Publicidade

Estado de Minas

Instituto Nossa Missão desenvolve trabalho com apátridas na República Dominicana


postado em 07/07/2020 11:49

Dominicanos apátridas protestam pelo direito à cidadania  Foto: Reprodução
Dominicanos apátridas protestam pelo direito à cidadania Foto: Reprodução

Do Brasil para o mundo: Em 2019, quatro amigos se reuniram com o objetivo de cuidar de pessoas vulneráveis e em situação de risco, realizando obras de caridade em Brasília. Assim surgia o Instituto Nossa Missão, que hoje atua no Distrito Federal cuidando de menores e na República Dominicana em um trabalho desenvolvido com apátridas naquele país.

Erika Helenn, diretora do Instituto, revela um pouco da história do Instituto: "Motivados por preceitos e valores cristãos, nos unimos em prol daqueles que estão à margem da sociedade. Por isso a logo do Instituto possui quatro corações: um verde que simboliza esperança e saúde, um azul que passa serenidade, harmonia e amizade, um amarelo simbolizando otimismo e alegria e um coração laranja simbolizando sucesso, e por fim a cor branca da paz.

Atuação Internacional

Os diretores do Instituto Nossa Missão vão à República Dominicana a cada 4 meses para levar mais doações e ficarem mais próximos desse projeto, que começou durante a primeira visita de Erika Helenn e seu esposo Fause Nabil El Haje ao país caribenho: "presenciamos o preconceito e a segregação étnica, manifestos no racismo e na discriminação que afeta dominicanos de ascendência haitiana e os haitianos que vivem naquele país. Muitos meninos e meninas, que nasceram nas províncias da República Dominicana, quando tentam tirar seu registro civil para obter a sua cédula de identidade, os oficiais lhe negaram porque seus pais eram haitianos, negando-lhes os direitos civis", relata a diretora do Instituto.

Segundo a ONG, apesar de o Estado dominicano reconheceu como cidadãos dominicanos, os filhos e filhas nascidos em seu território de pais estrangeiros, sem importar seu status migratório, essas pessoas se depararam com uma sentença do Tribunal Constitucional da República Dominicana que transformou da noite para o dia mais de 200 mil pessoas sem pátria.

Segundo dados da Anistia Internacional, a República Dominicana está entre os cinco países do mundo com mais pessoas apátridas: cerca de 250.000, por serem descendentes de haitianos.

Projeto Filhos do Acaso

O projeto Filhos do Acaso, desenvolvido pelo Instituto Nossa Missão na República Dominicana consiste em atender as crianças apátridas e suas famílias descendentes de haitianos ou haitianos imigrados recentemente para lá em situação de extrema pobreza e vulnerabilidade social: "Essas famílias vivem em casas feitas de latas, onde não há o mínimo de saneamento básico e nem consumo de água potável", relata Erika.

Como ajudar?

O Instituto Nossa Missão entrega cestas básicas para essas famílias, doação de roupas e calçados principalmente para as crianças, vitaminas, kit dental e sabonete para higiene das mãos antes das refeições e após fazerem suas necessidades fisiológicas. Também fazem a doação de anticoncepcionais para as mulheres da comunidade, atuando no planejamento familiar.

Para fazer doações é possível entrar em contato pelo site http://www.institutonossamissao.com.br

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade