Publicidade

Estado de Minas

Morte de fisiculturista é 3º caso de violência em boate de BH em 1 ano

Hangar 677 foi inaugurada em julho do ano passado no Bairro Olhos D´Água, na Região do Barreiro


postado em 03/09/2017 06:00 / atualizado em 03/09/2017 09:15

Agressões, lesões corporais e até homicídios já chegaram a ser registrados dentro ou na porta de boates na Região Metropolitana de Belo Horizonte recentemente, indicando que os conflitos ocorrem com frequência, muitas vezes turbinados pelo uso de álcool e drogas. O caso de Allan Pontelo é pelo menos o terceiro que chegou ao conhecimento da polícia em pouco mais de um ano de funcionamento da casa de show Hangar 677, inaugurada em julho do ano passado no Bairro Olhos D’água, na Região do Barreiro, em BH.


Parentes e amigos informaram que Allan, que também era fisiculturista, estudava educação física para virar personal-trainer e já trabalhava com a namorada vendendo suplementos alimentares em uma loja aberta pelo casal em Contagem, na Grande BH. Em suas redes sociais, Allan mantinha várias imagens praticando o fisiculturismo. Allan morava com o pai, a madrasta e quatro irmãos, um deles um ano mais novo, no Bairro Água Branca, em Contagem. Ele estudava educação física na Universo, em BH, e o caso deixou a namorada, Marcela Paiva, de 20 anos, que também trabalha como fotógrafa, desesperada. Ela chegou a divulgar um vídeo nas redes sociais pedindo Justiça para o caso, pois acredita que o namorado foi assassinado pelos seguranças da boate. “Pegaram e bateram nele até a morte. Agora estão alegando que meu namorado estava traficando para se safar disso. Esses seguranças acham que podem fazer o que quiserem. O Brasil precisa acordar para isso. Essas pessoas não têm coração”, afirmou.

OUTROS CASOS

Ao menos outros dois casos de agressões foram registrados nas imediações do local. Em setembro do ano passado, o estudante de medicina Henrique Papini, de 22, foi brutalmente espancado depois de sair da casa de shows. O jovem estava acompanhado de um colega e uma amiga quando foi agredido. Com traumatismo craniano e de face, além de outras lesões, o rapaz foi levado para o Hospital Biocor e chegou a ficar em coma. As agressões foram flagradas por câmeras de segurança.

Rafael Batista Bicalho, de 19 e Thiago Motta Vaz Rodrigues, de 20, foram indiciados pelo crime de tentativa de homicídio por motivo fútil e impossibilidade de defesa da vítima. Em depoimento à polícia, somente Rafael assumiu ter agredido o rapaz por ciúmes de suposta relação de Henrique com sua ex-namorada. As provas apontam que os dois agrediram a vítima e, com isso, assumiram o risco de causar a morte de Henrique. A pena para esse tipo de crime é de 12 a 30 anos de reclusão.

Em novembro, outro caso foi registrado. O jovem Pedro Henrique de Oliveira Rocha, de 22, foi agredido no interior da boate Hangar 677. O caso foi relatado pela mãe do garoto. Ela registrou boletim de ocorrência depois que o filho deu entrada no bloco cirúrgico do Hospital Felício Rocho, relatando que ele foi à casa de shows acompanhado da namorada e de alguns amigos e que circulava pelo local quando foi abordado pelos agressores. Segundo a Polícia Civil, Pedro teria passado entre duas mesas antes de ser agredido de forma gratuita por um número não informado de pessoas. Atingido por uma barra de ferro, ele teve ferimentos graves no rosto e uma ambulância foi acionada para encaminhá-lo ao hospital.

Levantamento feito pela PM a pedido do Estado de Minas em novembro do ano passado dava conta de 67 casos de agressão, lesão corporal, tentativa de assassinato e homicídio dentro ou na porta de boates entre janeiro e outubro daquele ano. Dois casos ganharam grande repercussão pela barbaridade. Em abril, um homem foi morto a tiros na Avenida Raja Gabaglia após discussão que começou dentro da boate Alambique, no Bairro Estoril, Oeste de BH. Também em abril, um estudante de direito foi espancado até a morte por dois soldados da PM e um corretor de seguros na porta da boate Havana, em Contagem.


UM RELATO DE INTIMIDAÇÃO
Frequentador da boate relata intimidação(foto: Guilherme Palma Barbosa/Arquivo )
Frequentador da boate relata intimidação (foto: Guilherme Palma Barbosa/Arquivo )

Guilherme  Palma Barbosa,
33 anos, psicólogo


“O segurança queria me levar para um quartinho. Por sorte, apareceu um amigo, que é PM"


“Há 20 dias, comemorei meu aniversário na Hangar. Vendi 30 convites (R$ 100 cada) e, por isso, recebi quatro offs (ingressos) e um combo de bebida (R$ 430). Vendi o combo, os offs e outros ingressos ainda na porta. Estava com R$ 1,2 mil no bolso. Eu me diverti bastante até ser abordado por um segurança com quase dois metros de altura. Disse-me que era policial civil e iria me revistar. Alegou que me flagrou vendendo drogas na boate e me intimidou. O segurança queria me levar para um quartinho. Por sorte, apareceu um amigo, que é PM, e pediu ao segurança que se identificasse. Só aí ele recuou. Achei um absurdo e tentei, por diversas vezes, a partir do dia seguinte, uma resposta da boate. Ninguém me retornou. O meu caso é semelhante ao do rapaz que faleceu. Outras pessoas me disseram que o que o segurança fez comigo é um ‘golpe’ comum na boate”. A reportagem telefonou para a assessoria de imprensa da Hangar para comentar o caso, mas ninguém retornou o recado deixado na caixa postal.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade