Publicidade

Estado de Minas

Terreno que vai abrigar Catedral Cristo Rei ganha pinturas de estudantes de design


postado em 30/06/2013 07:18 / atualizado em 30/06/2013 07:21

(foto: Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)
(foto: Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)

Enquanto o mais recente projeto do arquiteto Oscar Niemeyer em Belo Horizonte não fica pronto, outros artistas dão cor e forma ao canteiro de obras. Alunos do curso de design gráfico da Universidade Fumec terminam hoje os desenhos nos tapumes que cercam o espaço onde será erguida a Catedral Cristo Rei, na Avenida Cristiano Machado, altura do Bairro Juliana, Região Norte da capital. A pedido da Arquidiocese de Belo Horizonte, os grafiteiros levam a arte urbana para o templo católico em construção, ainda sem data para ser inaugurado.

“É uma oportunidade mais que especial de criar uma obra que vai dar lugar a uma construção de Niemeyer”, afirma Sergei Silva, de 27 anos. O artista começou a soltar a criatividade desenhando uma árvore com folhas amarelas que representa o nascimento da Catedral Cristo Rei. Feliz com o apoio da Igreja Católica, ele espera que as pessoas se sintam tocadas de alguma forma pelo seu trabalho.

Mesmo com pressa, a faturista Cristina dos Santos Guedes, de 24, parou para reparar nos desenhos que ocupavam o tapume azul. “O grafite é uma arte interessante, pois não é aquela que suja a rua, mas mostra pensamento de quem faz”, opina. Por sorte, a obra não vai ser vista apenas por quem passar pela movimentada avenida. A professora de cinema Magda Rezende, criadora do grupo “Grafite em movimento”, do qual os estudantes fazem parte, filmou e fotografou o passo a passo para fazer filme de animação que será projetado em agosto na fachada de prédios de BH. Apesar de não ter definido as datas, ela adianta que está confirmada a exibição nas praças da Liberdade e da Bandeira.

O estreante César Batista, de 20, confessa que ficou apreensivo ao saber da primeira missão, pois considera uma responsabilidade deixar sua marca no tapume da futura catedral, com 170 metros de extensão. “Cada um fica livre para fazer o que quiser, a única preocupação é encaixar os desenhos”, explica. César optou por fazer plantas coloridas e espera que a reação dos transeuntes seja positiva. Thiago Antunes Martins, de 24, também é novato e está animado com a oportunidade. “Além de deixar nossa arte no muro, vamos contribuir para termos uma cidade mais bonita”, diz. A intenção dele é fazer um desenho divertido e que seja agradável de ver, por isso decidiu dar destaque a um coelho em preto e branco.

Até o mais experiente da turma sente o peso do trabalho. “É um desafio preencher um espaço tão grande que vai ficar visível para todo mundo”, destaca Ramar Gama, de 27. Filho de artista plástico, o jovem se envolveu com desenhos desde pequeno e por influência do skate e hip hop começou a grafitar. Depois de contar que Oscar Niemeyer sempre foi uma inspiração, ele completa que planejou fazer formas com bastante movimento, ligando seu trabalho ao do arquiteto carioca.

Não há previsão para a conclusão das obras da Catedral Cristo Rei, que ainda estão na etapa de terraplanagem. De acordo com a Arquidiocese de Belo Horizonte, o prazo depende do ritmo de doações.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade