Publicidade

Estado de Minas

Prefeitura promete ampliar a coleta seletiva em BH

BH vence Rio e São Paulo e ganha prêmio por investimento na captação de energia solar e na redução de emissão de carbono


postado em 25/03/2014 06:00 / atualizado em 25/03/2014 08:38

O vice-prefeito Délio Malheiros, Florence Laloë, secretária-executiva do Iclei, o prefeito Marcio Lacerda e Michel Rodrigues, coordenador da WWF, na solenidade de premiação (foto: Marcos Michelin/EM/D.A press )
O vice-prefeito Délio Malheiros, Florence Laloë, secretária-executiva do Iclei, o prefeito Marcio Lacerda e Michel Rodrigues, coordenador da WWF, na solenidade de premiação (foto: Marcos Michelin/EM/D.A press )

Presente em apenas 30 bairros de Belo Horizonte, a coleta seletiva será ampliada. Um projeto da prefeitura que prevê instalação de plantas industriais que recebem o lixo e separam suas partes aproveitáveis em grande escala pretende dar uma guinada na destinação de resíduos. Hoje, nem 1% de todo o lixo diário produzido na cidade segue para reciclagem. O lançamento de um edital para a concessão da atividade a grupos empresariais foi anunciado ontem pelo prefeito Marcio Lacerda, após BH receber o título de Capital Nacional da Hora do Planeta. Devido ao investimento em captação de energia solar e em metas para diminuição de emissão de carbono, o município venceu os finalistas Rio de Janeiro e São Paulo. Lacerda confirmou que a mudança na coleta será mais um passo em favor do meio ambiente. “Hoje o problema da coleta seletiva custa o dobro da tradicional. O material recolhido é entregue a cooperativas, que geram renda pequena aos trabalhadores. O poder público subsidia o funcionamento dessas cooperativas e é preciso colocar muito recurso”, explicou.


Ainda não há data definida para o edital, mas o prefeito informou que empresas estão sendo consultadas para um estudo de mercado. As máquinas ficarão nos aterros normais e vão separar os materiais aproveitáveis, reciclados ou aproveitados pela empresa, autorizada a lucrar com o produto final. Segundo o vice-prefeito e secretário municipal de Meio Ambiente, Délio Malheiros, a prefeitura desembolsa mais de R$ 1 milhão por ano para manter a coleta atual. “Pagamos ao entregar para a cooperativa. As cooperativas devem ser parceiras, não podem ser o centro das atenções. Elas estão no processo, mas não podem ditar a coleta”, disse. O investimento no destino correto do lixo se soma a outras iniciativas que levaram BH ao topo entre as cidades brasileiras em relação ao desenvolvimento sustentável. Um júri internacional, fruto da parceria da WWF com o Iclei (Governos Locais para Sustentabilidade), elegeu a capital da “Hora do Planeta: desafio das cidades”. BH concorreu com sete cidades, entre as quais Porto Alegre, Manaus e Fortaleza. Todas preencheram uma plataforma com planos e ações aplicados para uma condição climática equilibrada.

Coleta seletiva, hoje restrita a 30 bairros, será ampliada com concessão do trabalho a grupos empresariais(foto: Isabel Baldoni/Ascom-PBH)
Coleta seletiva, hoje restrita a 30 bairros, será ampliada com concessão do trabalho a grupos empresariais (foto: Isabel Baldoni/Ascom-PBH)

PAINÉIS

A escolha de BH foi guiada por ações concretas voltadas para a energia solar. Considerada a Capital Solar do Brasil, a cidade tem 923 mil metros quadrados de painéis de captação de energia do sol, número oito vezes maior que a média nacional. Por isso, tornou-se referência na aplicação do coletor solar para o aquecimento de água. Atualmente, 3 mil edifícios residenciais têm esses painéis. Um das novidades é a Usina Solar Fotovoltaica, na cobertura do Mineirão, que gera energia. Além disso, a central de tratamento, no aterro sanitário desativado em 2007, processa e queima o gás metano oriundo da decomposição do lixo, o que também gera energia elétrica, comprada pela Cemig. No Plano de Redução das Emissões de Gases de Efeito Estufa (Pregee), a prefeitura propõe a redução em 20% até 2030.

“BH foi protagonista no cenário do levantamento de CO2. O título é um reconhecimento ao esforço para reduzir as emissões. Empresas interessadas podem buscar esse mercado. Ainda mais neste momento delicado, com a falta de chuvas. É positivo investir em energia solar, que é renovável”, disse o coordenador de campanhas da WWF, Michel Rodrigues. Ele comparou a capital mineira à ganhadora global do ano passado, Vancouver, no Canadá, também entusiasta da energia solar. “BH está no caminho certo, rumo a uma cidade mais sustentável”, completou. Já Florence Laloë, secretária-executiva do Iclei, lembra que o contexto mundial climático é um desafio das cidades. “Hoje, 80% da população do Brasil é urbana. Estudos mostram que até 2025 teremos um investimento de U$S 2 trilhões em infraestrutura urbana. É uma oportunidade”, alertou.

Marcio Lacerda destacou que há projetos a longo prazo com essa preocupação, como a expansão do transporte público em cerca de 20 anos, com ampliação do metrô e implantação do BRT e trens metropolitanos. No entanto, criticou ocupações irregulares e, mais uma vez, pediu apoio do estado para retirá-las das áreas verdes. “Temos problemas com ocupações desordenadas, capitaneadas por movimentos políticos. E há dificuldade da Justiça e do governo do estado em agir. Entristece a invasão de áreas ambientais. É um desafio que temos nesse momento”, concluiu.

 Saiba mais

SÁBADO, Dia de apagar a luz

A Hora do Planeta é um ato promovido pela WWF em diversos países com o objetivo de conscientizar a sociedade sobre os perigos do aquecimento global. Durante uma hora, pessoas são convidadas a apagar as luzes em prol de um mundo melhor. O evento, realizado há seis anos no Brasil, está marcado para sábado, às 20h30. Em BH, pontos importantes serão apagados, como a sede da prefeitura, a Praça da Bandeira e a Igrejinha da Pampulha. A novidade é que alguns bares e restaurantes aderiram ao movimento. Estabelecimentos funcionarão à luz de vela durante o ato.


PARCERIA: Coleta seletiva valorizada em todo o país
A Mondelez Brasil, fabricante de marcas como Lacta, Halls, Trident, Oreo e Club Social, e a rede de supermercados Carrefour selaram parceria para implementar estações de reciclagem em 128 lojas da rede em todo o Brasil. O investimento contempla a renovação dos 44 pontos de entrega voluntária já existentes, além da instalação de 85. O objetivo é atender a procura cada vez maior da população por locais que possam receber os resíduos pós-consumo gerados em casa e dar a destinação correta ao material recolhido. A parceria cobrirá 13 estados, incluindo 10 das cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. A expansão das estações de reciclagem nas lojas Carrefour permitirá o aumento de sua capacidade de recolhimento de resíduos em três vezes, saltando de aproximadamente 350 para mais de 1.000 toneladas por mês. A iniciativa também está em sintonia com a Política Nacional de Resíduos Sólidos, que estabelece diretrizes para que, juntos, governo, iniciativa privada, sociedade e entidades em geral se mobilizem em prol da gestão correta dos resíduos gerados no país, com benefícios importantes para o meio ambiente e a saúde pública, e para a geração de renda para cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis.

PATROCÍNIO CULTURAL
Inscrições do Edital Vallourec estão abertas

A Vallourec acaba de lançar o Edital 2014 para patrocínios a projetos culturais aprovados por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais. Os interessados podem se inscrever pelo site da empresa (www.vallourec.com.br) na seção Patrocínios até 17 de abril. Serão aceitas inscrições de projetos previamente aprovados pela Lei Estadual de Incentivo à Cultura de Minas Gerais nas seguintes categorias: artes cênicas, nos segmentos teatro, dança, circo e congêneres, e respectivos eventos; música; áreas culturais integradas, considerando exclusivamente atividades de circulação. As atividades desenvolvidas pelos projetos deverão contemplar, necessariamente, as comunidades de relacionamento das empresas do Grupo Vallourec no Brasil, como Belo Horizonte (preferencialmente região do Barreiro), Contagem, Brumadinho, Nova Lima, Abaeté, Augusto de Lima, Bocaiuva, Brasilândia de Minas, Buenópolis, Curvelo, Engenheiro Navarro, Guaraciama, João Pinheiro, Lagoa Grande, Montes Claros (comunidade Nova Esperança), Paineiras, Paraopeba, Pompéu, Jeceaba, São Brás do Suaçuí e Entre Rios de Minas.

INCLUSÃO PELA ARTE
Cinema itinerante
passa por Minas Gerais
Para marcar a conclusão do projeto Quarta Pelotização, a mineradora Samarco dá início ao projeto Cine Samarco, oferecido aos moradores de 72 comunidades capixabas e mineiras. A partir desta semana, uma carreta, que se transforma em sala de cinema, percorrerá 27 municípios dos dois estados, proporcionando cultura e lazer para cerca de 20 mil pessoas. Estão previstas cerca de 250 sessões de cinema. Em Minas, a iniciativa contempla 16 municípios e abrange 39 comunidades. Serão exibidos filmes para os públicos infantil, adolescente e adulto. As carretas do Cine Samarco – que ficarão estacionadas em praças e demais espaços públicos das comunidades – contam com sala para cerca de 90 pessoas, isolamento acústico, bombonière e banheiros. Nas sessões serão distribuídos refrigerantes, balas e pipocas à plateia. “O Cine Samarco é uma oportunidade de simbolizar a conclusão de um importante momento para a empresa, proporcionando cultura e lazer para essas pessoas, e também reforçar a continuidade do nosso diálogo social”, diz a coordenadora de Desenvolvimento Socioinstitucional, Ana Heineck.

PREVENIR É A MELHOR OPÇÃO
Mobilização em 5 de abril sobre câncer
Antecipando as ações que destacam o Dia Mundial de Luta contra o Câncer (8 de abril), a Organização Regional de Combate ao Câncer (Orcca) lança, no dia 5, o movimento Prevenir é a melhor opção. O objetivo é informar a população mineira sobre a importância da realização de exames preventivos que podem detectar o câncer, além de estimular os hábitos saudáveis. Durante a mobilização no Centro de Betim, na Grande BH, haverá um estande da Orcca na Praça Tiradentes com médicos oncologistas para esclarecer dúvidas. Criada há sete anos por profissionais da saúde que atuam no Cetus-Hospital Dia, a Orcca trabalha para dar suporte multidisciplinar a pacientes com câncer e seus familiares. A ONG atende cerca de 300 pacientes por mês no tratamento complementar da doença, com doações de medicamentos, cestas básicas, suplemento alimentar, fraldas geriátricas e atendimentos nas áreas da fisioterapia, nutrição, serviço social, psicologia e assistência jurídica.


INTERNET RESPONSÁVEL
Atenção na rede
A empresa de telefonia e comunicações GVT, em parceria com as ONGs Comitê para Democratização da Informática (CDI) e SaferNet (organização criada para combater crimes e violações dos direitos humanos na rede), desenvolveu o programa Internet responsável, que já alcançou cerca de 3 milhões de pessoas com conteúdos educativos desde 2008. Com informações voltadas à inclusão digital e à conscientização de internautas acerca dos benefícios e riscos do ambiente online, a novidade desta edição é o canal exclusivo para adolescentes e jovens. O conteúdo do site www.internetresponsavel.com.br foi construído a partir da pesquisa sobre hábitos de navegação realizada pela GVT e SaferNet com mais de 2.800 participantes de todo o Brasil.

SELO DE RESPONSABILIDADE
Ação com crianças é reconhecida
A Faculdade Senac Unidade Contagem recebeu “Selo Instituição Socialmente Responsável” na campanha 2013 do Dia da Responsabilidade Social do Ensino Superior Particular, concedido pela Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior. A conquista do selo, com validade de um ano, veio por meio da ação promovida na Casa de Apoio Contagem pelos jovens da aprendizagem comercial do Senac. Foi uma atividade de extensão com foco na responsabilidade social, com a realização de várias atividades lúdicas com 23 crianças atendidas na Casa de Apoio, uma sociedade civil sem fins lucrativos e de caráter filantrópico que atua nas áreas de educação, saúde, desenvolvimento social e protagonismo juvenil, com três sedes no município.

SEGURANÇA ALIMENTAR
Prêmio da Arcelor vem com capacitação
No Ano Internacional da Agricultura Familiar, decretado pela Organização das Nações Unidas, o Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente propõe uma ampla discussão em sala de aula sobre garantia à segurança alimentar, alimentação adequada e sustentabilidade. Cerca de 220 mil crianças e adolescentes em 39 cidades brasileiras criarão redações e desenhos para a premiação, que reconhece, em nível local e nacional, aqueles que melhor expressarem sua consciência ambiental. Além disso, também serão premiados projetos coletivos apresentados pelas escolas sobre o tema anual. A cada edição, o Prêmio ArcelorMittal de Meio Ambiente distribui material didático sobre o assunto escolhido, além de capacitar educadores a fim de estimular a conscientização de crianças e adolescentes sobre a sustentabilidade, o uso racional dos recursos naturais, a preservação da fauna e flora, entre outros. Desde 1992, o projeto já beneficiou cerca de 5,5 milhões de crianças. Todo o material está disponível para download no site da fundação: www.famb.org.br.

RISO CONTRA A TRISTEZA
Colaboradores voluntários da Unimed levam alegria para pacientes

O Instituto Unimed-BH está desenvolvendo um projeto novo na sua linha de ação Voluntariado. É o Uniclown, composto por atores e colaboradores voluntários da Unimed-BH, que proporciona uma receita infalível contra a tristeza e o desânimo: risadas. Caracterizados de palhaços, os integrantes oferecem um momento de descontração aos pacientes do Hospital Unimed – Unidade Betim e da Maternidade Unimed – Unidade Grajaú. Antes de iniciarem as visitas, os voluntários participaram de um curso na Spetáculo Casa de Artes, parceira do instituto no projeto. Durante seis meses, orientados por palhaços profissionais, eles aprenderam sobre a formação de clowns (palhaços), técnicas cênicas e, principalmente, como lidar com o ambiente hospitalar e os pacientes.

 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade