Publicidade

Estado de Minas

Digital influencer Ada Marselha relembra morte da filha e afirma que sofrimento a fez amadurecer


29/03/2021 12:33

Ana Lídia de Souza Gomes foi assassinada por um serial killer de Goiânia em 2014; após seis anos, sua mãe conta como superou a perda com a ajuda do espiritismo, do trabalho e das redes sociais

Perder um filho é a maior dor que uma mãe pode sentir. A digital influencer Ada Marselha conheceu de perto essa dor ao ter sua filha de 14 anos assassinada por um serial killer e só conseguiu superar essa grande perda com a ajuda do espiritismo, do trabalho e das redes sociais, onde recebeu consolo e também consolou outras mulheres que enfrentavam esse momento.

Ana Lídia de Souza Gomes levou três tiros em um ponto de ônibus, sendo a última vítima de um assassino em série que matou 42 pessoas em Goiânia no ano de 2014. "Quando tudo aconteceu, meu filhos, a Ana Lídia e o Caio, moravam com a avó, que é minha ex-sogra e por quem eu tenho um grande carinho e uma grande gratidão, porque ela me recebeu também na casa dela enquanto eu fui casada com o pai deles, desde os 19 anos", explicou Ada.

Segundo ela, nos finais de semana a filha ficava em sua casa e gostava de ajudá-la na feira, onde a influenciadora trabalhava vendendo roupas e acessórios na barraca da irmã e de uma amiga. "Ela era muito faladeira, extrovertida e pedia para ir junto com a gente. Me lembro que ela pegou ônibus sozinha uma ou duas vezes e no final de semana que tudo aconteceu, em agosto de 2014, minha irmã foi buscá-la na sexta-feira porque a gente ia para feira muito cedo no sábado, mas ela não quis e disse que iria no sábado com o tio. No final das contas ele não veio e ela decidiu pegar o ônibus", relembrou.

Foi no ponto de ônibus que a adolescente foi atingida por três disparos e morreu no local. Logo após o crime, Ada recebeu uma ligação do celular da filha informando sobre um acidente, foi até o local e viveu o pior momento de sua vida. "Foi um desespero, uma gritaria, um dor que eu nunca pensei que fosse sentir. A tristeza tomou conta de mim, eu dizia que nunca mais voltaria a sorrir. Deixei meu emprego na época como gerente de loja, tive um início de depressão e perdi dez quilos. Tive que tomar remédio para dormir, para acordar, para comer. Fiquei muito debilitada", conta a goiana.

Foram seis meses de sofrimento, até que Ada foi convidada para visitar um centro espírita e foi lá que ela iniciou seu processo de recuperação. "Eu me senti muito bem lá e comecei a me interessar pelo assunto. Estudei três anos sobre espiritismos, fiz todos os cursos que o centro oferecia, fiz parte do grupo de doações que ia até a casa de pessoas carentes para entregar cestas básicas e durante esse período conheci outras mães que perderam seu filhos. Tudo isso foi me fortalecendo, me dando conforto".

Nesse período, Ada ingressou no universo das redes sociais para contar suas experiências, sua superação e também para apoiar outras pessoas que viviam a mesma dor. "Eu comecei a compartilhar o que eu sentia e a ajudar muitas mães, levei algumas delas para o centro e segui com essa obra assistencial por três anos".

Superação

Após reunir as forças que precisava, Ada voltou a trabalhar ao abrir uma loja de roupas fitness em sociedade com uma amiga. "Ficamos um ano com essa loja e foi muito bom, aprendi muito. Depois de tudo não trabalhei mais para os outros. Sempre digo nas minhas redes sociais que as vezes precisa acontecer algo muito forte para dar uma chacoalhada na gente, para mudar a vida da gente, seja para você abrir seu próprio negócio, para amadurecer ou para se tornar um ser humano melhor", pontuou.

A influenciadora destaca que nada acontece por acaso e que a perda da filha serviu para que ela transformasse sua vida. "Foi para eu acordar, conquistar minha independência. Hoje não tenho medo de nada, não tenho medo de enfrentar qualquer obstáculo. O sofrimento nos amadurece, ele é necessário muitas vezes".

Ada afirma que, depois de todo esse processo de transformação, hoje se considera uma mulher extremamente realizada e feliz. Com quase 300 mil seguidores no Instagram, atualmente ela se destaca na Internet por suas postagens sempre bem humoradas e pela força que transmite. "Eu voltei a ser a Ada que eu era, extrovertida, que gosta de sorrir, de trabalhar e de ajudar outras pessoas. Penso na minha filha todos os dias e isso nunca vai mudar, mas sei que ela é que me dá forças para seguir aqui, fazendo o que eu faço, conquistando meu sonhos", concluiu.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade