Publicidade

Estado de Minas

Relatos de vítimas do desastre em Mariana comovem identificadora da Polícia Civil

Solange auxilia desabrigados na emissão de segunda via de documentos e registro de BO. Ela relata a difícil rotina de reviver com cada pessoa o sofrimento do dia da tragédia em Mariana


postado em 13/11/2015 06:00 / atualizado em 13/11/2015 07:26

Solange Rodrigues diz que relatos de vítimas marcarão sua vida(foto: Pedro Ferreira/EM/DA Press)
Solange Rodrigues diz que relatos de vítimas marcarão sua vida (foto: Pedro Ferreira/EM/DA Press)
Mariana – Uma história que se repete, mas que a cada narrativa emociona a identificadora da Polícia Civil Solange Aparecida Rodrigues, que faz parte da equipe que atende os desabrigados na emissão de segunda via de documentos e registro de boletins de ocorrência após o rompimento de duas barragens em Mariana, na Região Central de Minas. Uma delegacia móvel foi montada em um ônibus da corporação na cidade histórica. “Na correria para escapar do mar de lama, muitos deixaram suas casas às pressas e nem sabem o que ficou para trás. O documento é o recomeço de tudo”,  explica Solange.

Para confeccionar o boletim de ocorrência, a servidora pública precisa ouvir o relato das pessoas que perderam tudo na tragédia. “Os documentos são peças fundamentais para que as vítimas reivindiquem seus direitos”, acrescenta. São histórias tristes, que não a deixam indiferente ao fazer o registro do BO.  Em alguns casos, Solange Rodrigues diz que não consegue conter as lágrimas. E quando encerra o expediente, cai aos prantos depois de tantas narrativas da tragédia. “Chego em casa e fico acordada até de madrugada, imaginando a dor que essas pessoas estão passando. É uma situação muito triste.”

Uma dessas histórias tem como personagem uma mulher de 40 anos, que decidiu aprender a ler e escrever. Ela estava na escola com a filha mais velha na hora da tragédia, em Bento Rodrigues. A caçula, de 10 anos, estava em casa. “Quando iniciou a fuga do mar de lama, que vinha em direção à escola, a mulher foi em direção ao perigo, para salvar a filha mais nova”, contou Solange.

De acordo com o relato da vítima à servidora pública, em meio ao desespero, veio um primeiro alívio ao encontrar sua caçula no meio do caminho, chorando de medo. O abraço foi rápido, pois a lama se aproximava, arrasando com tudo. A mulher recordou que, no desespero, jogou a menina em cima da carroceria de uma caminhonete que passava.

Como não havia mais lugar e as pessoas tentavam subir de qualquer forma no veículo, a mãe contou que seguiu com a mais velha por um morro em direção a uma mata, para onde várias pessoas também corriam em busca de abrigo. Com a chegada da noite, a mulher, sua filha e um irmão, com alguns vizinhos, se abrigaram no matagal. O irmão dela tentava abrir caminho para chegar a outro distrito.

De acordo com a identificadora, a mulher lhe contou que foi uma longa noite, em que ela pensava na filha que deixou na caminhonete. Pensava na possibilidade de o veículo ter sido levado pela lama com todos que estavam nele. Por duas vezes, ela disse que escutou gritos de socorro na mata, durante a madrugada. Então, pensava em sua caçula e saía correndo no escuro tropeçando em troncos de árvores.

LEMBRANÇAS DO HORROR Na primeira vez, encontrou uma senhora idosa atolada na lama. Na segunda, um menino com barro até a cintura. A angústia da mãe só terminou na manhã do dia seguinte, quando reencontrou a filha em Mariana, que havia sido resgatada sem ferimentos. “Ela me disse que foi como se tivesse nascido de novo. Perder a filha seria a sua própria sentença de morte.”

Ontem, a mulher passou mal ao entrar na delegacia móvel da Polícia Civil. O barulho do ar-condicionado do ônibus trouxe de volta as lembranças da lama. “Ela não queria entrar no veículo, pois o barulho parecia com o da lama destruindo tudo. Era muito alto, segundo ela”, contou Solange Rodrigues.

Para a identificadora, o que ela está presenciando na cidade a faz refletir sobre a própria existência. “É como se eu estivesse escrevendo páginas de um livro, com relatos que ficarão marcados para sempre na minha vida e na história de Mariana.”

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade