Publicidade

Estado de Minas

PM veta desfile do bloco AloPrado, marcado para este sábado; organização diz que vai sair

Concentração está prevista para às 13 horas no bairro Prado, onde ontem morreu uma pessoa levada pela enxurrada. Polícia diz que segue recomendação do Ministério Público que aponta falta de condições de segurança e infraestrutura


postado em 13/02/2016 07:46 / atualizado em 13/02/2016 10:53

Desfile do bloco Aloprados, no carnaval do ano passado(foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press - 23/02/2015)
Desfile do bloco Aloprados, no carnaval do ano passado (foto: Beto Magalhaes/EM/D.A Press - 23/02/2015)
Por recomendação do Ministério Público de Minas Gerais (PMMG), a Polícia Militar informou que não vai permitir a realização do evento denominado “Aloprado”, previsto para acontecer neste sábado, na avenida Francisco Sá, entre a avenida Amazonas e rua Platina, no bairro Prado, em Belo Horizonte. O evento tem objetivo de reunir a multidão para comemorar o fim do carnaval.

O bloco AloPrado desfila desde 2010. No ano passado, na conta dos organizadores reuniu mais de 20 mil pessoas. Ricardo Scheid, organizador do bloco, diz que o público esperado é similar ao de 2015 e que não há motivos para a proibição um dia antes da folia. "A obrigação de garantir a segurança é da polícia. Por que proibir um único bloco?", questiona.

Em 2015, a festa terminou em confusão com briga e empurra-empurra. A Polícia Militar chegou a usar balas de borracha.  "Entemos a proibição como um revanchismo da PM pela confusão do ano passado que machucou militares. Acontece que o tumulto ocorreu, muito tempo depois que o bloco já havia encerrado o seu desfile. Nosso horário previsto de encerramento é às 20 horas", diz Scheid.

Segundo a Polícia Militar, devido a opinião desfavorável do Ministério Público de Minas Gerais, que apontou risco à segurança dos integrantes do bloco, o evento não deve ocorrer como no ano passado.  O MP apontou ausência de condições mínimas de segurança, como plano de combate a incêndio e tumultos, além de transtornos aos moradores do bairro e risco de inundação da área em caso de chuva forte.

A decisão da PM acontece um dia após a morte de uma mulher arrastada pela enxurrada no Prado
. Maria Ester Ribeiro, 59, que foi derrubada pela água enquanto tentava atravessar a Rua Diorita, se afogou ao ficar presa debaixo de um veículo. O incidente aconteceu durante o temporal que atingiu Belo Horizonte no fim da tarde de sexta-feira, 12.

A PMMG informou que vai intensificar o policiamento no local, com realização de operações de Blitze da Lei Seca, fiscalização de bares e restaurantes durante todo o dia. 

A corporação vai adotar todas as medidas necessárias para que a Constituição Federal, as leis e as boas regras de convivência sociais não sejam quebradas pelas pessoas que pretendem realizar o evento", reforça a PM em nota.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade