Publicidade

Estado de Minas

Governador Valadares interrompe captação de água por conta da lama no Rio Doce

Prefeitura quer 80 caminhões-pipa da mineradora Samarco para atender unidades de saúde, escolas, Corpo de Bombeiros e o reservatório da cidade. Sem abastecimento público, água estocada só vai durar até o fim da tarde de amanhã


postado em 09/11/2015 10:59 / atualizado em 10/11/2015 11:58

Ver galeria . 3 Fotos Camada espessa de lama passou pelo vertedouro da UHE Baguari, no município de Governador Valadares, às 9h20 desta segunda-feiraUHE Baguari/Divulgação
Camada espessa de lama passou pelo vertedouro da UHE Baguari, no município de Governador Valadares, às 9h20 desta segunda-feira (foto: UHE Baguari/Divulgação )
A prefeita de Governador Valadares, Elisa Maria Costa, solicitou da mineradora Samarco 80 caminhões-pipa para atender a população da maior cidade da Bacia Hidrográfica do Rio Doce em caso de desabastecimento. A chefe do executivo municipal informou que a captação no Rio Doce, atingido pela lama que vazou das barragens de Bento Rodrigues, em Mariana, foi totalmente interrompida no início da tarde de hoje, graças à chegada de uma camada mais espessa de resíduos da mineração.

Segundo a prefeita, a captação ainda funcionava, já que, apesar do aumento da turbidez da água, o tratamento ainda era possível. "Agora, a situação mudou e interrompemos completamente. Só temos água reservada até o fim da tarde de amanhã", afirma a prefeita. A prefeitura está esperando o retorno da Samarco para o plano de emergência que foi solicitado. Além dos 800 mil litros de água por dia, para atender especialmente os locais prioritários, como postos de saúde, hospitais, escolas e o Corpo de Bombeiros, a prefeita ainda espera 50 caixas de 30 mil litros, R$ 70 mil para serem usados na comunicação da população, entre outros itens.


Se necessário, os caminhões-pipa que ainda não foram confirmados pela Samarco farão a coleta em poços artesianos da Copasa nas cidades de Marilac, Frei Inocêncio e Ipatinga, todas no Vale do Rio Doce. "O abastecimento é questão de vida para a nossa população, que tem 280 mil pessoas. Estamos esperando o retorno da empresa para colocar o plano em prática. Se isso não acontecer, a situação vai ficar bastante complicada", completa a prefeita.

Dados do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) mostram que a onda de cheia passou com maior força pela Usina Hidrelétrica Risoleta Neves, em Rio Doce, na Zona da Mata, na última sexta-feira, levando o Rio Doce a uma vazão de 1.900 metros cúbicos por segundo no local. Durante o fim de semana a vazão foi diminuindo e a última medição do CPRM mostra o manancial a uma vazão de 585 metros cúbicos por segundo ontem a tarde em Governador Valadares, quando foi notificada o início da cheia na cidade.

O gerente-geral da Usina Hidrelétrica de Baguari, Walter Leite, que fica no Rio Doce antes da área urbana de Valadares, informou que a água chegou pela primeira vez com características diferentes na usina na madrugada de sábado para domingo. "A primeira onda tinha mais água do que lama. Hoje, por volta de 9h20, chegou uma onda maior de lama, que deve demorar cerca de seis horas até chegar na cidade de Governador Valadares", afirma o gerente.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade