Publicidade

Estado de Minas

Cem casas desabitadas e capela na Serra do Carola testemunham a devoção de fiéis

Uma vez por ano, 'vila fantasma' recebe peregrinos, no jubileu a Nossa Senhora das Dores


postado em 15/08/2016 06:00 / atualizado em 15/08/2016 09:14

Serro – Esta é uma história de devoção a Nossa Senhora das Dores. De certa forma, é também a história de uma vila fantasma. A fé católica deu origem a uma capela e a cerca de 100 casinhas desabitadas no topo de um pico a 18 quilômetros do Serro, cidade colonial fundada por bandeirantes em 1714. Por aquelas bandas, não há quem desconheça graças alcançadas na Serra do Carola, a montanha dos bem-aventurados.

Corria o início do século passado quando católicos começaram a enfrentar uma íngreme subida de três quilômetros para suplicar proteção e milagres a Nossa Senhora. À medida que as graças eram alcançadas, crescia o universo de peregrinos. A notícia se espalhou e atraiu forasteiros de longe. Foi então que um dos devotos, José Osvaldo de Gulim, ergueu um cruzeiro de madeira acima do platô mais alto.

Pouco depois, ele e mais três homens – Expedito, José e Nicodemos – construíram uma capela numa área doada por Romão Eduardo dos Santos. Foi assim que surgiu o santuário de Nossa Senhora das Dores. Há 69 anos, a fé resultou no jubileu anual em sua homenagem.

O evento dura uma semana, sempre em julho. No início, os fiéis subiam e desciam a serra todos os sete dias, numa caminhada danada de cansativa pela estrada empoeirada e com rochas. Para evitar os prolongados deslocamentos durante a festividade, devotos tiveram a ideia de erguer casinhas no entorno da capela. Dezenas surgiram em pouco tempo.

TEMPORADA

Fachada da capela dedicada a Nossa Senhora das Dores: desde o século passado, católicos peregrinam ao pico para suplicar por graças (foto: Beto Novaes EM DA Press)
Fachada da capela dedicada a Nossa Senhora das Dores: desde o século passado, católicos peregrinam ao pico para suplicar por graças (foto: Beto Novaes EM DA Press)

As chamadas edículas ou casinholas são construções simples. A maioria com um cômodo. Afinal, servem de moradia apenas na semana do jubileu. Na região, as casinhas temporárias foram apelidadas de barraquinhas. As primeiras eram de madeira, lona e sapê. Desprovidas de qualquer conforto. Num segundo momento, surgiram as edificações mais sólidas, de adobe ou tijolo. Algumas construções de pau-a-pique resistem ao tempo.

Embora erguidas por fiéis, as edículas, oficialmente, pertencem à paróquia. “São habitadas somente durante o jubileu”, conta Pedro Farnesi, secretário de Turismo, Cultura e Patrimônio do Município do Serro. Apenas uma moradia, erguida em frente à igreja e ao lado de uma árvore cuja copa garante sombra necessária em dias calorentos, é residência fixa.

ÚNICA MORADORA

É nela que moram dona Maria do Amparo Silva Santos, de 63 anos, o marido, seu Damião e um dos oito filhos do casal, Iago, de 20. “Quem doou a terra para a construção da igreja foi meu sogro. Morar no alto da serra é uma beleza. Veja a vista. Os olhos enxergam ao longe. Tudo isso nos oferece uma sensação de paz”, ressalta a mulher, que planta feijão e milho. Ela também cuida de poucas cabeças de gado.

Para dona Maria e muitos fiéis, a Serra do Carola é um lugar sagrado. Por isso, os devotos dizem que o lugarejo “descombina” com o termo vila fantasma. Por outro lado, eles admitem que o apelido se espalhou além das fronteiras do Serro. A fama da vila, assim como a da santa, atrai gente de todo canto do Brasil. De olho nesse filão, empresas do setor de turismo da região oferecem passeios à “vila fantasma”.

Quem chega ao lugarejo fora do jubileu encontra as casinholas, com exceção da moradia de dona Maria, com portas e janelas trancadas. Há paredes de diversas cores e sem reboco. Há telhas de barro e coberturas de amianto. Em muitas, destacam-se enfeites em homenagem à santa. Na área externa, fogões a lenha. Entre as edículas, becos de chão batido ou cobertos por gramíneas.

Bancos de madeira foram colocados em frente a algumas moradias. Neles, os fiéis contemplam a vista oferecida pelo pico. Chama atenção uma passagem com degraus em chão batido. Para garantir a segurança de quem a sobe ou desce, corrimãos de bambus foram improvisados nos dois lados da escadaria. O visitante ainda se depara com árvores frutíferas.

Toda a mística e a beleza do santuário atrai não somente católicos. Há duas semanas, no chão de um dos becos, havia uma medalhinha com a imagem de uma entidade chamada Preto Velho. Nela, a frase: “Adorei as almas!”.

Templo passa por restauro

A capela em homenagem a Nossa Senhora das Dores foi restaurada há poucos meses, oferecendo aos devotos, no jubileu que ocorreu na segunda semana de julho, um templo com pintura, equipamentos e fiação elétrica novos.

O recurso foi bancado pela prefeitura. “Estamos investindo, somente neste ano, quase R$ 500 mil no patrimônio histórico do Serro”, garantiu o secretário de Turismo.

O santuário, que é tombado em nível municipal, deverá atrair, no próximo jubileu, em julho de 2017, uma multidão maior do que a registrada nos últimos anos. Afinal, a festa religiosa completará 70 anos.

COMO CHEGAR

Quem deseja conhecer o santuário de Nossa Senhora das Dores na Serra do Carola deverá chegar ao trevo do Serro e pegar a MG-010 no sentido à cidade de Conceição do Mato Dentro. O caminho é asfaltado, mas há muitas curvas e a estrada não é duplicada.

A 15 quilômetros do trevo, no lado direito de quem segue para Conceição do Mato Dentro, há uma placa indicando a entrada para o distrito Deputado Augusto Clementino. O visitante deve entrar no distrito, passar em frente à capela do local e seguir por uma estrada de terra de três quilômetros. O caminho oferece uma bela vista.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade