Publicidade

Estado de Minas

Coronavírus é o novo astro mundial do streaming

Pânico globalizado provocado pelo COVID-19 atrai o interesse do público para séries, filmes e games que abordam o trauma das pandemias


postado em 28/02/2020 04:00 / atualizado em 27/02/2020 20:23

Jude Law em Contágio, filme lançado em 2011 que faz sucesso no iTunes (foto: Warner Bros./divulgação)
Jude Law em Contágio, filme lançado em 2011 que faz sucesso no iTunes (foto: Warner Bros./divulgação)

A epidemia do coronavírus, que despertou o medo em escala mundial, renova o apetite do público por filmes, videogames e séries sobre o tema.

Nas últimas semanas, o filme Contágio, de Steven Soderbergh, lançado em 2011, chegou ao primeiro lugar nos downloads do iTunes. Ele conta a história de uma mulher de negócios, interpretada por Gwyneth Paltrow, que involuntariamente leva para os Estados Unidos um vírus contraído aparentemente por meio de um cozinheiro na Ásia. O elenco conta também com Matt Damon, marido da executiva, e Jude Law, como o blogueiro que divulga a notícia, espalhando o pânico que lhe rende audiência na internet.

Há muitas semelhanças com o COVID-19, que surgiu em dezembro na cidade chinesa de Wuhan. Como no filme, o vírus foi transmitido aos homens por animais. Em Contágio, ele mata cerca de 26 milhões de pessoas em vários países no primeiro mês de propagação.

Na última semana de janeiro, Contágio ficou entre as 10 primeiras colocações da lista de classificação britânica do iTunes. Obteve o sétimo lugar em Cingapura, o 20º nos Estados Unidos e o 24º na Austrália.

Em Hong Kong, onde há uma cena do filme, ele aparece em 8º lugar. Nas últimas semanas, essa região teve momentos parecidos com os de Contágio. Os moradores, em pânico, foram aos supermercados se abastecer de papel higiênico, arroz e produtos domésticos. A população da megalópole asiática está traumatizada desde a SARS, que entre 2002 e 2003 foi responsável por 299 mortes.

Enquanto os habitantes de Hong Kong revivem o pânico, o resto do planeta tem curiosidade em ver, por meio de Hollywood, como seria uma pandemia.

“O interesse repentino por tudo relacionado a epidemias e a vírus é uma forma de as pessoas lidarem melhor com o que está ocorrendo”, diz o médico e sociólogo Robert Bartholomew, pesquisador do fenômeno da histeria coletiva. “Falar de eventos traumáticos pode ajudá-las a ficar mais calmas e aliviar o estresse”, explica.
Por sua vez, a Netflix não teria melhor época para lançar a série documental Pandemia, que aborda a preparação, a nível internacional, para enfrentar um novo vírus.

“As pessoas sempre dizem que Pandemia veio no momento perfeito”, escreveu Sheri Fink no Twitter. Jornalista e médica, ela é a produtora-executiva da série.

Outra atração da Netflix dedicada ao tema é o filme sul-coreano Flu, lançado em 2013. Na trama, moradores do subúrbio de uma cidade daquele país asiático começam a morrer devido a uma doença respiratória. A área é colocada em quarentena e o caos toma conta da região.

Em 2018, o Extra Credits, canal educativo no YouTube, produziu uma série de animação alusiva ao centenário da gripe espanhola, que causou milhões de mortes em 1918. Desde o surgimento do novo coronavírus, o número de espectadores disparou, principalmente na Ásia, revela Robert Rath, que vive em Hong Kong e é autor do roteiro.

GAMES 
O tema não aparece só em filmes. Desde seu lançamento, há oito anos, o jogo Plague Inc, no qual um vírus se propaga pela Terra, tornou-se muito popular. A cada vez que surgem epidemias como a COVID-19 e o ebola, o número de downloads aumenta, informa a Ndemic Creations, empresa criadora do game.

“As pessoas querem saber como as doenças são transmitidas e entender os aspectos complexos das epidemias”, ressalta um comunicado da Ndemic. (AFP)


CONTÁGIO
>> Filme. Disponível no iTunes

PANDEMIA
>> Série. Disponível na Netflix

FLU
>> Filme. Disponível na Netflix

THE 1918 FLU PANDEMIC
>> Animação. Disponível no canal Extra Credits 
do YouTube

PLAGUE INC
>> Game. Produto na Ndemic Creations

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade