Publicidade

Estado de Minas

Restaurante Escola do Senac oferece uma viagem aos sabores de Minas

Instalado no Centro de BH, espaço gastronômico serve pratos típicos de todas as regiões mineiras. O cardápio das sextas-feiras de novembro é dedicado à Zona da Mata


postado em 08/11/2019 04:00 / atualizado em 06/11/2019 15:43

Chef Michel Abras valoriza receitas caseiras e cadernos de culinária das vovós(foto: Fotos: Leandro Couri/EM/D.A Press )
Chef Michel Abras valoriza receitas caseiras e cadernos de culinária das vovós (foto: Fotos: Leandro Couri/EM/D.A Press )
Com a proposta de valorizar a história dos sabores mineiros, o cardápio do Restaurante Escola do Senac homenageia, a cada mês, uma região do estado. O projeto resgata receitas e ingredientes dos primórdios da culinária de Minas. “O objetivo é aproximar o cliente das raízes, tradições e da nossa cultura alimentar, além de mostrar a sua diversidade gastronômica”, afirma Vani Fonseca, especialista em pesquisa gastronômica do Senac e responsável pela mentoria do espaço, que funciona no Centro de BH.

As sextas-feiras são dedicadas especialmente à gastronomia da região contemplada. Nos demais dias da semana, o cardápio é mais diversificado. Porém, em todos os dias é oferecida degustação de produtos típicos. “A pessoa se sente como se estivesse almoçando no interior”, garante Vani.

O Programa Primórdios da Cozinha Mineira tem duas vertentes. “Uma é o conhecimento do que a gastronomia de Minas oferece, por meio de pesquisa científica. A outra busca os modos de fazer as receitas adotadas em cada território e os alimentos utilizados, com o propósito de entender o diferencial de cada região. Chegamos à conclusão de que a cozinha mineira não é só o que vemos por aí. Ela é muito mais complexa, primorosa e rica.”

Vani conta que o projeto tem boa aceitação. “Isso porque usamos aqui receitas familiares de todo o estado, vindas tanto de livros publicados quanto de cadernos caseiros. Ou seja, há pratos oriundos de várias regiões”, explica. “As pessoas estão se reconhecendo, pois cada prato chama à memória. O arroz de forno é um exemplo disso.”

Outra vertente do programa são os cursos de gastronomia ligados às tradições culinárias mineiras. “Fazemos da comida uma fonte de pesquisa científica”, reforça Vani Fonseca.
SOBREMESA DE JAMBO
SOBREMESA DE JAMBO

PEDAGOGIA 
O chef Michel Abras explica que os alunos do restaurante escola tanto são garçons, aprendendo a servir mesas, quanto aprendizes da cozinha. “Minas tem uma gastronomia muito forte. Depois que a Unesco deu a BH o título de Cidade Criativa da Gastronomia, ficamos mais fortes ainda. Estamos trazendo para cá a comida mineira, mas aquela que foge um pouquinho do viés modinha, do midiático, do tutu-costelinha-e-canjiquinha”, observa.

É fundamental valorizar os saberes domésticos. “Várias de nossas receitas vêm de caderninhos, aqueles da vovó mesmo, escritos a mão, meio engordurados. A gente tenta trazer para o cliente o resgate de uma memória afetiva, de algum preparo que ele, na infância, viu na casa da avó ou de um parente”, explica o chef.
ENSOPADO
ENSOPADO

ZONA DA MATA 
Em outubro, o Restaurante Escola do Senac homenageou o Norte de Minas. Nas sextas-feiras deste mês de novembro é a vez das delícias da Zona da Mata. Dezembro será dedicado ao cardápio mineiro das festividades de fim de ano. “Queremos nos tornar referência na culinária mineira também para turistas e visitantes”, conta Abras.

O sistema é self service (R$ 35/kg), com bufê aberto. São seis opções de salada, três de proteínas, cinco de guarnições de acompanhamento e seis de sobremesa. “Valorizamos receitas tradicionais, como pudim de leite condensado, pé de moleque, olho de sogra, bombocado e doces em compota”, completa o chef. Plaquinhas divulgam as receitas, indicando a pessoa homenageada e sua cidade.

RESTAURANTE ESCOLA DO SENAC
Rua Tupinambás, 1.038, Centro. Informações: (0800) 724-4440. Abre de segunda a sexta-feira, 
das 11h30 às 14h30.


Publicidade