Publicidade

Estado de Minas

Policial que teria ameaçado Ingrid já tem retrato falado


postado em 30/06/2011 06:00 / atualizado em 30/06/2011 07:49

O Instituto de Criminalística de Belo Horizonte fez um retrato falado de um suposto policial civil que teria ameaçado a dentista Ingrid quando ela aguardava para visitar o noivo na prisão. O homem, que se identificou como Leandro, teria, de acordo com denúncias de Ingrid, a ameaçado depois de ela ter recusado o alegado negócio envolvendo o habeas corpus. Ela sustenta ter ouvido a proposta da juíza Maria José Starling, de Esmeraldas, e do advogado Robson Pinheiro, ao custo de R$ 1,5 milhão para soltar Bruno, motivo da audiência na Assembleia. Tanto a magistrada quanto o defensor negam qualquer envolvimento.

Ingrid e Dalledone deixaram a Assembleia escoltados por policiais do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate). Eles estiveram primeiro na Corregedoria Geral da Polícia Civil, no Centro de Belo Horizonte, onde a dentista prestou depoimento e tentou reconhecer o suposto policial em álbuns de fotografias de servidores públicos. Como não conseguiu apontar ninguém, o ouvidor de polícia Paulo Alkimim decidiu pelo retrato falado na Criminalística, que foi feito em três horas. Uma cópia foi encaminhada à Corregedoria Geral da Polícia Civil para investigação. Dalledone não descarta a hipótese de o suspeito ser um ex-policial, que andaria armado e apresenta carteira funcional antiga. Ingrid retornou ao Rio, acompanhada de irmãos.

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade