Publicidade

Estado de Minas

Página de apoio à Samarco gera polêmica no Facebook

Perfil convoca funcionários e a sociedade em geral para ajudar a empresa, responsável pelas barragens que varreram o povoado de Bento Rodrigues


postado em 12/11/2015 11:23 / atualizado em 12/11/2015 10:34

Página foi criada ontem, mas até a manhã desta quinta já contava com mais de 1,6 mil curtidas(foto: Reprodução internet/Facebook)
Página foi criada ontem, mas até a manhã desta quinta já contava com mais de 1,6 mil curtidas (foto: Reprodução internet/Facebook)

Uma página criada na quarta-feira para apoiar a empresa Samarco, proprietária das duas barragens que se romperam e destruíram o povoado de Bento Rodrigues, em Mariana, na Região Central de Minas,  causa revolta na internet.

A fanpage “Somos Todos Samarco” tem mais de 1,6 mil curtidas. Na descrição, o proprietário diz que a página não é administrada pela empresa, e que trata-se de uma iniciativa pessoal. “Temos que cobrar da mesma (Samarco) que faça e cumpra com suas obrigações e que faça o seu melhor para poder minimizar os prejuízos materiais causados por essa ocorrência”, diz o texto. “Mas também temos que fazer isso de forma que se preserve a continuidade de suas atividades, pois ela gera milhares de empregos e tem feito um trabalho social, que também é seu dever, com grandes impactos positivos na sociedade”.

Até o momento, a página tem apenas quatro postagens. Uma das que gerou mais repercussão é uma colagem de fotos de pilhas de lixo espalhadas por diferentes ruas, com os dizeres “Temos que ser realistas, quem faz isso não é melhor que a SAMARCO...”. Os internautas responderam com vídeos e fotos da destruição causada pela lama da mineração, assim como a situação das vítimas.

“Porque uma enchente e o assassinato do Rio Doce, de fato, têm a mesma proporção”, ironiza uma usuária da rede social. “O descaso e falta de infraestrutura em um determinado ponto (lixões ou ruas abandonadas) quer seja pelo descaso público quer seja pela ignorância da sociedade que vem ao logo do tempo ocorrendo, não pode ser comparado com uma catástrofe daquela ordem onde uma cidade foi banida do mapa. “Só pode ser brincadeira que você queira comparar jogar lixo na calçada com matar gente”, diz outro.

Na mesma página, funcionários e ex-funcionários da empresa postaram algumas mensagens de apoio à Samarco. “Confio na competência de todos profissionais desta empresa. Sei que resolverão esses percalços da melhor forma possível”, publicou um deles.
Post de abertura explica a iniciativa. Diante da revolta dos usuários, em outra mensagem, ele disse que não é funcionário da empresa(foto: Reprodução internet/Facebook)
Post de abertura explica a iniciativa. Diante da revolta dos usuários, em outra mensagem, ele disse que não é funcionário da empresa (foto: Reprodução internet/Facebook)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade