Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Outra dinâmica


postado em 14/12/2018 05:05

(foto: LEO LONGO/DIVULGAÇÃO)
(foto: LEO LONGO/DIVULGAÇÃO)
A banda VANGUART traz seu show acústico a Belo Horizonte
 
Com exceção de um trompete, o Vanguart, que chega nesta sexta (14) a Belo Horizonte para apresentação n’A Autêntica, vai tocar somente cordas. No formato acústico, Hélio Flanders, Reginaldo Lincoln, David Dafré e Fernanda Kostchak releem o repertório da banda em show inédito na cidade.

Há um ano e meio, em pequena apresentação, o grupo testou o formato. “Foi meio um teste, de improviso. Arrisco a dizer que estou gostando mais desse show, porque temos muita liberdade”, comenta Flanders. No palco, o quarteto se assenta bem próximo da plateia. “Ficamos assim até quando a gente aguenta. A verdade é que nunca sabemos como vai acabar. Às vezes, alguém pede uma música. Por vezes, no meio de uma canção, só no olho, mudamos a dinâmica. Ou seja, nunca temos certeza do que vai ser”, continua o vocalista.

Mas algumas coisas são certas. Uma delas é que parte do repertório virá do álbum mais recente do Vanguart, Beijo estranho (2017). O disco, o quarto de estúdio da banda, traz canções solares que têm como base o folk e o rock caipira – essências do grupo mato-grossense. Me pega, lançada este ano e que ganhou versão deluxe do álbum, é uma das novidades do repertório. Nessa música, Flanders divide os vocais com Fernanda, que canta em francês.

“É um show para o público ouvir o Vanguart de outro modo. Como não tem bateria, a melodia e a própria letra ganham outra forma”, diz Flanders. Beijo estranho foi o primeiro disco do grupo desde que o vocalista se aventurou na carreira solo com o belo e pessoal Uma temporada fora de mim (2015).

Bem-sucedido, esse disco pode ter um sucessor em breve. “Estou fazendo um álbum (autoral) em italiano. Talvez lance em 2019, mas ainda não sei o que virá”, diz ele. Seja como for, o Vanguart passou o último fim de semana em estúdio, para um projeto do qual Flanders só vai falar mais pra frente.

São 11 anos desde a estreia em disco (Vanguart, 2007), 13 desde que a banda começou a tocar e 16 desde que Flanders estreou na música. “As modas passaram e a gente nunca pertenceu a elas. Já começamos cantando em português, inglês espanhol. O que nos interessou – sempre – foi o viés poético da canção”, conclui.

“Estou gostando mais desse show, porque temos muita liberdade”
 Hélio Flanders,cantor

VANGUART
Show acústico. Abertura: Julie & Gent. Nesta sexta-feira (14), a partir das 22h. A Autêntica, Rua Alagoas, 1.172, Savassi. Ingressos: R$ 100 (inteira) e R$ 50 (meia).


Publicidade