Publicidade

Estado de Minas

Polícia investiga motorista que causou grave acidente na BR-040, em Nova Lima

Mesmo sem ter em mãos boletim da PRF sobre acidente que matou jovem, delegada deve abrir apuração hoje


postado em 07/05/2012 07:11 / atualizado em 07/05/2012 07:12

(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)
(foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A Press)

As investigações em torno do acidente provocado pelo comerciante Marcus Vinícius Claudino Fonseca, de 29 anos, em que uma pessoa morreu, devem iniciar-se nesta segunda-feira na Delegacia Especializada de Acidentes de Veículos (Deav), caso esteja finalizado o Boletim de Acidente de Trânsito da Polícia Rodoviária Federal. O prazo para o agente da PRF concluir o documento termina na quarta-feira, conforme normas internas da corporação. Marcus Vinícius, que apresentava sintomas de estar sob efeito de álcool na hora do desastre, na manhã de sábado, não fez o teste do bafômetro, por estar ferido. Não tendo como confirmar que ele dirigia embriagado, os policiais rodoviários não encaminharam o caso ao plantão policial do Detran e ele sequer foi ouvido sobre o caso.

O acidente ocorreu no Km 547 da BR-040, próximo ao Viaduto da Mutuca, em Nova Lima, na Grande BH. Ao volante do Fiat Stilo placa HJR 1053, o comerciante seguia no sentido Rio/BH, com três passageiros. Duas jovens estavam com parte do corpo para fora do carro, quando o motorista passou por uma viatura da PRF. O agente rodoviário chegou a fazer um retorno e foi atrás do Stilo, mas Marcus bateu num taxi e capotou várias vezes antes da abordagem.

A passageira Nathalia Azeredo Coutinho e Rosa, de 27, morreu no local. O corpo dela foi cremado domingo à tarde. Marcus e a passageira Bárbara Araújo Cruz, de 25, sofreram ferimentos leves. Rodolfo Alves Filgueiras Nunes, de 31, que viajava no banco de trás ao lado de Nathalia, seguia internado num hospital particular.

PROVAS

A delegada Rosângela Tulher, que no sábado estava no plantão policial do Detran, disse que enviou uma equipe ao Hospital de Pronto-Socorro João XXIII (HPS) para localizar Marcus Vinícius, mesmo sem ter recebido cópia do boletim de ocorrência da PRF. “Tomamos conhecimento do acidente e demos início aos procedimentos para apurar. No HPS, nos informaram que ele receberia alta somente à noite. Quando nosso agente retornou ao hospital, no começo da noite, ele já havia sido liberado pelos médicos”, estranhou a delegada.

Para a policial, apesar de o comerciante não ter sido submetido ao exame do bafômetro, existiam elementos que apontavam para o cometimento do crime. “Havia provas testemunhais de que ele apresentava sintomas de estar alcoolizado, além do fato de dirigir em alta velocidade de forma imprudente. Nesses casos, em que o motorista assume o risco de provocar o acidente, há o dolo eventual. Se ficasse comprovado, ele seria preso em flagrante”, destacou.

No dia 6 do mês passado, um jovem que se envolveu numa batida na Rua Jacuí, no Bairro Ipiranga, Região Nordeste da capital, mesmo sem fazer o teste do bafômetro foi atuado em flagrante, com base em outros elementos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade