Publicidade

Estado de Minas

Restaurantes de Lourdes enfrentam com trabalho o trauma do temporal

Olga Nur, Koctus Pizza, Glouton, Tizé e Osso retomam a rotina, oferecendo cardápios com a preferência dos clientes. 'Voltamos com força total', avisa Gael Paim, do Baixo Lourdes


postado em 10/02/2020 04:00

(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press )
(foto: Marcos Vieira/EM/D.A Press )
A união faz a força. O velho ditado resume bem o que vem ocorrendo com restaurantes e bares no Bairro de Lourdes, point gastronômico de BH duramente castigado pelo temporal que caiu sobre a cidade na noite de 28 de janeiro, trazendo alagamentos e prejuízos. Olga Nur, Koctus Pizza, Glouton, Tizé, Kei, Baixo Lourdes e Osso arregaçaram as mangas e reabriram as portas. Uns ajudaram os outros a se reerguer, emprestando mesas, cadeiras e utensílios.

Ricardo Koctus, baixista da banda Pato Fu e proprietário da Koctus Pizza, perdeu sofás, cadeiras e também alimentos perecíveis, devido à falta de energia elétrica. “Só pude reabrir na sexta-feira, 7 de fevereiro. Felizmente, voltamos a funcionar e o movimento foi maior do que eu esperava. Agora é tocar o barco e seguir em frente”, diz.
Dono da pizzaria batizada com seu nome, Ricardo Koctus diz que a casa retomou seu movimento(foto: Fotos: Marcos Vieira/EM/D.A Press)
Dono da pizzaria batizada com seu nome, Ricardo Koctus diz que a casa retomou seu movimento (foto: Fotos: Marcos Vieira/EM/D.A Press)

No cardápio de Koctus se destacam a Marguerita, com farinha italiana, molho de tomate italiano pelati, muçarela de búfala, tomate e pesto de manjericão (R$ 46,50, seis fatias), a pizza de abobrinha, com molho de tomate italiano pelati, muçarela de búfala, abobrinha, alho-poró e azeite trufado (R$ 46,50)  e o sabor mortadela, com molho de tomate italiano pelati, muçarela de búfala, mortadela e pesto de pistache (R$ 55,50).

“É bom lembrar que nem todos usam farinha italiana, molho de tomate italiano pelati e muçarela de búfala como a gente”, afirma Ricardo, que prepara suas pizzas seguindo a tradicional receita napolitana.

O chef Léo Paixão, proprietário do Glouton, teve mesas e cadeiras levadas pela enxurrada. “Não adianta reclamar dos prejuízos, abrimos normalmente já no dia seguinte. Não podíamos nos esquecer dos clientes que trabalham nesta região e de quem vem de outras cidades comer aqui”, afirma. “Devemos fazer o nosso trabalho da melhor forma possível. É grande a responsabilidade em relação às pessoas que trabalham conosco e aos clientes. Também é importante cobrar das autoridades competentes medidas que evitem novos problemas.”
Entre os destaques do cardápio do Glouton estão a Asinha de Porco ao molho de vinho, com angu de milho-verde, ora-pro-nóbis, quiabo e farofa crocante (R$ 79), o Dourado do Mar em crosta de amendoim com pupunha e banana-da-terra (R$ 85) e o tortelli de moranga, com cogumelos frescos na manteiga de maria-gondó (R$ 73).

O japonês Kei perdeu toldo, cadeiras, mesas e plantas, mas reabriu no dia seguinte à tempestade. “Nunca vi nada parecido, mas estamos todos trabalhando, com o movimento voltando aos poucos”, diz Érica Vilaça, proprietária da casa. Gilson Judice, sócio dela, afirma que a temporada de chuva tem afastado alguns clientes, mas acredita que o movimento se normalizará em breve.

Entre os pratos mais pedidos do Kei estão Rainbow Roll, roll de salmão, abacate e camarão (R$ 45, oito unidades), a Dupla de Vieira, com foie gras (R$ 29), e a Robata Mix, com frutos do mar (R$ 46).

O chef Max Catolino já recebe os clientes do Olga Nur, obrigado a fechar por seis dias
O chef Max Catolino já recebe os clientes do Olga Nur, obrigado a fechar por seis dias
REFORMA 

Sócio do bar Tizé e do Restaurante Olga Nur, Matheus Mourthé lembra que o susto foi grande durante o temporal de janeiro. Da varanda e do salão do Olga, viam-se carros levados pela enxurrada na Rua Curitiba.

“O Tizé foi reaberto no dia seguinte, pois não tivemos maiores problemas lá. Já o Olga Nur sofreu consequências maiores, mas fizemos uma boa reforma e na terça-feira seguinte já estávamos de portas abertas. Ficamos apenas seis dias fechados”, conta Mourthé.

Max Catolino, chef do Olga Nur, destaca três pratos tradicionais da casa: filé grelhado ao molho roti com aligot (R$ 64), o cordeiro malbec, com cítricos em conserva, espuma de laranja e creme de batata trufado (R$ 78) e o Salmão Unilateral, servido com purê de batata-doce roxa, aspargos, molho de laranja e espuma de coentro (R$ 76).

Gilson Judice, sócio do Kei, conta que a casa abriu no dia seguinte à tempestade
Gilson Judice, sócio do Kei, conta que a casa abriu no dia seguinte à tempestade
Solidariedade dos vizinhos

O restaurante Baixo Lourdes perdeu mesas, cadeiras, pratos, geladeiras e até panelas, conta o proprietário, chef Gael Paim. “Nossas mesas e cadeiras ficam no mesmo nível do passeio, assim como a cozinha. O susto foi tremendo, contei com a ajuda de vários comerciantes daqui de Lourdes. Tive que comprar tudo de novo. Ficamos três dias fechados, mas voltamos com força total. O povo ainda está meio retraído devido às fortes chuvas que vêm caindo na cidade, mas os clientes voltam devagarinho.”

Os pratos mais pedidos da casa são a Porchetinha do Gael, barriga de porco desidratada à pururuca acompanhada de tartare de banana, couve e limão (R$ 28), o filé-mignon com batatas fritas, vinagrete de maçã, farofa de bacon e chips de banana (R$ 46/300g; R$ 65/500g) e o croquete de brisket (R$ 35/cinco unidades; R$ 23/três).

Djalma Victor, chef do restaurante Osso, conta que fechou por um dia, pois mesas e cadeiras se perderam. “Pegamos material emprestado com amigos e de uma outra casa nossa, a Rotisseria Central, e conseguimos refazer o espaço”, orgulha-se. “No fim da semana passada, o movimento já foi bom. Agora é levantar a cabeça e correr atrás do prejuízo”, diz.

Os pratos mais pedidos do Osso são Filé Angus a Cavalo, acompanhado de arroz cremoso de cogumelos e tutano
(R$ 68), Canelinha de Leitão, com risoto de funghi e caramelo roti (R$ 58) e o Steak Tartare de Wagyu, servido com tutano e chips de batata-doce (R$ 45).

PORTAS ABERTAS

BAIXO LOURDES
Rua Gonçalves Dias, 1.922, Lourdes, (31) 3024-0302. Abre terça e quarta-feira, das 18h à meia-noite; de quinta a sábado, das 12h à 0h30; e domingo, das 12h às 18h.

GLOUTON
Rua Bárbara Heliodora, 59, Lourdes, (31) 3292-4237. Abre de segunda a quinta-feira, das 19h às 23h30; sexta, das 12h às 15h e das 19h à 0h30; e sábado, das 12h às 16h e das19h à 0h30.

KEI
Rua Bárbara Heliodora, 54, Lourdes, (31) 2555-9090. Abre de segunda a quarta-feira, das 18h à meia-noite; quinta e sexta, das 18 à 1h; sábado, das 13h à 1h; e domingo, das 13h 
à meia-noite.

KOCTUS PIZZA
Rua Marília de Dirceu, 159, Lourdes, (31) 3243-8067. Abre de quarta-feira a domingo, das 18h às 23h30.

OLGA NUR
Rua Curitiba, 2.202, Lourdes, (31) 3566-1851. Abre de terça a quinta-feira, das 12h às 15h e das 19h à meia-noite; sexta e sábado, das 12h à 1h; e domingo, das 12h às 18h.

OSSO
Rua São Paulo, 1.984, Lourdes, (31) 3292-8235. Abre de terça a quinta-feira, das 11h45 às 15h e das 17h45 à 0h30; sexta e sábado, das 11h45 à 1h; e domingo, das 12h às 18h.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade