Publicidade

Estado de Minas

Dez detentos fogem do Presídio Regional de Ibirité, na Grande BH

Diretor do presídio ainda não sabe o número exato de presos que fugiram e nem o horário do fato. Polícia Militar está no local, onde será realizada uma vistoria


postado em 15/01/2017 09:31 / atualizado em 15/01/2017 14:27

A Polícia Militar de Minas Gerais registrou a fuga de 10 detentos do Presídio Regional de Ibirité, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, na madrugada deste domingo. De acordo com informações do 48° Batalhão, os presos teriam serrado as grades das celas para deixar o local. Até o momento, a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) nega a ocorrência de rebelião.

O diretor do presídio se reuniu com os militares para registrar o boletim de ocorrência e o procedimento foi seguido por uma vistoria para levantar a quantidade exata de presos que fugiram, assim como o horário da ocorrência.

A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou, por meio de nota, que a fuga ocorreu por volta das 3h da madrugada e, até o momento, não houve recaptura de nenhum foragido. O número de 10 fugitivos foi confirmado pela pasta que coordena os presídios de Minas.

"A direção da unidade prisional irá apurar, em procedimento próprio, se houve ilícito administrativo no caso", informou a Seap em nota.

A capacidade do presídio é para aproximadamente 100 detentos. Porém, o número de internos seria superior a 150. Depois de reunião com o governador de Minas Gerais, Fernando Pimentel (PT), no último dia 6, para discutir o sistema carcerário do Estado, em decorrência da rebelião no Presídio Anísio Jobim, em Manaus, o secretário de Administração Prisional, Francisco Kupidlowsky, afirmou que a superlotação em presídios é um problema crônico.

"Existiu há 15 anos e vai existir daqui a 10 anos. O que temos que fazer é trabalhar para minorar a superlotação", afirmou na ocasião.

Minas Gerais tem hoje 69,2 mil detentos. O total de vagas, no entanto, é de 38,5 mil. A situação, segundo o presidente do Sindicato dos Agentes de Segurança Penitenciária do Estado de Minas Gerais, Adeílton de Souza Rocha, aumenta o risco de rebeliões. O dirigente afirma que a falta de investimentos para construção de presídios no Estado é a principal causa da superlotação dos estabelecimentos de detenção em Minas. (Com Agência Estado)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade