Publicidade

Estado de Minas

Metroviários prometem fazer paralisação nesta quarta-feira

A categoria é contra a privatização do metrô e também reivindica mais recursos do governo federal


postado em 17/03/2014 17:39 / atualizado em 17/03/2014 19:12

Faixas foram colocadas nas estações para alertar os usuários sobre a paralisação(foto: Gabriela Pacheco/EM/D.A.Press)
Faixas foram colocadas nas estações para alertar os usuários sobre a paralisação (foto: Gabriela Pacheco/EM/D.A.Press)


Os metroviários de Belo Horizonte prometem fazer uma paralisação de 24 horas nesta quarta-feira. Eles protestam contra a privatização do metrô da capital mineira e falta de investimento do governo federal. Faixas foram colocadas nas estações para alertar os usuários. Também foram entregues panfletos com as reivindicações da categoria. A Companhia Brasileiros de Trens Urbanos (CBTU) diante da ameça dos funcionários, ajuizou uma ação cautelar no Tribunal Regional do Trabalho (TRT) pedindo liminar para que seja determinado a escala mínima.

Segundo o vice-presidente do sindicado dos rodoviários (Sindmetro), Romeu José Machado Neto, a categoria está insatisfeita com a privatização do metrô e teme o aumento das passagens, além de uma demissão em massa. “Isso está contra o que foi pedido nas manifestações. A população reivindicou uma passagem justa, porém, como aconteceu em outros estados, isso não deve acontecer. Por exemplo no Rio de Janeiro, quando houve a privatização a passagem passou de R$ 1,60 para R$ 3,20”, explicou.

Para ele, a licitação do metrô visa o lucro do empresário. “A PPP (parceria público privada) de BH é mais agressiva do que a do Rio de Janeiro. Ela garante ao empresário, no contrato da concessão, o lucro. Pois ele terá garantido que vai transportar um número X de passageiros por dia. Caso isso não aconteça, o governo garante o dinheiro das passagens das pessoas restantes”, completou.

O outro motivo apresentado por Romeu Neto é a falta de diálogo com a categoria. Os funcionários estão preocupados em serem demitidos, como aconteceu na capital carioca. Uma reunião foi marcada para quarta-feira no Ministério Público do Trabalho (MPT) para falar sobre o projeto de privatização e também para o governo explicar como ficará a situação dos empregados. “A paralisação também é por esse motivo. Vamos nos concentrar na Praça das Estação e caminhar até a sede do MPT”, disse.

Em nota, a Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop), em fevereiro de 2011, o Governo Federal, por meio da Secretaria Nacional de Transportes e Mobilidade Urbana do Ministério das Cidades, instituiu o processo de seleção de projetos para o PAC Mobilidade Grandes Cidades, que tem como foco prover investimentos aos sistemas de transporte público coletivo para melhorar a mobilidade urbana nas grandes cidades. Governo do Estado de Minas Gerais submeteu ao processo de seleção do Ministério das Cidades, o Projeto de Revitalização e Ampliação da Rede de Metrô de Belo Horizonte, que foi avaliado e aprovado dentro desse PAC.

Segundo o documento, a proposta apresentada prevê investimentos com recursos da União, do Governo do Estado e da Prefeitura de Belo Horizonte, a serem executados através da METROMINAS, que é vinculada a Setop. A empresa terá de fazer a implantação, construção, operação, manutenção e exploração do transporte metroviário e ferroviário de passageiros da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Conforme a CBTU, a greve, se confirmada, prejudicará cerca de 230 mil passageiros que utilizam diariamente o metrô. Ao todo, 295 viagens deixarão de ser operadas pelo sistema.


Publicidade