Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Peter Parker dá adeus à adolescência em "Homem-Aranha: longe de casa"

Nesta quinta-feira (4), novo filme do super-herói da Marvel estreia em 54 salas da Grande BH. Tom Holland, de 23 anos, interpreta o garoto de 16


postado em 04/07/2019 04:07

O jovem Peter Parker (Tom Holland) e o carismático Mysterio (Jake Gyllenhaal), a novidade do novo filme do Homem-Aranha(foto: Marvel/divulgação)
O jovem Peter Parker (Tom Holland) e o carismático Mysterio (Jake Gyllenhaal), a novidade do novo filme do Homem-Aranha (foto: Marvel/divulgação)



Ele já havia ido ao espaço em aventuras que envolviam todo o time dos Vingadores. Nick Fury (Samuel L. Jackson), líder administrativo da equipe, fez questão de lembrá-lo disso. Mas para o adolescente superpoderoso Peter Parker, orgulhoso e confortável com o título de “o amigo da vizinhança”, qualquer incursão além da metrópole nova-iorquina soava como desafio exagerado, além de suas capacidades. Porém, ainda que a ideia de que “grandes poderes trazem grandes responsabilidades” tenha sido usada em outra versão cinematográfica dedicada a ele, no novo filme do Homem-Aranha ela vale para o personagem de Tom Holland, que gostaria apenas de curtir a viagem da escola e tentar conquistar uma garota, mas acaba obrigado a salvar o mundo em outro continente.

Com a avalanche de produções envolvendo heróis dos quadrinhos, é preciso explicar: Homem-Aranha: longe de casa, que estreia hoje em 54 salas da Grande BH, é o segundo longa protagonizado pelo personagem no Universo Cinematográfico da Marvel (UCM). A trama nada tem a ver com a trilogia estrelada por Tobey Maguire, no início dos anos 2000, nem com a sequência de O espetacular Homem-Aranha, em que Andrew Garfield assume o papel principal.

Na versão proposta pelo estúdio responsável pelos Vingadores, o estudante secundarista Parker enfrenta não só as forças que planejam destruir o mundo, mas crises e inseguranças inerentes a jovens como ele. O lançamento da vez, em síntese, é um ato de passagem para o garoto, testado pela primeira vez depois da morte de seu mentor Tony Stark, o Homem de Ferro.

A direção é de Jon Watts, assim como em Homem-Aranha: de volta ao lar (2017), que apresentava melhor o conhecido herói, cujas participações foram discretas em outros títulos da franquia milionária. Depois de sobreviver ao episódio apocalíptico de Vingadores: guerra infinita (2018) e Ultimato (2019), ele queria apenas curtir uns dias como qualquer jovem normal durante uma excursão colegial à Europa. Porém, ao chegar a Veneza, depara-se com ameaça mais complicada do que a timidez que o impede de se aproximar da amada Mary Jane (Zendaya). Essa cantora e atriz estrela a polêmica série Euphoria (HBO), também de temática adolescente, mas com tons bem mais pesados.

“PITO” Sem querer abrir mão dos momentos de lazer com a turma, Parker é confrontado por Nick Fury sobre a necessidade de usar seus poderes contra o monstro que manipula os quatro elementos da natureza para promover a destruição em massa. Ele ganha o apoio de Mysterio, a grande novidade do novo longa. Vivido por Jake Gyllenhaal, o personagem dos quadrinhos faz jus ao nome: usa suas habilidades de criar ilusões, mas deixa no ar suas reais intenções. Ele é responsável por algumas das melhores cenas de ação, ao distorcer a realidade ao seu redor.

Mesmo com a típica quebradeira dos filmes Marvel – desta vez tendo Veneza, Praga, Berlim e Londres como cenário para sequências de pelo menos cinco minutos de destruição e explosões –, a trama revela outro entendimento dentro da estrutura mostrada em ao menos uma dezena de longas do UCM. A lógica mocinho contra vilão é deixada de lado, dando espaço ao dilema de Peter Parker diante de sua própria responsabilidade como super-herói e da necessidade de amadurecer. Tudo isso com bom humor, sem pretensões mais profundas, em clima de comédia adolescente.

PISTAS Com o fim da trama de Vingadores, o novo filme do Homem-Aranha deixa um gatilho para o estúdio tentar emplacar novos sucessos. E isso deve ocorrer com maior representatividade. Sem revelar detalhes, Tom Holland deu pistas em entrevista ao jornal britânico The Sun. “Não posso falar sobre o futuro do personagem, porque, honestamente, não sei se isso está nas minhas mãos. Mas sei bastante sobre o futuro da Marvel, e eles vão começar a representar várias pessoas diferentes nos próximos anos. O mundo não é tão simples como um homem hétero e branco. Não para por aí, esses filmes precisam representar mais do que um tipo de pessoa”, declarou o carismático ator, de 23 anos, que encena um Peter Parker sete anos mais jovem.


Publicidade