Publicidade

Estado de Minas

Polícia segue três de 20 versões sobre morte do primo do goleiro Bruno

Investigadores acreditam que assassinato de Sérgio Rosa Sales foi ação profissional


postado em 24/08/2012 06:00 / atualizado em 24/08/2012 08:13

Frederico Abelha investiga queima de arquivo, vingança ou tráfico (foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press - 01/3/10)
Frederico Abelha investiga queima de arquivo, vingança ou tráfico (foto: Beto Magalhães/EM/D.A Press - 01/3/10)


A Polícia Civil já ouviu 20 versões para a execução de Sérgio Rosa Sales, de 24 anos, primo do goleiro Bruno Fernandes, mas o delegado responsável pelo inquérito, Frederico Abelha, disse ontem que vai seguir apenas três linhas de investigação: queima de arquivo devido ao processo do desaparecimento e morte da ex-amante do goleiro Eliza Samudio, a que Sérgio respondia na Justiça com outros sete acusados; envolvimento com o tráfico de drogas; e vingança devido a uma suposta briga durante uma partida de futebol. “A cada hora surge uma história diferente e estamos checando o que há de verdade. Não temos nenhum suspeito. A equipe está orientada a convocar para depoimento qualquer pessoa que tenha algo relevante para falar”, disse Abelha.

Policiais civis descaracterizados se infiltram ontem no velório e sepultamento de Sérgio, no Cemitério da Saudade, na Região Leste de Belo Horizonte, numa tentativa de obter informações com a família e amigos para esclarecer o crime. Sérgio foi assassinado com seis tiros na manhã de quarta-feira, no Bairro Minaslândia, Região Norte da capital, quando saía de casa para trabalhar. Ele era considerado uma testemunha-chave no caso Bruno e havia conseguido liberdade condicional há um ano. Bruno permanece preso na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Grande BH.

Segundo informações de policiais civis, a família de Sérgio não está colaborando com as investigações por medo de vingança e receio de prejudicar o goleiro. “Quem matou Sérgio foi um ex-policial civil e a família sabe disso. Ele ameaçou matar a família inteira do Bruno, a começar pelas filhas, se o nome dele fosse divulgado”, disse uma pessoa ligada à família de Sérgio, que pediu para não ser identificada. O ex-policial seria José Lauriano de Assis Filho, o Zezé, acusado por advogados de intermediar a contratação do ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, para quem teria ligado 23 vezes no dia da morte de Eliza. “Até eu, que não tenho nada a ver com essa história, estou morrendo de medo”, acrescentou.

Estaca zero

Para a Polícia Civil, Sérgio acabou prejudicando o goleiro Bruno quando prestou seu primeiro depoimento. “Ele disse que viu Eliza sendo agredida no sítio do Bruno e depois ainda ajudou os policiais quando eles foram ao local. Ele mostrou onde os pertences de Eliza foram queimados, para apagar vestígios da passagem dela pelo sítio, e também mostrou o quarto onde ela foi mantida em cárcere privado. Para a cabeça de muitos, aquilo foi uma delação”, afirmou um policial que trabalhou no caso e que pediu para não ser identificado.

Para a polícia, quem matou Sérgio é um profissional que não deixa pistas. “Foi uma execução. A pessoa fez o serviço muito bem feito e usou um revólver calibre 38, que não deixa capsulas para trás. Se fosse uma pistola, por exemplo, poderia facilitar a identificação da arma depois”, disse o policial. Imagens de uma câmara de segurança, instalada na rua onde Sérgio foi morto, foram analisadas, mas pouco ajudaram, segundo o policial. “O autor usava capacete e não deu para ver a placa da moto. Apesar de ser 7h, quando muita gente está a caminho do trabalho ou da escola, a rua estava deserta no momento e não temos testemunhas”, acrescentou.

O chefe do Departamento de Investigações da Polícia Civil, delegado Wagner Pinto de Souza, afirmou que a investigação está na estaca zero. “Estamos trabalhando, mas não temos novidades”, disse. Ontem à tarde, ele enviou uma equipe ao Bairro Minaslândia para apurar informação de que Sérgio havia se envolvido numa briga durante uma partida de futebol, o que poderia justificar uma possível vingança. Outra notícia é que Sérgio estaria se relacionando com uma mulher casada. “Vamos apurar tudo”, disse Wagner Pinto. O delegado Frederico Abelha começa hoje a ouvir parentes de Sérgio e outras pessoas que possam ter informações relevantes para a elucidação do caso.

Bruno chora

O advogado Francisco Simim visitou ontem o goleiro Bruno na prisão e disse que seu cliente está abalado com a morte do primo. “Ele chorava muito e dizia que Sérgio era mais do que primo para ele, que era um irmão. Afirmou que os dois cresceram juntos e que levou Sérgio para morar com ele no Rio. Para Bruno, a morte de Sérgio é um caso isolado e não tem nada a ver com o processo”, acrescentou Simim. Segundo o defensor, o goleiro chegou a pensar em ir ao enterro, mas desistiu por causa da burocracia para conseguir permissão e também pensou na sua própria segurança.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade