Publicidade

Estado de Minas

Bandidos assaltam ônibus e escolhem vítimas pela cor da pele em BH

Criminosos anunciaram o assalto e não levaram pertences de negros ou pardos


postado em 10/01/2015 06:00 / atualizado em 10/01/2015 07:07

Ladrões embarcam no Centro e atacam perto do Morro do Papagaio(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
Ladrões embarcam no Centro e atacam perto do Morro do Papagaio (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

Três assaltantes que atacam passageiros de ônibus na Avenida Nossa Senhora do Carmo, na Região Centro-Sul de BH, escolhem as vítimas pela cor da pele. Na hora do assalto, eles não levam nada de quem é negro ou pardo, alegando que são “trabalhadores”, mas roubam celulares e outros objetos de valor de quem não se enquadra nesse perfil. A denúncia é de vítimas que tiveram pertences levados e que acusaram a preferência à polícia e também fizeram apelos nas redes sociais. Até um abaixo-assinado virtual foi criado para que um ponto de ônibus em frente ao aglomerado Morro do Papagaio seja desativado. Somente nos sete primeiros dias deste ano, foram quatro ocorrências de roubo, admite o comandante do 22º Batalhão da PM, responsável pela área, tenente-coronel Eucles Figueiredo. Segundo o militar, operações preventivas são feitas no local.

Por volta das 7h30 de quarta-feira, uma das vítimas foi a analista de comércio exterior Maylin Santana Carvalho de Souza, de 27 anos, passageira da linha 2104 (Nova Gameleira/Milton Campos). No dia anterior, às 18h30, três ladrões com as mesmas características e modo de agir invadiram também um ônibus da linha 5106, no mesmo local. Três mulheres, de 24, 28 e 30 anos, e dois homens, de 21 e 23, tiveram celulares, dinheiro, bolsas e documentos levados. Outras vítimas não quiseram aguardar a chegada da PM e foram embora sem registrar queixa. Os assaltantes sempre fogem a pé, em direção ao Morro do Papagaio, no Bairro Santa Lúcia, próximo ao trevo de acesso ao Bairro Belvedere, onde havia um Posto de Observação da Polícia Militar, que foi desativado.

Maylin conta que, na manhã de quarta-feira, estava a caminho do trabalho, com mais de 50 pessoas no ônibus. Segundo ela, os ladrões embarcaram no Centro de BH. “Três rapazes, todos negros, entraram e ficaram observando os passageiros. Na Nossa Senhora do Carmo, cada um deles sacou um revólver e, juntos, anunciaram o assalto. Um deles encostou a arma no meu rosto e falou: ‘Passa o seu celular, que já vi que você tem um’. Um rapaz negro foi entregar o telefone dele e o ladrão não aceitou e disse: ‘Você, não, neguinho. Você é trabalhador’”, relata. “O motorista e o cobrador do ônibus também foram rendidos, mas, como eram negros, os ladrões não levaram nada deles”, completou. De acordo com ela, passageiros das linhas 8106, 5106 e 8001 também são assaltados na região. “O local é um prato cheio para os ladrões”, disse a vítima.

ABAIXO-ASSINADO Já passageiros da linha do Move 5105 criaram na internet um abaixo-assinado para que a prefeitura desative o ponto de embarque e desembarque na entrada do aglomerado, “por causa do grande índice de assaltos ocorridos no local, que é utilizado como ponto de fuga dos assaltantes após ações de furto e roubo a mão armada dentro do coletivo”, diz o documento.

O tenente-coronel Eucles informou que o posto de observação foi desativado porque a PM não adota mais pontos estáticos de trabalho e que agora o policiamento é rotativo. “Nas últimas duas semanas, houve alguns episódios no local e estamos acompanhando e fazendo operações. Em outubro do ano passado, prendemos quatro marginais que atuavam na área. Os casos voltaram justamente depois do indulto de Natal e estamos desenvolvendo operações específicas de prevenção”, disse o comandante.


Publicidade