Publicidade

Estado de Minas

Documentário retrata trajetória do Coral Cidade dos Profetas

Filme terá lançamento neste domingo (11/07) e também exalta a importância da música sacra colonial mineira


10/07/2021 04:00

Documentário sobre o Coral Cidade dos Profetas enfatiza a trajetória do grupo, além de exaltar a importância da música sacra colonial mineira(foto: Pedro Vilela/Divulgação)
Documentário sobre o Coral Cidade dos Profetas enfatiza a trajetória do grupo, além de exaltar a importância da música sacra colonial mineira (foto: Pedro Vilela/Divulgação)

Há mais de três décadas, precisamente desde 1988, o Coral Cidade dos Profetas participa de eventos significativos do interior de Minas Gerais, apresentando-se em igrejas e conduzindo cursos de formação musical para pessoas de 12 a 80 anos, inspirado pela música sacra colonial mineira.

Para democratizar o conhecimento sobre este patrimônio histórico da cultura de Minas, o coral foi além da música e produziu um documentário que acompanha o cotidiano do grupo nos últimos 2 anos, além de contar histórias e bastidores das ações, ensaios e shows. “Coral Cidade dos Profetas e a música colonial mineira” será lançado neste domingo (11/07), às 20h, com exibição pública e gratuita no Santuário Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas, com projeção nas fachadas das capelas dos Passos, que abrigam as obras de Aleijadinho. Logo em seguida, a produção será disponibilizada no canal do YouTube (Coral Cidade dos Profetas Oficial).

“Entre os patrimônios imateriais de Minas, esse é um dos mais ricos e tão pouco divulgado”, afirma o maestro e fundador do coral, Herculano Amâncio. “A música (sacra colonial) se difundiu no Brasil entre os séculos 18 e 19, e era muito praticada durante celebrações da Igreja Católica. Então as letras carregam uma história enorme”, complementa.

Nascido em Santa Maria do Suaçuí, o maestro conta que, ao se mudar para Congonhas, no início da década de 1970, se encantou com o acervo cultural da cidade e foi inspirado a dar início ao coral. “Eu sempre fui muito interessado na música e, ao ver as igrejas e as obras de Aleijadinho, quis fazer da música um patrimônio histórico também”, conta Herculano.

BASTIDORES

Para a direção do filme, o coral contou com a ajuda do dramaturgo Marcelo Miyagi. Sua abordagem deixa que os próprios integrantes do grupo contem sobre histórias de bastidores, o cotidiano e as viagens para concertos. Ele dá voz ainda a historiadores e especialistas da música colonial brasileira, além de abordar como o coral mantém viva a música nos dias atuais. “É um recorte do atual momento do coral, que olha para o seu passado e vislumbra um futuro cheio de mais e mais vivências para contar outras histórias”,  explica  Miyagi.

Outro recurso incorporado no documentário é a exibição de registros antigos de apresentações, com algumas das músicas executadas no repertório do coral. Herculano comenta que o acervo é tão extenso que o grupo nunca precisou se preocupar em desenvolver canções autorais seguindo o mesmo estilo.

“Por volta do fim do século 18, Minas Gerais tinha cerca de 5 mil compositores da música sacra... Hoje em dia, a gente consegue acesso a todo esse conteúdo no Museu da Música, em Mariana, no Museu da Inconfidência, em Ouro Preto, e em outros acervos espalhados pelo estado. A gente pode se apresentar por 100 anos sem repetir uma música”, conta o maestro.

PANDEMIA Apesar da longa história e do grande número de obras, a música sacra colonial ainda é desconhecida por muitos. A expectativa com o documentário é conquistar um número maior de interessados. Com a pandemia do coronavírus, o isolamento social obrigou a classe artística a promover suas obras nas plataformas digitais. A exibição do documentário no YouTube promete alcançar um número maior de pessoas e democratizar o acesso ao trabalho do Coral Cidade dos Profetas.

Para a exibição pública do documentário nas ruas de Congonhas e para as apresentações presenciais recentes do grupo, Herculano afirma que o coral seguiu todos os protocolos de segurança. “A pandemia foi um grande complicador, ficamos parados um tempo, mas agora conseguimos retomar as atividades seguindo as normas exigidas. O público vai poder ver no documentário todo mundo cantando de máscara”, revela o maestro.

CORAL CIDADE DOS PROFETAS E A MÚSICA COLONIAL MINEIRA
Documentário. Lançamento neste domingo (11/07), às 20h, com projeção nas fachadas das capelas dos Passos, no Santuário Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas. Logo em seguida, o filme estará disponível no canal do YouTube Coral Cidade dos Profetas


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade