uma quadrilha participaram do assalto. Eles chegaram na cidade por volta das 3h. Segundo a PM, foram até uma agência do Bradesco e não conseguiram arrombar o caixa. Depois, seguiram até a Caixa Econômica Federal, onde explodiram os terminais.

Nesta segunda ação, a PM já tinha sido acionada e conseguiu evitar o roubo. Houve troca de tiros. Os criminosos fugiram do local e ainda não foram encontrados. Ninguém ficou ferido. A polícia suspeita que eles foram para a área rual do município. Cápsulas calibre 12 e 9 milímetros foram apreendidas, o que indica o uso de armas longas pela organização criminosa.

São Pedro da União

Outra cidade que sofreu com a ação criminosa foi São Pedro da União. Uma quadrilha de aproximadamente 10 homens explodiram caixas eletrônicos do Banco do Brasil. Segundo a PM, os criminosos fugiram e ainda não foram encontrados. O bando também utilizou armas longas no ataque.

Nessa segunda-feira, o ataque de uma quadrilha à agência do Banco do Brasil em Pitangui, no Centro-Oeste, destruiu um acervo de livros raros, datados do século 19, e podem ter afetado o maior acervo de processos conhecidos como “ações das almas”, com mais de 1 mil documentos. O total do acervo atingido ainda é avaliado.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade