Publicidade

Estado de Minas

Defensor extrapola e é punido no julgamento de Bola

Após série de provocações, advogado tem palavra cassada. Defesa não mostra alegada fraude


postado em 26/04/2013 06:00 / atualizado em 26/04/2013 06:48

No quarto dia do julgamento do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, acusado de matar Eliza Samudio, ex-amante do goleiro Bruno Fernandes, a defesa não conseguiu avançar na pretensão de desqualificar as investigações policiais e sofreu um revés, ao ter cassada a palavra do advogado Ércio Quaresma. A decisão da juíza Marixa Fabiane de fazer calar o principal defensor do réu ocorreu após uma sucessão de provocações ao delegado licenciado Edson Moreira, atualmente vereador em BH, testemunha que prestava depoimento desde a quarta-feira. O promotor Henry Vasconcelos chegou a ameaçar deixar o salão do júri diante de perguntas que foram consideradas pelo Ministério Público ataques pessoais ao depoente. Antes disso, advogado e promotor chegaram a trocar agressões verbais.


Apesar de também ameaçar abandonar o julgamento após a decisão da magistrada, a defesa continuou a inquirir o policial por iniciativa do advogado Fernando Magalhães, que, bem mais moderado, não acuou o já tenso delegado. Magalhães, porém, não conseguiu expor por meio do interrogatório o que os defensores anunciavam como um de seus principais trunfos: uma suposta manipulação dos relatórios de cruzamento de ligações telefônicas de acusados, entre eles Bola.

“Não consigo entender de onde a defesa vai partir para apontar vícios naquele levantamento”, disse Henry Vasconcelos ao falar sobre o argumento de fraude. O promotor, depois da sessão, admitiu que a defesa havia avançado no primeiro dia do interrogatório do delegado Moreira, mas considerou que ontem houve retrocesso. “O MP neutralizou a defesa nas indagações à testemunha e também pelo desequilíbrio de um dos defensores”, ironizou.

O advogado Fernando Magalhães, que na sessão do júri requisitou novas diligências na casa de Bola, admite que a negativa da juíza Marixa Fabiane pode prejudicar seu cliente. “Nos autos, o então adolescente afirma que o ambiente estava escuro. Feche os olhos por cinco segundos num local escuro e ao abrir veja se é possível enxergar”, desafiou o advogado. “Como Jorge pode ter visto Eliza espumando pela boca no escuro?” Fernando criticou o depoimento de ontem de Moreira: “É difícil explorar as declarações de uma autoridade que desconhece o processo”. Ele alegou não ter explorado a questão da manipulação dos relatórios das ligações de celular devido à postura do depoente, que estava tenso. Mas afirmou que a questão estará presente nos debates ou em novo interrogatório.

O delegado vai permanecer à disposição da Justiça, isolado, caso precise ser reinquerido. Ontem terminou a fase de depoimentos de testemunhas e hoje o júri deve ser retomado com a leitura de peças processuais.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade