Publicidade

Estado de Minas

Bombeiros fazem parto em corredor de hospital em Montes Claros

Militares conduziam gestante à maternidade, mas ela entrou em trabalho de parto antes de receber os cuidados médicos especializados


postado em 26/01/2017 11:56 / atualizado em 26/01/2017 14:05

Sargento Jaqueline comandou o atendimento e ficou muito feliz com o nascimento da criança(foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Sargento Jaqueline comandou o atendimento e ficou muito feliz com o nascimento da criança (foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)
Uma equipe do Corpo de Bombeiros realizou um atendimento inusitado na manhã desta quinta-feira, em Montes Claros, no Norte de Minas. Um parto dentro do corredor de um hospital. Os militares conduziam a gestante Maria Cristina Barbosa, de 36 anos, para maternidade do Hospital Universitário Clemente de Faria. A mulher entrou em trabalho de parto e deu à luz a uma menina em uma maca, quando estava dentro da unidade hospitalar. Mãe e filha passam bem.

O parto foi assistido pela sargento Jaqueline Silva Batista, de 33 anos, que teve que conter as lágrimas diante da forte emoção que viveu. “Foi realmente muito emocionante. Fica até dificil para descrever. Foi um momento muito especial. Agradeço a Deus por essa  oportunidade em minha vida”, afirma Jaqueline, que experimentou este tipo de situação pela primeira vez em oito anos de  serviço na corporaçao. “Acho que o instinto materno também contribuiu”, afirma a militar, que é mãe de dos filhos.

A equipe do Corpo de Bombeiros recebeu o chamado para o atendimento à dona de casa Maria Cristina Barbosa, que mora no Conjunto Monte Sião, área carente de Montes Claros. O tempo entre a chegada na casa da gestante e a entrada no hospital foi de 15 minutos.

Conforme relata a sargento Jaqueline, logo após os procedimentos de identificação no Pronto Socorro do Hospital Universitário, a equipe levava a gestante para a maternidade. Mas, em um corredor, os bombeiros perceberam que a mulher entrou em trabalho de parto. Maria Cristina teve o sétimo filho.

Conforme a sargento, mesmo estando dentro de um hospital, não deu tempo de chamar os médicos e ela própria teve que fazer parto. Logo após, mãe e filha foram entregues à equipe médica da unidade. Jaqueline lembra que recebeu treinamento para o atendimento a casos de emergência, o que ajudou para o sucesso do parto.  


Publicidade