Publicidade

Estado de Minas MÚSICA

Cantor mineiro é primeiro artista a ter faixa produzida por Maria Rita

'Odoyá', de Gabriel Gonti, marca a estreia da cantora na produção musical para terceiros. Ela já exercia a função nos próprios discos


29/05/2021 04:00 - atualizado 28/05/2021 23:20

Gabriel Gonti diz que não está alheio à gravidade do momento que o país atravessa, mas afirma que ''trazer leveza'' e ''apaziguar essas coisas'' é sua forma de contribuir(foto: Enrico Boimond/Divulgação)
Gabriel Gonti diz que não está alheio à gravidade do momento que o país atravessa, mas afirma que ''trazer leveza'' e ''apaziguar essas coisas'' é sua forma de contribuir (foto:  Enrico Boimond/Divulgação)

Em 2 de fevereiro último, o cantor e compositor mineiro Gabriel Gonti estava em Salvador, na Bahia, para a gravação de um videoclipe. Nessa mesma data, a cidade celebra a festa de Iemanjá, principal manifestação pública do candomblé, realizada todos os anos no Bairro do Rio Vermelho, mas cancelada neste 2021 em virtude da pandemia do novo coronavírus. Comovido com a melancolia que percebeu na cidade, Gabriel voltou para São Paulo, onde mora, convencido de que deveria celebrar a rainha das águas.

Assim nasceu "Odoyá", single que o artista lançou nas plataformas digitais na última sexta-feira (28/5). A música marca a estreia de Maria Rita como produtora musical de trabalhos de terceiros. Acostumada a produzir seus próprios discos, ela aceitou o desafio depois de ouvir a música e entender a temática que Gabriel estava abordando. A ponte entre os dois foi feita pelo assessor de imprensa de ambos, Paulo Pimenta.

"Compus a música e enviei para o Paulo. Depois de ouvir, ele me escreveu dizendo: 'Essa música tem tudo a ver com a Maria'", conta Gabriel Gonti. "Ela tem muita propriedade para falar do assunto e se interessou de cara pelo convite. Para mim, é uma honra."

Para trabalhar na faixa, eles passaram dois dias em um estúdio, em Campinas. Ambos testados em relação à COVID-19, assim como os outros profissionais que estiveram envolvidos na gravação. Gabriel conta que o primeiro encontro com Maria Rita foi muito marcado pelo profissionalismo, mas também pelo nascimento de uma amizade regada a admiração.

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

CONVIVÊNCIA

"Entrávamos no estúdio às 8h e saíamos às 21h. Essa convivência intensa gerou uma proximidade com ela que foi muito emocionante para mim. Eu me esforcei para agir naturalmente. Tem tanta história na vida dela. Meu pai é um grande fã da Elis Regina, canta e toca as músicas dela no violão. A Elis é para ele o que a Maria Rita é para mim. Uma grande influência", comenta.

Assinada por Gabriel, Leo Costa, Peu e Maria Rita, "Odoyá" também conta com a produção de Túlio Airold. O mineiro revela que foi no estúdio mesmo que a cantora deu sugestões para a letra. A conversa inicial entre os dois ficou gravada na memória dele.

"Ela chegou me perguntando se eu sabia exatamente quem era Iemanjá. Ela me ensinou muito sobre religiões afro-brasileiras, chegou com um embasamento incrível. Então, esse processo inicial, de reconhecer a temática que eu queria abordar e me aprofundar nela, foi muito importante para o resultado final. Eu não tenho a menor dúvida disso", conta o músico.

Ele acrescenta que Maria Rita participou de todos os processos que envolvem uma gravação musical, incluindo a escolha dos músicos Mario Lima (bateria), Rodrigo Tavares (teclado), Dudinha (contrabaixo), Guiza Ribeiro (violão e guitarra) e Didão (percussão). A faixa foi mixada por Arthur Luna e masterizada por Carlos Freitas.

''Entrávamos no estúdio às 8h e saíamos às 21h. Essa convivência intensa gerou uma proximidade com ela que foi muito emocionante para mim. Eu me esforcei para agir naturalmente. Tem tanta história na vida dela. Meu pai é um grande fã da Elis Regina, canta e toca as músicas dela no violão. A Elis é para ele o que a Maria Rita é para mim. Uma grande influência''

Gabriel Gonti, cantor e compositor



Um dos maiores aprendizados da parceria para ele se deu durante a gravação da voz. "Ela quis acompanhar. Em determinado momento, ela pediu para eu cantar de determinado jeito e fez, para que eu aprendesse como era. Quando ela cantou, todo mundo parou. Eu travei. E era uma dica incrível para cantar a linha do refrão em determinado tom para dar uma diferenciada na música."

Questionado se durante a gravação surgiu a possibilidade de Maria Rita gravar voz na faixa, Gabriel Gonti confessa que fez algumas tentativas, deixando no ar esse desejo. Segundo o artista, ela recusou de forma bastante elegante, destacando que queria deixar sua marca na música como produtora.

A admiração, que ele faz questão de não esconder, é mútua. "Gabriel é um artista muito talentoso e um compositor muito pronto, muito preparado. Admiro muito o trabalho dele e esse sentimento só cresceu depois da nossa parceria em estúdio", afirma Maria Rita.

Segundo ela, "Odoyá" tem muito a ver com seu próprio trabalho, cada vez mais marcado pelo samba e, consequentemente, pelas tradições das religiões afro-brasileiras. Apesar de ter feito pequenas alterações na letra original, ela conta que chegou "muito pronta, no sentido de já saber o caminho que deveria seguir, mas, ao mesmo tempo, pedindo para ser cuidada".

Para Maria Rita, produzir a música de um outro artista é um "trabalho de amor". "Estou em estúdio desde muito nova, quando acompanhava meu pai. Além disso, tenho produzido e coproduzido os meus trabalhos desde o início da minha carreira. Então, a ideia de construir um universo musical, com ritmos e identidade própria, me traz conforto e me atrai desde sempre", afirma.

Afinal, é no estúdio que ela se sente mais à vontade. Por conta disso, a cantora não descarta a possibilidade de produzir para outros artistas novamente. "Eu me senti desafiada com a possibilidade de pensar na produção e nos arranjos, mas agarrei essa oportunidade de coração aberto. A produção sempre será uma possibilidade no meu horizonte", avalia.

Para Gabriel Conti, ter Maria Rita como produtora é a validação de uma carreira que vem sendo construída desde 2017, quando lançou seu disco de estreia, "Eterno viajante". Em 2019, ele colocou na praça o álbum "Gonti" e começou a ganhar destaque com o pop romântico que produz. No ano seguinte, o repertório do segundo disco ganhou um registro acústico cheio de parcerias, como Vitor Kley, Ana Gabriela e OUTROEU.

Nesse início de 2021, Gabriel lançou o EP "AMARÉ", composto por quatro faixas: "Menina Salvador", "Carnaval a dois", "Levada boa" e "Próxima vida".

Gabriel Gonti e Maria Rita gravaram a música em um estúdio em Campinas, depois de se submeter a teste para a COVID-19(foto: Guto Costa/Divulgação)
Gabriel Gonti e Maria Rita gravaram a música em um estúdio em Campinas, depois de se submeter a teste para a COVID-19 (foto: Guto Costa/Divulgação)

MAR

Nascido em Patos de Minas, ele tem mostrado nos últimos trabalhos fascinação pelo mar. "Eu acho que isso vem exatamente por conta da distância que os mineiros têm dele", explica. "Toda vez que eu contemplo o mar, eu sinto uma força, uma energia. É como se eu pensasse como a vida é boa, a despeito de tudo o que está acontecendo. A gente precisa voltar a se encantar pela vida", afirma.

''Estou em estúdio desde muito nova, quando acompanhava meu pai. Além disso, tenho produzido e coproduzido os meus trabalhos desde o início da minha carreira. Então, a ideia de construir um universo musical, com ritmos e identidade própria, me traz conforto e me atrai desde sempre''

Maria Rita, cantora e produtora musical



Ele diz não temer críticos que acusam sua música de ser 'good vibes' demais. Gabriel acrescenta que não é uma pessoa alienada, sabe  dos graves problemas que os brasileiros enfrentam, mas usa sua música para "enaltecer as coisas boas e não surfar na onda do negativismo".

"Eu sinto muito por este momento. De verdade. Não estou de olhos fechados para o que está acontecendo. Mas quero trazer leveza. É a minha forma de apaziguar essas coisas", afirma.

E isso é um sentimento que ele também tenta transmitir por meio dos videoclipes. Aquele que estava gravando em Salvador era o da música "Menina Salvador". Já o de "Odoyá", lançado junto com a música, foi gravado em Arraial do Cabo, no Rio de Janeiro. Dirigida por Enrico Beer Boimond, a tradução audiovisual segue a letra à risca e mostra o músico num barco, em direção a uma ilha deserta.

(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

“ODOYÁ”
• Single de Gabriel Gonti
• Deck
• Disponível nas plataformas digitais


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade