Publicidade

Estado de Minas CINEMA/ESTREIA

'Jungle Cruise' transforma o Havaí em Brasil com aventura na 'Amazônia'

Longa da Disney estrelado por Dwayne Johnson e Emily Blunt estreia nesta quinta-feira (29/07) nos cinemas e chega na sexta à plataforma Disney+


29/07/2021 04:00 - atualizado 29/07/2021 08:49

Dwayne Johnson e Emily Blunt em cena do longa(foto: Disney/Divulgação)
Dwayne Johnson e Emily Blunt em cena do longa (foto: Disney/Divulgação)


Há um encanto inegável nas atrações clássicas, meio antiquadas, dos parques temáticos da Disney, como a Mansão Mal-Assombrada e o Voo de Peter Pan. Com o sucesso da adaptação de “Piratas do Caribe”, que rendeu mais de US$ 4,5 bilhões (cerca de R$ 23,5 bilhões) em cinco longas, é claro que o estúdio tentaria transformar algum outro brinquedo em cinema. 

aí que entra “Jungle Cruise”, aberto junto com a inauguração da Disneylândia, na Califórnia, em 17 de julho de 1955, e é um passeio de barco por rios da África, Ásia e América do Sul, com um capitão que adora fazer piada de tio. 

O projeto para transformá-lo em filme vem desde 2004, mas começou a tomar forma mesmo quando Dwayne Johnson topou a empreitada, em 2015. Dois anos mais tarde, ele convenceu Emily Blunt para ser seu par. O filme, dirigido pelo espanhol Jaume Collet-Serra, finalmente chega às salas nesta quinta-feira (29/07), e ao Disney+, com pagamento adicional, na sexta (30/07).

Jungle Cruise, o brinquedo, se inspirou no filme “Uma aventura na África” (1951), dirigido por John Huston e estrelado por Katharine Hepburn e Humphrey Bogart. “Jungle Cruise”, o filme, foi buscar referências em clássicos mais recentes, dos anos 1980, como a série “Indiana Jones” e o filme “Tudo por uma esmeralda”. 

"Nós queríamos replicar o mesmo sentimento de aventura", disse Dwayne Johnson. "Emily interpreta uma versão feminina de Indiana Jones, alguém que não é perfeita, mas é aventureira, de espírito livre, cheia de determinação. Ela está realmente à frente do seu tempo."

Blunt, que diz ter visto “Tudo por uma esmeralda”, estrelado por Kathleen Turner, dezenas de vezes quando criança, interpreta a dra. Lily Houghton, uma cientista inglesa que, durante a Primeira Guerra Mundial, vem ao Brasil para embarcar em uma viagem atrás de uma árvore com poderes mágicos. "Ela não se conforma à sua época", afirmou Blunt. "É uma personagem inspiradora para meninas, porque se recusa a se encaixar nos moldes da sociedade e se deixa levar pelo espírito aventureiro." 

BRASIL 

Em Porto Velho, ela contrata o capitão Frank Wolff (Dwayne Johnson), que reproduz no filme as piadas infames ouvidas na atração da Disney. Por conhecer bem a região, ele reluta, mas precisa do dinheiro e acaba aceitando levar Lily e o irmão dela, MacGregor (Jack Whitehall), Amazônia adentro. 

No caminho, eles vão encarar obstáculos, como o príncipe Joachim (Jesse Plemons), que lidera uma expedição concorrente da Alemanha, e Aguirre (Édgar Ramírez), o conquistador que desbravou os rios amazônicos atrás da Árvore da Vida. "Eu não vejo meu personagem como vilão. Há uma razão pela qual ele se tornou um monstro", diz Ramírez. 

A atração da Disney, claro, tem 66 anos e passou por revisões recentes, em que um grupo de indígenas ameaçadores foi substituído por animais tomando um barco. No filme, os indígenas são conhecedores e protetores da floresta. Lily, que poderia ser apenas a donzela em perigo, é a força motriz da ação. E seu irmão MacGregor faz um discurso bem discreto sobre ser diferente e não aceito pela família e pela sociedade.

"Mesmo que o filme esteja enraizado na nostalgia, ele é moderno", afirma Blunt. "A intenção era evocar aquela memória de filmes da Disney de antigamente, mas com uma atitude, um gosto e um humor contemporâneos."

Dwayne Johnson queria porque queria trabalhar com Emily Blunt desde que viu “O diabo veste Prada” (2006) e chegou a mandar pessoalmente um vídeo pedindo a ela para considerar “Jungle Cruise”. Nunca teve uma resposta _ a atriz queria uma folga depois de rodar “O retorno de Mary Poppins” e “Um lugar silencioso”, sem pausa. Mas Emily acabou topando, ao ouvir do diretor Collet-Serra que a ideia era se espelhar em “Tudo por uma esmeralda” e “Indiana Jones”. 

Na entrevista com Johnson e Blunt pareados, os dois não param de brincar um com o outro, e se provocar mutuamente. A afinidade é bastante explorada durante “Jungle Cruise”, em diálogos rápidos e bem-humorados que são quase a razão de existir do filme. 

"Nossa química foi imediata, mas ele era muito mais educado quando nos conhecemos. Era um cavalheiro. Agora, usa expressões chulas", observou Blunt. "Não, essa é você!", protestou Johnson. Foi assim durante toda a breve conversa via videoconferência, em que Emily Blunt começou falando um "Diga ‘Hola!’" para Johnson. 

Avisada de que a repórter fala português e cumprimentada pela excelente pronúncia de "Obrigada" no filme, a atriz agradeceu em português. Johnson completou: "Eu amo o Brasil. Estive no Brasil várias vezes". Quem sabe em “Jungle Cruise 2” eles poderiam de verdade filmar no Brasil e não no Havaí? "Talvez!", acrescentou o ator e produtor. "Mal posso esperar para voltar ao Brasil."

“JUNGLE CRUISE”
EUA, 2018, 127min. Direção: Jaume Collet-Serra, com Dwayne Johnson, Emily Blunt, Jack Whitehall. Estreia nesta quinta (29/07) nos circuitos CineartCinemarkCineSercla Cinépolis. Confira salas e horários nos sites: cineart.com.br, cinemark.com.br, cinesercla.com.br e cinepolis.com.br. 



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade