Publicidade

Estado de Minas

Helicóptero perde motor de cauda ao aterrissar e fecha Aeroporto Carlos Prates

Na aeronave estavam três pessoas que não ficaram feridas. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai investigar o que causou oacidente


postado em 19/12/2013 17:25 / atualizado em 19/12/2013 16:40

Um piloto e dois alunos da Escola de Pilotagem (EFAI) levaram susto na tarde desta quinta-feira. Os três estavam dentro de uma aeronave que teve problemas no Aeroporto Carlos Prates, Região Noroeste de Belo Horizonte. Uma das pás da aeronave tocou o cone de cauda e o motor acabou rompendo. Ninguém ficou ferido. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) vai investigar o que causou o acidente. O terminal ficou fechado para pousos e decolagens uma hora e 22 minutos.

De acordo com João Bosco, diretor da Efai, a pane aconteceu durante uma aula de instrução de voo. “Foi um incidente de instrução. São coisas que não gostamos que aconteça mais que a gente sabe que acontece. A aeronave chegou com pouca rotação ao tocar o solo. As pás têm um abatimento comum durante o pouso. Ao tocar no solo com muito pouca rotação, a pá sofreu um impacto maior e tocou no cone de cauda. Com isso, o eixo do motor de cauda acabou rompendo”, explica.

As três pessoas que estavam no Helicóptero Esquilo, prefixo PT HLU, não sofreram ferimentos. “Graças a experiência do piloto, não tivemos grandes prejuízos e nenhum dano às pessoas que estavam no helicóptero”, diz Bosco. A aeronave foi retirada da pista e encaminhada para um hangar do Aeroporto Carlos Prates.

De acordo com a Infraero, o aeroporto ficou fechado para pousos e decolagens das 15h03 até às 16h25.

Em agosto de 2008, um helicóptero AS 50 Esquilo também caiu na cabeceira do Aeroporto Carlos Prates. João Bosco era quem pilotava a aeronave na ocasião. Ele e um aluno ficaram feridos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade